Solta a roda e vem

00:06 - Kanjinha oriental

Depois do rali-Draghi de ontem, hoje surfamos um rali-China, que bomba as commodities brazucas.

E dá-lhe Virada de Mão!

Conforme desejado, o Banco Central chinês reduziu de novo as taxas de juros e o compulsório dos bancos.

São esforços para garantir que o país cresça ao menos +7% neste ano (segundo as estatísticas oficiais).

Como inflação não é um problema para a China, existe espaço para afrouxar a política monetária.

Aliás, a preocupação por lá está muito mais próxima da deflação do que da inflação.

À medida que amadurecem, os chineses vão se parecendo mais com os japoneses.

01:15 - Eu, profissional

Aliás, falando em Virada de Mão…

Tomando por base os 20 primeiros dias de outubro, constatamos que os investidores estrangeiros colocaram US$ 4,2 bilhões em Bolsa brasileira.

O humor dos gestores passou de pessimista ou neutro para “cautelosamente otimista” com ações locais.

Sem contar vantagem antes da hora (coisas ruins ainda podem acontecer), sentimo-nos contentes de ter alertado sobre a oportunidade de virada antes que ela houvesse se tornado hegemônica para os investidores profissionais.

De grão em grão, vamos desafiando a injusta norma de que o financista profissional possui insights melhores que os do investidor individual.

A Virada de Mão pode ser encarada como um conceito mais amplo.

Da mão corporativa para a mão pessoal.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

02:23 - Ajuste fino

Ao que se constata, rali-China supera inclusive a depressão com as contas públicas do Governo Dilma.

Para os US$ 4,2 bilhões de estrangeiros, o déficit primário de R$ 70 bilhões a R$ 100 bilhões não faz tanta diferença.

Não que seja irrelevante; o lance é que esse tipo de desastre já entrou na conta do risco-Brasil.

Estamos apenas acelerando um pouquinho o downgrade brasileiro por Fitch e Moody’s. Trata-se de ajuste fino.

Olhando o lado bom, fico feliz que o TCU não tenha permitido o parcelamento das pedaladas de 2015.

A crise eleva o moral de algumas instituições sérias do país, merecendo inclusive elogio dos gringos mais atentos.

TCU e Sérgio Moro saem particularmente fortalecidos.

03:22 - Nem só de Bolsa vive o homem

Sim, a Bolsa é o lugar por excelência para se aproveitar da estratégia de Virada de Mão.

Mas existem alternativas essenciais que não podem ser simplesmente ignoradas.
Comprar as ações certas é fundamental para multiplicar o seu patrimônio, mas não representa a única atitude a ser tomada.
Lembre-se que, em termos de alocação, a renda fixa continua sendo o peso mais representativo numa boa carteira de investimentos.

Se esse “detalhe” passou despercebido até o momento, sugiro clicar aqui.

04:26 - Amo muito tudo isso

Ganho aqui, ganho acolá.

Talvez você tenha uma impressão errada de que a Bolsa americana, por ser bem mais madura que a nossa, não oferece mais graaandes oportunidades de lucro.

Saiba então que as ações do McDonald’s dispararam +8,12% no pregão de ontem, beneficiadas pela publicação de resultados acima do esperado.

Qual foi a última vez que você viu uma ação brasileira subir +8% ou mais por conta de um earnings release?

As melhores dicas para investir em empresas americanas são devidamente contempladas em nossa série Legacy EUA.

Aliás, para a felicidade dos assinantes da série, McDonalds faz parte da Carteira do Legacy.

Links Recomendados

Construindo riqueza com imóveis

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Aqui e acolá (Exclusivo para o PRO)
.: Comam minha poeira (Exclusivo para o PRO)
.: Isto se chama “pricing power" (Exclusivo para o PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado