7 respostas sobre o Tesouro

Tiramos suas dúvidas sobre seu primeiro investimento

7 respostas sobre o Tesouro

Caro leitor,

Na semana passada, mostramos os primeiros passos para investir no Tesouro Direto. Essa é a nossa sugestão número 1 para você colocar seu dinheiro que hoje está perdendo valor na poupança. Ficamos positivamente impressionados com o retorno dos leitores. Nossas caixas de e-mails ficaram cheias de comentários e dúvidas.

Alguns disseram algo como “parece que o texto foi feito pra mim”. Excitados,  resolvemos dar uma esticada no Tesouro Direto antes de seguir para o próximo tema.

Eu e o Renato Breia, nosso consultor financeiro, fizemos uma seleção de dúvidas, por amostragem relevante. Também atualizamos nosso Guia do Tesouro Direto e disponibilizamos para quem está acompanhando o Criando Riqueza.

Antes de ir às respostas, faço questão de pontuar que esse momento é marco importante para muitos leitores:  quando você decide tirar seu dinheiro da poupança e aprende a investir no Tesouro Direto. Sei que não é fácil sair da zona do conforto. Quando se trata de dinheiro, há ainda uma resistência adicional. Foram raras as pessoas que conheci que tinham um prazer nato, autêntico (invejável, eu diria) por lidar de assuntos de suas finanças pessoais.

Muita gente se esforça. E muita gente desiste rápido. Acredito que você, se chegou até aqui e está lendo essa newsletter, não quer ser do segundo grupo.

10 Respostas sobre o Tesouro Direto

1) Existe algum risco de o governo dar “calote” e não pagar os títulos?

Riscos sempre existem em investimentos. Entretanto, o Tesouro Direto tem o menor risco que você pode correr hoje, no Brasil, considerando os investimentos existentes aqui. Os títulos do governo são menos arriscados que aplicações como um CDB de um banco X. Apesar de a economia brasileira estar em um momento delicado agora, tem uma posição muito sólida em termos de reservas.

2) Por que seria mais interessante investir no Tesouro Direto (Tesouro Selic) do que em LCI ou LCA, que não têm incidência do Imposto de Renda?

São modalidades de investimento um pouco diferentes. LCA e LCI seriam comparáveis a um Tesouro Selic. Também são indexados aos CDI. E há razão em mencionar como uma vantagem o imposto de renda zerado para essas duas aplicações. A principal diferença entre elas e o título do Tesouro é a exigência de um valor maior de dinheiro para começar.

Geralmente, as corretoras e os bancos de médio e pequeno portes exigem um aporte inicial superior a R$ 30 mil e estabelecem um prazo mais longo para permanência na aplicação.

É possível conseguir LCI e LCA que oferecem liquidez diária. Ou seja, você pode resgatar seu dinheiro qualquer dia. Em contrapartida, as taxas de retorno são menores.

No Tesouro Direto, o fato de as datas de vencimentos serem longas não significa que você tem que deixar o dinheiro até vencer. Em um título Tesouro Selic, por exemplo, você pode vender a qualquer momento sem o risco de ter uma variação negativa. Quanto mais longo o título (ou seja, quanto mais distante a data de vencimento),  melhor.

Alem disso, o Tesouro dá a possibilidade de investir em títulos prefixados e indexados a inflação. Depois de um tempo, você vai começar a diversificar sua carteira de investimentos. Em geral, a carteira de nossos clientes são compostas tanto por Tesouro Selic e outros títulos do governo, indexados à inflação, como por LCA e LCI.

Nossos clientes costumam deixar algum dinheiro no banco, para o caso de precisarem para uso imediato. Esse “caixa” pode estar nos chamados CDBs, que são aplicações oferecidas pelo banco também indexadas à Selic, assim como o Tesouro Selic.

3)  Todos os títulos do Tesouro Direto têm vencimentos de longo prazo, certo? Se eu quiser liquidar o investimento em 12 meses, ainda vale a pena?

Sim. Ainda vale a pena. Se você tem a perspectiva de que vai precisar do dinheiro em até 12 meses, procure um título que tenha um vencimento que case com essa data. Na falta dessa opção, invista em um Tesouro Selic (LFT), que continua valendo a pena para o resgate antecipado mesmo com o imposto de renda.

Após 180 dias, o imposto cai de 22,5% para 20%. Caso você puder esperar mais do que dois anos, vai pagar a alíquota mínima, que é 15%. Veja na tabela:

unnamed

No caso de resgate de dinheiro antes da data de vencimento, você certamente não terá todo o rendimento esperado. Mesmo assim, terá um bom retorno no Tesouro. Saiba que, infelizmente, pouco dinheiro sempre tende a render pouco. Quando você tiver seus R$ 5 milhões, vai ver que o banco vai te oferecer ótimas remunerações.

O Tesouro Direto faz todo o sentido justamente para quem tem menos dinheiro. O retorno será o mesmo tanto para quem tem muito dinheiro (e que também tem uma parte de seu capital no Tesouro Direto!) como para quem tem menos. Diferentemente do banco, que é sensível ao volume de dinheiro e trata melhor os clientes mais ricos, colocando-os em categorias diferenciadas, o Tesouro Direto não discrimina as pessoas.

Um PS: Lembre-se também que o governo vende diversos títulos e escolhe para colocar no Tesouro Direto os que avalia que são os melhores para a pessoa física. O de 2035, por exemplo, pode ser uma excelente poupança para o seu filho.

4) Vocês citaram 12 empresas que cobram no máximo 0,10% de taxa de administração para o investimento no Tesouro Direto. Mas a escolha da corretora pela taxa de administração pode ser um golpe. Sempre fui cliente da corretora A e abri conta na corretora B para pagar a taxa de 0,10%. Quando eu fui comprar os títulos, percebi que eles me vendiam por um preço até 2,5% superior ao valor dos títulos no Tesouro. Acabei investindo pela corretora A. Isso que a corretora B fez é permitido?

As corretoras costumam ser muito corretas em suas operações, inclusive com o Tesouro Direto. Se você “operar pela mesa”, ou seja, se investir com o atendimento de um corretor, que vai te atender por telefone, por exemplo, é possível que a corretora cobre 0,5% a mais. No entanto, essa taxa de 2,5% que você menciona me parece abusiva. Pode ter sido um erro de cálculo da corretora. Ou, caso você acredite que tenha mesmo sido um golpe, você pode reclamar na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que regula o mercado brasileiro.

5) Sou assinante PRO do Criando Riqueza e tenho muito interesse em investir no Tesouro Direto, mas tenho uma dúvida: como funciona a questão dos aportes? Por exemplo: se eu começo investindo R$ 100 e no segundo mês aplico mais R$ 200, os juros vão render na somatória dos valores ou de forma separada?

No caso de investimentos feitos aos poucos, o seu extrato vai mostrá-los de forma separada. É preciso que fiquem separados até mesmo para o cálculo do imposto de renda, que será cobrado sobre os rendimentos em cada caso. Como o imposto diminui com o tempo, a cobrança vai ser calculada de acordo com cada data de compra. Sempre que você for fazer um resgate, opte pela compra mais antiga, para ter o imposto menor. Mas, no fim das contas, sua rentabilidade não muda.

6) O “Tesouro Prefixado 2018” que vencerá em 01/01/2018, sendo aplicado hoje, só me trará o retorno de 13,30% em 01/01/2018? Pelo que entendia dos TD (Tesouro Direto) e demais investimentos de renda fixa, eles tinham retorno anual, é isso? 

Os retornos são anuais. Nesse caso, 13,30% é a taxa de retorno anual.

7) Fiz uma simulação em que coloquei um valor hipotético de R$ 1.000,00 no Tesouro Selic 2021. Se eu fosse resgatar depois de 1 ano, a simulação mostrou uma perda de R$ 627,00, ou seja, apliquei R$ 1.000,00 e se eu retirar depois de um ano vou sacar apenas R$ 627,00?

Acredito que a sua simulação tenha mostrado um resultado errado. Eu, Olivia, fiz a mesma simulação no dia 11 de maio e o resultado após um ano foi R$ 1.106,22.

Mãos à obra

Se você já entrou no site do Tesouro (http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto), viu que há muitas informações. Para quem gosta de ficar vasculhando, ótimo.  O site é muito útil e responde diversas outras dúvidas.

E, antes de me despedir, já adianto que não será a última vez que trataremos do assunto. Muitas pessoas pediram recomendações de corretoras para investir no Tesouro Direto. Estamos fazendo testes e novas avaliações. Quando terminarmos, vamos escrever para vocês um material específico sobre isso.

Para já, a recomendação que deixamos é: tome uma atitude. Querer não basta, certo? Há dois anos eu quero-porque-quero voltar a estudar chinês, meu idioma do coração. Perguntei à Camila, que senta ao meu lado aqui no escritório, o que ela queria fazer mas não faz – quer voltar para a academia e quer atingir sua independência financeira. Imagino que se você der uma pausa agora, para pensar, também vai listar rapidamente uma dúzia de coisas que você quer.

Nem precisaria dizer que não podemos te ajudar em todas elas. Nem na maioria delas. Mas em uma delas, possivelmente sim. Caso você também tenha pensado em “quero ser rico (a)” ou algo nessa linha, como “quero independência financeira”, “quero construir meu patrimônio”, “quero me aposentar com dinheiro para curtir o resto da vida”, “quero sair do vermelho”, podemos te ajudar.

Mas precisamos que você dê um passo além do “querer” e faça um esforço para agir. A começar pela substituição da poupança pelo Tesouro Direto.

Acesse o Guia do Tesouro Direto.

Captura de Tela 2015-05-15 às 16.40.30

 

 

Tesouro é melhor que poupança mesmo para um investimento de 1 ano? –> Conteudo PRO só para assinantes (por Olivia Alonso)

Uma corretora é mais confiável que um banco? –> Conteúdo PRO só para assinantes
(por Renato Breia)

Qual seria uma boa aplicação para investir até R$ 30 mil? –> Conteúdo PRO só para assinantes
(por Renato Breia)

 

Um abraço,
Olivia Alonso

 

Conteúdo relacionado