Você escolherá o novo redator do M5M

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail

00:08 - Caminhando contra o vento

Fosse antever um movimento razoável para os mercados nesta quarta-feira, no que você apostaria?

Tudo mais constante, eu apostaria em alta da Bolsa e queda do dólar.

Por quais razões?

Primeiro, pois há um elemento de fluxo que não pode ser ignorado. Após o recorde histórico de cotação do dólar, por exemplo, é de se esperar que aqueles que ganharam com isso coloquem o lucro no bolso, exercendo pressão sobre as cotações.

A recíproca é válida: nos casos em que há forte retração no preço de algum ativo, é natural esperar um repique posterior, ainda que pontual, de investidores interpretando a queda como oportunidade.

Veja bem: isso não quer dizer que há uma inversão na tendência. Fluxo define movimentos pontuais. Fundamentos definem tendências.

Do lado dos fundamentos, no entanto, também temos nesta quarta-feira um motivo para apostar na alta da Bolsa e na queda do dólar…

A votação da pauta bomba no Congresso trouxe vitória, ainda que parcial, ao governo Dilma, com a preservação dos vetos da presidente. Ainda falta apreciar questão do reajuste dos servidores do Judiciário, com impacto relevante sobre as contas…

…mas, à primeira vista, parece que a estratégia do governo entregar ministérios relevantes ao PMDB em troca de apoio rende alguns frutos.

Alta da Bolsa e queda do dólar?

Pelo contrário. Tem uma pedra no meio do caminho. E ela é do tamanho da China.

01:22 - Meio trilhão de dívida

Antes de eu entregar o M5M de mão beijada para o Rodolfo, no primeiro semestre deste ano, vinha falando que, virtualmente, a dívida da Petrobras era de meio trilhão de reais.

Hoje, com o dólar acima de R$ 4, as manchetes por aí chegam à brilhante constatação:

“o endividamento da estatal foi acrescido em 100 bilhões de reais, o que faz o total chegar a assustadores 513 bilhões de reais, ou 9,4% do PIB do Brasil. Ao se confirmar essas estimativas, o endividamento acumulará um aumento de 723% desde que Dilma chegou ao poder”.

Ontem mesmo conversamos que a Petro está em uma sinuca de bico danada…

Das duas uma: ou você investe menos e fatalmente produz menos (gerando menos caixa), ou investe mais e produz mais, mas antecipa o colapso da estrutura de capitais da empresa, altamente alavancada.

O que resta?

1) A empresa queima caixa consistentemente. Portanto, a realidade de seus resultados hoje é incapaz de resolver o problema.

2) Ela pode emitir mais dívida? Pode, mas será dívida cara (classificação de risco elevada) e provavelmente em moeda estrangeira. Além disso, dívida não se paga com mais dívida.

3) Ela pode emitir mais ações? That’s a bingo! Seria emitir ações a preço de banana (entre mínimas de anos e anos). E, com o dólar a R$ 4, seria entregar a companhia de mão beijada para o estrangeiro capitalista opressor.

Talvez (3) seja a única alterativa que resta para resolver a dívida de meio trilhão da Petro. Se ela fará ou não aumento de capital, aí são outros quinhentos…

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

02:15 - Não podemos comparar fluxo com estoque

A rigor, não há imprecisão nas aspas (itálico) acima, retiradas do Estadão.

Mas precisamos tomar muito cuidado com os comparativos…

PIB é fluxo. Dívida é estoque.

Veja o caso da Vale, por exemplo…

A mineradora tem aproximadamente 90% de suas receitas em dólares, para cerca de 65% de seus custos em reais. Portanto, do lado operacional sua exposição líquida é positiva em dólares. Isso é fluxo.

No entanto, é batata Vale ter prejuízo contábil em resultados por conta de dólar forte… Afinal, parte de sua dívida é em dólares.

Vale pode não estar pagando a dívida naquele momento (fluxo ou serviço da dívida), mas está remarcando o montante total (estoque) dessa dívida à cotação da moeda naquele momento.

02:52 - Outro cuidado (derivado do causo acima)

Lucro é medida contábil. Análise mais precisa da realidade da empresa se dá por avaliação de seus fluxos de caixa.

Em situações de estresse, recomendo comparar geração de caixa operacional (+) com investimentos (-) e resultado financeiro (geralmente negativo em situações de estresse).

Petrobras, por exemplo, deu lucro no último resultado, e as ações reagiram bem. Mas simplesmente não sobra nada de fluxo para pagar as contas: a geração de caixa operacional (R$ 21,5 B) não foi suficiente para fazer frente aos investimentos (de R$ 17,8 B) mais o resultado financeiro (negativo em R$ 5,6 bilhões), que, juntos somam R$ 23,4 bilhões.

03:20 - Retrato do dia

 

Aqui, a renda fixa consegue ser mais volátil do que renda variável.

Brasil-sil-sil!

04:26 - Você escolhe o novo redator do M5M

Continuo Roberto Altenhofen, até que terminadas as férias de nosso anfitrião Rodolfo Amstalden, em cerca de 20 dias.

Após isso, Rodolfo voltará à nossa querida newsletter em sua versão tupiniquim.

A questão é: a Empiricus acaba de abrir escritório em Portugal. Entrevistamos uma cambada de portugas candidatos à vaga de analista responsável pela edição portuguesa do Mercado em 5 Minutos.

Chegamos a dois finalistas.

Abaixo, uma amostra de cada um deles.

Como bom leitor/crítico do M5M brasileiro, conto com a sua participação para escolhermos o redator do M5M português.

Quem receber mais votos entre hoje e amanhã será contratado.

Candidato 1:

 

 

Candidato 2:

 

 

Para votar, basta clicar aqui, respondendo simplesmente “Candidato 1” ou “Candidato 2”.

Links Recomendados

O sonho de investir nos EUA a seu alcance

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Como lidar com a renda fixa mais volátil que renda variável (Exclusivo para o PRO)
.: Sobre o risco de CPI do Fies (o que Kroton nos falou) (Exclusivo para o PRO)
.: Cumprindo o prometido (ação dolarizada a ponto de compra) (Exclusivo para o PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo recomendado