À vista ou parcelado, como pagar o IPVA?

Raciocínio é o mesmo para qualquer tipo de conta ou compra que você tenha que pagar

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
À vista ou parcelado, como pagar o IPVA?

Caro(a) leitor(a),

Quantas vezes você já ficou em duvida sobre se deveria pagar uma conta ou uma compra à vista ou em parcelas?

Em primeiro lugar, se o pagamento à vista não dá direito a nenhum desconto, é fácil: parcele.

Também é fácil concluir que vale a pena pagar à vista quando o desconto é bom. Mas quando um desconto é bom o suficiente? 3%, 5%, 10%, 15%?

A lógica para decidir se vale a pena pagar à vista ou em parcelas é a mesma para qualquer conta. Neste texto, vou dar o exemplo de um IPVA, cuja data de vencimento varia de acordo com o Estado e com o final da placa.

Por exemplo, para o Estado de São Paulo, as datas são:

Basicamente, o que você precisa verificar é se o desconto para o pagamento à vista é maior do que o retorno que você teria caso pagasse apenas a primeira parcela (e investisse o restante do dinheiro).

Como fazer a conta?

1 – Calcular o retorno da aplicação: o primeiro passo é saber o retorno que você consegue obter com as aplicações que estão em seu colchão de liquidez, pois é preferencialmente com esse dinheiro que você vai pagar essa conta.

Vou usar como exemplo um CDB de um banco grande que pague 85% do CDI, que hoje seria 85% de 14,14% = 12,02%. O correto neste caso é considerar que você vai resgatar esse dinheiro em menos de seis meses, o que significa que você pagará por isso um imposto de renda de 22,5% sobre os ganhos (12,02% x 77,5%). O seu retorno líquido será de 9,3% ao ano com esta aplicação.

Pausa para uma rápida observação: embora renda mais do que a poupança, esse exemplo de CDB perde para a inflação, atualmente próxima de 10,7% ao ano.

Continuando a conta, vamos agora ao segundo passo.

2 – Calcular o valor do desconto: para mostrar como calcular o valor do desconto, vou usar um exemplo real de pagamento de IPVA:

Cota única: R$ 1.294,63
1a. parcela: R$ 444,89
2a. parcela: R$ 444,89
3a. parcela: R$ 444,89

A soma das três parcelas é R$ 1.334,67, o que significa que, no pagamento à vista, o desconto seria de R$ 40,04. Num cálculo aproximado, seria o equivalente a 3% do total.

Intuitivamente podemos supor que um desconto de 3% é muito pequeno e que é melhor parcelar. Mas vamos ao terceiro passo, pois não podemos comparar banana com laranja, e o período das taxas é diferente.

3 – Comparar os valores: De um lado temos um ganho de 9,3% ao ano. De outro, temos uma economia de cerca de R$ 40.

Vamos fazer os cálculos do parcelamento, com investimento do dinheiro.

Supondo que parcele, você pagará imediatamente R$ 444,89. Restará a diferença deste valor e do montante da parcela única para investir. R$ 1.294,63 – R$ 444,89 = R$ 849,74.

Vamos transformar 9,3% ao ano em uma taxa mensal de 0,745% (no excel: =(1+9,3%)ˆ1/12-1). Em um mês, o ganho seria de R$ 6,33, resultando em um total de R$ 856,07.

Para pagar a segunda parcela, seria preciso tirar mais R$ 444,89, sobrando R$ 411,18 para investir. Em um mês, o ganho seria de apenas R$ 3,06, resultando em R$ 414,24.

No terceiro e último pagamento, seria preciso pagar R$ 444,89, mas só temos R$ 414,24, sendo necessário completar com uma diferença de R$ 30,65. Ou seja, no total, foram pagos R$ 1.294,63 + R$ 30,65 = R$ 1.325,28.

Logo, é melhor pagar de uma só vez e garantir o desconto.


Mas a decisão não deve depender exclusivamente das contas!

Sempre que o resultado indicar que é melhor pagar à vista, você precisa responder às perguntas:

1 – Você tem o dinheiro em sua conta corrente para fazer o pagamento à vista, sem ficar no negativo e, por isso, ter que pagar multas e juros?
2 – Esse dinheiro não vai fazer falta para pagar outras contas e, portanto, você não ficará no vermelho em nenhum momento nas próximas semanas, certo?
3 – Você vai incluir imediatamente esse pagamento em sua planilha financeira para ver como pode equilibrar suas contas ou como poderia compensar esse gasto reduzindo outras despesas?

Caso tenha respondido sim para as três questões, você pode seguir em frente e pagar à vista. Caso a resposta tenha sido negativa, é melhor parcelar, pois dificilmente o desconto do pagamento à vista será maior do que os juros e multas que você terá que pagar.

Agora, supondo que o resultado das contas financeiras indicasse que seria melhor pagar parcelado, você precisaria responder às perguntas:

1- Terei disciplina para realizar os pagamentos remanescentes nas datas corretas, evitando, assim, o pagamento de multas e juros? É possível deixar o pagamento em débito automático?
2- Terei dinheiro na conta para realizar os pagamentos remanescentes nas datas corretas, evitando assim o pagamento de multas e juros?
3 – Vou incluir essas despesas futuras em minha planilha financeira imediatamente e buscar uma forma de economizar com outros itens, para não correr o risco de ter um descontrole das contas nos meses seguintes?

Se você respondeu sim às três questões pode seguir em frente e parcelar o pagamento.

Um abraço,

Olivia Alonso

Conteúdo recomendado