697,23% de potencial

O caso de amor dos analistas com suas planilhas

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
697,23% de potencial

Conforme comentei na semana passada, tive a felicidade de cursar um MBA nos Estados Unidos. E lá ter aulas com o fenomenal Aswath Damodaran.

Para quem não sabe, Damodaran é o mago do valuation — financês para o ato de montar uma planilha enorme e calcular o valor de uma companhia.

E Damodaran praticamente inventou suas técnicas quando começou a dar aulas na NYU.

Segue link para um ótimo vídeo dele, infelizmente com legendas só em inglês.

(A quem se interessar, ele disponibiliza todo o material que produz grátis em seu site).

 

O ENORME PODER DA MINHA PLANILHA
Utilizando o valuation encontramos o famoso “preço-alvo”, a maior enganação da história do mercado financeiro (logo após do day trade).

O preço-alvo dá uma sensação de certeza ao investidor.

O preço-alvo mostra como, matematicamente, aquele investimento dará certo — e só esperar para coletar os enormes lucros.

O preço-alvo demanda tantas variáveis (juros, PIB, margens, crescimentos, investimentos, etc.) que é impossível ter certeza de qualquer coisa ao se finalizar os cálculos.

O valuation pode ser um exercício tão complexo, que meses são gastos para se estruturar os números.

Mas você sabia que o maior investidor de todos os tempos (sim, o Buffett) nunca fez uma planilha na vida?

Nunquinha da Silva.

EU SOU VOCÊ ONTEM
Eu também já tive certezas.

Já acreditei em planilhas, nos jornais, nas revistas e nos analistas de mercado.

Mas o mais engraçado é que, quanto mais você aprende, estuda, lê, decifra, descobre, mais dúvidas você tem.

Funciona para a física teórica e funciona para o mercado financeiro.

A sensação de certeza é a maior inimiga do investidor

E as planilhas servem como uma muleta para o analista, uma forma de “provar” suas certezas.

Quem tem certeza, se alavanca, trada no curto prazo, gira o portfólio continuamente, é altamente arrogante…

Exatamente o contrário do que Buffett vem fazendo em seus muitos anos de mercado.

 

SÓ SEI QUE NADA SEI
Repita comigo quatro vezes: eu não sei, eu não sei, eu não sei, eu não sei.

É libertador, não é?

Sabe o que é mais curioso? Damodaran, o mestre do valuation, tampouco acredita em seu preço alvo.

Damodaran acredita muito mais nas histórias que direcionam suas continhas.

Damodaran, do alto de seu conhecimento, dá um enorme valor para as premissas de um valuation, e não para o resultado final (o preço-alvo).

Dependendo de como definimos o que a empresa é e o que ela pode fazer, o restante das contas gira em torno disso.

Leia mais: Sofrimento + reflexão = progresso

 

CADA INVESTIDOR TEM UMA HISTÓRIA
Damodaran consegue montar um valuation tão robusto, que ele precisa inserir poucas variáveis em seu modelo.

A maior parte dos números simplesmente vem do próprio mercado — ou está amarrada com a história que Damodaran imagina para a empresa.

Se eu acho que uma empresa terá alto crescimento, preciso atentar para a necessidade de investimento (quem não investe não cresce).

Preciso entender qual será o tamanho dessa empresa no futuro, e se este tamanho é possível (ou a empresa dominará o mercado ou o país ou o mundo?). Damoradan cita como exemplo a Netflix.

O crescimento acelerado da empresa combina com o negócio? Ou é um produto de altas margens e perfil de exclusividade — Ferrari ou Fiat?

Mas o valuation é algo pessoal. Cada indivíduo tem sua história, cada investimento tem a sua história.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

A FERRAMENTA QUE ME USA
Você será muito mais feliz quando aceitar que ninguém sabe de muita coisa no mercado.

Buffett, com experiência infinita, sabe que a única forma de ganhar dinheiro é comprando coisa boa e barata.

Ao definir o que é bom e o que é barato, Buffett e Damodaran discordam numa proporção de 11 a cada 10 vezes.

O valuation, o preço-alvo, o potencial de lucros e os múltiplos são apenas ferramentas.

Você pode usá-las para entender melhor sobre as empresas e sobre seus investimentos.

O problema surge quando você deixa que suas ferramentas façam uso de você.

A matemática prova: os investimentos mais famosos do mercado NÃO farão você ganhar dinheiro de verdade.

 

Conteúdo recomendado