LCI e LCA x poupança x Tesouro Direto

O que pensamos sobre LCI e LCA

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
LCI e LCA x poupança x Tesouro Direto

Caro leitor,

Há uma serie de interpretações para a máxima “Conhece-te a ti mesmo”. Inscrita no templo de Apolo, em Delfos, a frase é uma das mais conhecidas da história grega, ao lado de “só sei que nada sei”.

Embora valorize a modéstia da segunda, fico com a primeira sempre que o assunto for sua vida financeira.

Conhecer sua renda e suas despesas, traçar planos e planejar investimentos devem ser hábitos rotineiros de quem pretende construir um patrimônio.

Desconhecer suas finanças pessoais pode levar a um caminho bem diferente. Veja só:

  • 47% dos inadimplentes sabem pouco ou nada sobre sua renda disponível para o mês seguinte
  • 53% dos inadimplentes não sabem quais despesas podem cortar para reequilibrar seu orçamento pessoal

(Fonte: SPC Brasil)

Usei propositalmente o exemplo de uma pesquisa feita com inadimplentes, em que fica óbvia a relação entre desconhecimento e endividamento.

 

 

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo.”

Alegria momentânea x consequência duradoura

A mesma que citei acima comprovou o que todos nós já sentimos ao menos uma vez na vida:

No momento em que realizam a sua última compra, 79% dos entrevistados tendiam ao sentimento da alegria e 72% ao sentimento de satisfação. Trinta dias depois, entretanto, essas percepções diminuíram para 56% e 57%, respectivamente.

Por isso, deixo uma proposta ao leitor do Criando Riqueza:

Anote o valor de cada gasto desnecessário que você não fez. Pode ser um produto que você deixou de comprar por impulso.

Veja agora, na segunda parte desta newsletter, o quanto você poderia ganhar investindo esse dinheiro em uma LCI ou LCA.

LCI e LCA x poupança x Tesouro Direto

Escolhi o tema de LCI e LCA para hoje após receber sugestões e críticas de leitores, como é o caso desta mensagem do Fábio M.: “Vocês falam tanto de Tesouro Direto, mas LCI e LCA são melhores. Por que não falam?”.

Fábio, eu gosto muito de LCI e LCA. Os nossos consultores financeiros também. Só não falamos mais sobre as letras de crédito por duas razões: o valor que o investidor precisa ter para começar a aplicar costuma ser alto; o resgate não pode ser feito a qualquer hora. Portanto:

– Veja o valor mínimo para aplicar

Enquanto o Tesouro Direto permite que o investidor comece com R$ 100 ou menos, é mais comum ver LCAs e LCIs com aplicações mínimas de R$ 10 mil ou mais.

De vez em quando as corretoras incluem opções de R$ 5 mil, mas isso tem sido mais difícil e geralmente os prazos são mais longos.

– Veja se você pode esperar o vencimento

O prazo, como eu disse, é outro ponto que merece atenção sempre que se fala de LCI e LCA. Isso porque estamos falando de aplicações sem liquidez. Ou seja, você não pode retirar o dinheiro antes do vencimento.

Por isso, é muito importante estar atento ao período de duração, que geralmente é indicado em “dias”: 1440 dias, 180 dias, por exemplo.

A partir de 28 de maio deste ano as novas aplicações em LCA e LCI, de qualquer banco, passaram a ter prazo mínimo de carência de 90 dias. Antes, as LCIs tinham carência de 60 dias e as LCAs não tinham.

Melhor no curto prazo

Agora, se você encontrar uma LCI ou LCA com as seguintes características:

1 – O valor exigido para aplicar cabe no seu bolso

2 – Você pode esperar o prazo de vencimento

3 – A aplicação tem um prazo de menos de 2 anos

É bem provável que essa LCI ou LCA proporcione um rendimento final líquido melhor do que o do Tesouro Direto. Como essas aplicações são isentas de imposto de renda para pessoa física, são vantajosas sobretudo no período de maior incidência de imposto de renda nos demais tipos de investimentos que seguem a tabela regressiva (que começa com 22,5% de IR em seis meses e chega até, no mínimo, 15% de IR a partir de dois anos).

Veja abaixo uma comparação para aplicação de R$ 10 mil durante 6 meses ou durante 1 ano.

 

 

Consideramos:

Uma LCA/LCI que paga 94% do CDI

Um título Tesouro Selic, com imposto de renda de 20% para 6 meses e 17,5% para 1 ano)

Poupança (retorno de 7,8% ao ano)

Um abraço,

Olivia Alonso

 

Conteúdo recomendado