Como começar a investir

Primeiro passo é a formação de seu colchão de liquidez. Veja como fazer isso de forma segura e inteligente

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Como começar a investir

Caro(a) leitor(a),

Já estamos em 2016. É hora de começar a colocar em prática as intenções para o ano – e dar uma forcinha para as mandingas de Réveillon para ganhar dinheiro em 2016.

Vamos começar devagar, mas do jeito certo. Na newsletter de hoje você vai saber como começar a investir.

Se você já tem investimentos, vai poder avaliar se está no caminho correto.

Se você está endividado, vai visualizar como será a sua vida daqui a alguns meses, quando estiver com as suas contas em ordem. O texto de hoje serve como incentivo para você reunir forças e fazer os sacrifícios necessários para começar a quitar suas pendências.

Para começar a investir, é preciso ter foco.

De nada adianta olhar para milhares de opções de investimentos existentes. Isso só vai fazer com que você se canse mesmo antes de começar e deixe seu dinheiro perdendo valor na poupança ou mal aplicado em um plano de previdência ruim.

E para onde direcionar o foco? A resposta é: para seu colchão de liquidez.

E o que é esse colchão?

O colchão liquidez é o quarto pilar do Método CR para uma vida financeiramente saudável. Veja as newsletters anteriores em seu e-mail ou em nosso site para saber mais sobre os três primeiros: disciplina financeira, rotina financeira e endividamento saudável.

É o dinheiro que precisamos ter em uma aplicação segura acessível. É importante que todos tenham o seu colchão de liquidez.

Não sei se você passou virada do ano de roupa amarela, se comeu sete uvas (ou romã) ou pulou sete ondas pedindo para enriquecer neste ano. Mas o que vai ditar a a sua saúde financeira, como todos sabemos, são as suas atitudes.

E o primeiro passo é a construção de uma base sólida para seu enriquecimento. Essa base começa com o colchão de liquidez.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

1 – Calculando o valor de seu colchão de liquidez

Para saber qual o tamanho de seu colchão de liquidez, você tem que fazer uma conta simples:

É preciso ter pelo menos seis vezes os seus gastos mensais em seu colchão. Ou seja, o valor necessário para você pagar todas as suas despesas e compras durante um semestre.

Alguns consultores dizem que é preciso ter três meses. Outros dizem que é preciso ter 12 meses. Eu acredito que seis meses é um bom parâmetro.

Então some todos os seus gastos mensais atuais e multiplique por 6. Lembrando que este cálculo é aproximado e não estamos considerando a inflação.

2 – Onde investir

Se você já tem todo o dinheiro de seu colchão de liquidez, coloque no Tesouro Selic (que é nossa opção favorita), em um fundo DI ou em um CDB de seu banco.

No Tesouro Selic, seu dinheiro vai render o equivalente à taxa Selic. O rendimento terá desconto de imposto de renda, da taxa cobrada pela BM&FBovespa (0,3% ao ano) e da taxa cobrada pelo banco ou pela corretora. Algumas corretoras não cobram nada. Independentemente do valor que você tem para investir, o retorno será o mesmo. A liquidez é diária, ou seja, você pode vender o título em qualquer dia e resgatar o dinheiro no dia seguinte.

No fundo DI, o rendimento será parecido com o do Tesouro Direto, mas você terá que pagar também a taxa de administração ao banco, o que faz com que seu resultado final seja menor do que o do Tesouro Selic. A liquidez dos fundos DI também é diária. Mas sempre confirme essa informação com seu gerente.

Com o fundo DI, o banco irá basicamente comprar os títulos (Tesouro Selic) para você e cobrará uma taxa de administração por isso. Geralmente, essa taxa é muito maior do que a que você pagará se comprar diretamente do Tesouro Direto, por uma corretora independente.

Isso é ainda pior para o pequeno investidor, pois quanto menor o valor da aplicação inicial, maior tende a ser a taxa de administração do fundo DI do banco (há fundos que cobram quase 4% ao ano). Vale lembrar que o fundo tem também a desvantagem da cobrança de IR via come-cotas.

No CDB, você provavelmente terá um retorno mais baixo, pois os grandes bancos não pagam 100% do valor do CDI (o que seria bem próximo do rendimento do Tesouro Selic). É bem possível que seu banco pague menos de 90% do CDI. Você pode tentar negociar um retorno maior com seu gerente. Em geral, os bancos pagam mais para quem tem mais dinheiro. Alguns CDBs têm liquidez diária, outros não. Para o colchão de liquidez, só aplique se puder sacar o dinheiro a qualquer momento.

3 – A importância do colchão

O colchão de liquidez é importante para que nenhum contratempo te transforme em um endividado.

Com esse dinheiro, você fica tranquilo para atravessar momentos de crise, de desemprego e imprevistos financeiros diversos.

Lembre-se sempre do seguinte: as dívidas crescem mais rápido do que os investimentos. O juro do cartão de crédito, por exemplo, pode chegar a 700% ao ano.

O colchão de liquidez também é importante para que você tenha tranquilidade em seu dia a dia, inclusive para ser uma pessoa mais produtiva e positiva.

Ao eliminar de sua cabeça a preocuparão com emergências, você tem mais tempo para pensar em possibilidades de renda extra, por exemplo.

E, por fim, só com seu colchão de liquidez você se sentirá seguro para multiplicar seu patrimônio, investir em aplicações de mais risco e maior retorno ou mesmo empreender.

Na próxima semana falarei mais sobre isso ao discorrer sobre o quinto pilar do Método CR: oportunidades financeiras.

4 – Ainda não tenho o valor total do colchão. Onde invisto?

Outro dia o leitor Maurício S. escreveu dizendo que ainda não tem muito dinheiro para investir e queria saber onde ele aplica até somar uma quantia maior.

“Olá Olivia: tenho menos de mil reais para investir e ainda é pouco para pagar taxas. Até juntar quanto eu deixo na poupança”.

O que respondemos para o Maurício e para todas as pessoas que estão começando agora é que é possível investir no Tesouro Selic com R$ 74. Um título custa hoje em torno de R$ 7.400, mas você pode comprar apenas uma fração (1%).

Na hora de comprar, as corretoras de valores permitem que você digite quanto você quer investir.

Isso serve também para a leitora Claudia A., que nos escreveu:

Comecei o ano de 2016 economizando. Esse mês economizo R$ 1.000,00. Nos próximos pretendo economizar de 2.000,00 a R$ 3.000,00. Qual o melhor investimento para mim (para que o meu dinheiro não fique parado na minha conta corrente e eu possa ganhar um pouco melhor que a poupança)? Sou assinante do CR e estou acompanhando o Investimento para Leigos. Estou gostando muito.

A sugestão é que coloque o dinheiro em seu colchão de liquidez.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos


Relatório Mensal “Você Investidor”: Os assinantes terão acesso na próxima segunda-feira, dia 11 de janeiro, ao relatório mensal “Você Investidor”. Neste mês, vamos mostrar o grau de complexidade das aplicações financeiras, em uma escala que varia de 0 a 10.

Isso permitirá uma visão bastante clara das aplicações existentes no Brasil, o que vai facilitar seu contato com os principais elementos deste universo de agora em diante. De forma objetiva e resumida, vamos também apresentar as principais vantagens e desvantagens de cada aplicação.

Conteúdo recomendado