Seja um empresário da Bolsa

E ensine seus filhos a pensar como uma businesswoman ou um businessman

Seja um empresário da Bolsa

Se você acha que, aqui, eu só falo de mercado financeiro e do vai-e-vém de ações nos homebrokers pelo mundo, pense novamente.

Os conceitos de análise de negócios, investimentos e value investing que aplicamos para selecionar bons investimentos em Bolsa, são os mesmos que os empresários e empreendedores utilizam em seus negócios.

Para selecionar uma boa vaga de trabalho, boas oportunidades de empreender, de abrir uma franquia, parcerias e, claro, investir seu precioso capital.

Vivendo e aprendendo

Aproveitando o Dia das Crianças, eu não poderia dizer como invisto dinheiro para meu pequeno rebento, mas a Empiricus já fez isso um este belíssimo vídeo: Investimento para seu filho – Especial Dia das Crianças.

Ainda assim, vou dizer o que eu pretendo fazer para que ele aprenda a investir seu próprio dinheiro – e não é da forma que você imagina.

O mais importante para um investidor é pensar como um businessman: como olhar oportunidades e saber se esquivar de riscos óbvios nas empresas, no mercado de trabalho e na vida.

O investimento que paga os melhores juros

Eu mesmo comecei tarde.

Após uma faculdade de Engenharia de Produção, na qual eu não queria aprender nem os professores queriam ensinar, me vi no mercado sem nenhuma aptidão aos negócios.
Só comecei a entender como funciona o mundo corporativo pós-MBA, quando tinha perto de 33 anos.

Após 92 mil dólares gastos em mensalidades da NYU Stern.

O MBA, apesar de não me ensinar a investir, me ensinou muito sobre como funcionam as empresas e os negócios.

E, em seguida, lá se foram mais algumas centenas de dólares em livros de value investing, para fazer com que aquele conhecimento fosse aplicável ao mercado financeiro.

E ao que faço hoje.

Apesar de me doer no bolso até hoje, investir todos aqueles dólares valeram a pena.
Como diria Benjamin Franklin, o investimento em educação é o que paga os melhores juros.

Empresário >> Financista

Quando as pessoas pensam em investir, focam nas finanças envolvidas – análise de balanço, valuation

Mas o qualitativo, o entendimento do negócio, suas vantagens competitivas, a história, a estrutura do negócio, a gestão… todos esses pontos são muito mais importantes para o futuro sucesso da empresa do que aquilo que os números financeiros te dirão.
O próprio Buffett comenta que ser um empresário o torna um melhor investidor e ser um investidor o torna um melhor empresário.

Por exemplo: ontem conversava com um amigo que deseja abrir uma franquia.
E franquias parecem ser formas interessantes de empreender. Mas tudo depende de como está estruturado o risco x retorno do negócio em contrato.

Se a franquia vender muito mais que o esperado, a franqueadora pode abrir mais uma loja para competir com a sua?

Quais são as reais barreiras de entrada para montar um negócio parecido com o seu? O franqueador é sério? Como o franqueador trata o franqueado?

Lembram-se do que aconteceu com as paletas mexicanas? E com as lojas de frozen yogurts? Para não falar nas de bolo…

Os americanos são muito melhores

Aqui eu preciso tirar o chapéu para os americanos.

Deixar que os jovens trabalhem para ganhar um dinheiro extra desde bastante novos (vendendo suco, entregando jornais, atendendo em fast-foods) ajuda muito no desenvolvimento de raciocínio empresarial.

Trabalhar para conseguir seu próprio dinheiro e investi-lo em seu negócio força as crianças a buscarem entender o que dá certo ou errado em seus pequenos negócios. A entender como funciona o mundo empresarial.

E aqui as falhas serão muito mais educativas que as vitórias.

Apesar de muitos deles não se dirigirem para o mercado financeiro, esta cabeça empreendedora vai ajudá-los em todas as decisões de suas vidas.

Claro, estamos sempre aprendendo, mas frequentar um curso de negócios, um MBA ou ler um livro também ajuda bastante no desenvolvimento desse pensamento crítico.

As maiores dinastias do Brasil

Já perceberam que os herdeiros das grandes empresas brasileiras são criados, desde cedo, para assumir os negócios dos pais.

Estudei com alguns deles no MBA.

Trabalham nas empresas, participam das decisões, fazem cursos de negócios no Brasil e no exterior.

Eles não podem depender da educação formal para preparar seus herdeiros para tocar negócios multibilionários.

E por que nós não fazemos o mesmo?

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Os novos Superinvestidores

Eu mesmo ainda não abri uma empresa. Já participei ativamente das aventuras do meu pai nessa seara. Dando certo ou dando errado, o aprendizado é enorme.

Independentemente de sua carreira, se você é mãe (ou pai), sugiro que encoraje seus filhos a montar negócios próprios – ou trabalhar no seu.

Aproveite as lições de algumas das famílias mais ricas do Brasil.

Uma forma muito fácil de praticar isso é permitir que seu herdeiro aloque seu próprio capital – que invista um percentual de sua mesada.

Meu filho tem apenas dois meses, mas, assim que ganhar sua primeira mesada, ele tomará suas próprias decisões de investimento. Assim como o restante de nós, com 10% de sua renda.

Mas ai dele se quiser investir em renda fixa ou imóveis…

Conteúdo relacionado