“Demita” seu gerente de banco

Por Mark Ford

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
“Demita” seu gerente de banco

Um congressista estava sentado ao lado de uma menina em um avião quando virou-se para ela e perguntou: “Você quer conversar? Voos passam mais rápido quando nós, passageiros, conversamos.”

A garotinha, que acabara de começar a ler seu livro, respondeu: “Sobre o que você quer falar?”

“Ah, eu não sei”, disse presunçosamente o congressista. “Que tal falarmos sobre a crise de crédito global ou sobre pacotes de estímulos?”

“Está bem”, ela disse. “Esses tópicos podem ser interessantes. Mas deixe-me fazer uma pergunta.”

“Que pergunta?”

“Um cavalo, uma vaca e um cervo, todos comem a mesma coisa, grama. No entanto, o cervo excreta pequenas bolinhas, a vaca excreta montantes planos e o cavalo faz aglomerados. Por que você acha que isso acontece?”, perguntou a menina.

O congressista, visivelmente surpreso com a inteligência da garotinha, pensou um instante e disse: “Hm, não faço a menor ideia”.

A menina retrucou: “Você realmente se sente qualificado para discutir a crise de crédito global ou os pacotes de estímulos se não sabe de nada?”

Então, ela voltou a ler seu livro.

Essa é uma parte do problema que enfrentamos quando tentamos “consertar” nossa economia hoje. A maioria das pessoas “responsáveis” por essa tarefa não sabem nada sobre criação de riqueza porque nunca a colocaram em prática. Elas nunca arriscaram seu tempo e dinheiro para iniciar um negócio, nem trabalharam 80 horas por semana para que ele crescesse e empregasse centenas ou mesmo milhares de pessoas.

Políticos obtêm sucesso fazendo promessas, e não garantindo lucros. Sem as restrições da experiência, eles ficam livres para dizer as coisas mais absurdas. Mas, se os políticos fossem as únicas pessoas a dar péssimos conselhos econômicos, eu não me preocuparia tanto. Afinal, pessoas sensatas entendem que eles não são confiáveis.

E todas as outras pessoas que distribuem conselhos sobre economia, finanças e criação de riqueza – corretores da bolsa, autores de best-sellers, apresentadores de TV – São confiáveis?

Tenho minhas dúvidas.

A maior parte dos banqueiros e corretores que conheço sabem muito sobre os assuntos com que trabalham. Corretores de hipoteca sabem como emitir hipotecas. Corretores de ações sabem como comprar e vender ações. Corretores de opções sabem sobre opções de compra (call) e de venda (put), etc. Mas, saber como executar uma transação financeira não é o mesmo que saber como criar riqueza.

Consultores financeiros e gerentes de bancos deveriam saber exatamente como fazer isso: planejar suas finanças. Quando você os paga para desenvolver uma carteira de investimentos, é isso o que eles deveriam fazer. Em toda a minha carreira, conheci diversos consultores e gerentes e alguns sabiam muito sobre finanças pessoais, mas nunca conheci nenhum no qual pudesse confiar o suficiente para entregar meu dinheiro.

As revistas e jornais financeiros estão cheios de pessoas espertas e inteligentes. A imprensa gosta de dizer aos outros o que fazer com seu dinheiro. No entanto, ao menos aqui nos Estados Unidos, estudos mostram que eles não são muito bons nisso. Pouquíssimos desses veículos apresentam históricos com resultados melhores que os do mercado. No Brasil, o que se nota é que, em geral, as pessoas têm baixos níveis de educação financeira adquirida pela imprensa especializada.

Eu não era tão cínico assim em relação a esse universo e ao mundo da consultoria financeira. No início, ficava impressionado com cada pessoa inteligente que conhecia e que sabia algo desconhecido ou que tinha uma ideia sobre a qual eu nunca tinha ouvido falar. Com o passar dos anos, meu fascínio diminuiu. Eu os via proferindo o mesmo discurso e recebendo as mesmas quantias todos os anos. Seus conselhos às vezes estavam certos e outras vezes estavam errados. Mas eu nunca acreditei que eles pudessem tornar seus clientes mais ricos.

Uma época, eu cheguei a seguir alguns conselhos. Às vezes funcionavam, às vezes não, mas sempre existiam taxas e comissões envolvidas… e no final do ano, eu sempre estava mais pobre.

Depois de um tempo, percebi que esses especialistas podem saber muito sobre algumas estratégias de investimentos, mas não sabem nada sobre criação de riqueza. Posso utilizar algumas de suas ideias, mas não posso depender delas para ficar rico.

O mundo da consultoria financeira pode ser dividido em duas partes: de um lado, o maior deles, estão as pessoas com conhecimentos específicos em relação a investimentos… mas a maioria delas não é, nem nunca foi rica. Do outro lado – bem menor – estão as pessoas que adquiriram bastante riqueza a partir do zero.

Para ser um criador de riqueza bem-sucedido, você precisa de boas ideias de investimentos. Mas esse é apenas um pedaço da fórmula. Os outros – como gastar, como guardar e como gerar renda – são tão importantes quanto ter boas ideias sobre como investir.

Pense da seguinte forma: ideias de investimento são como ingredientes. Para fazer um delicioso bolo, você precisa de ingredientes de qualidade. Precisa da melhor farinha, do melhor açúcar, do melhor fermento, etc. Mas ter os melhores ingredientes não adiantará se você não tiver a melhor receita.

Em suma: não dependa de corretores, banqueiros, gerentes de bancos ou outros especialistas em finanças para tornar-se mais rico. Esse não é o trabalho deles. Eles não são pagos para isso. E, como já expliquei, a maioria deles nunca criou nenhuma riqueza e, portanto, não sabe como fazê-lo.

Para criar riqueza e alcançar independência financeira, você deve contar com o conselho de quem já realizou tal fato. Leia o que essas pessoas têm a dizer e faça seus próprios planos.

Embora cético em relação ao trabalho dos gerentes de bancos que cuidam de seu dinheiro, sei que muitas vezes é preciso lidar com eles. Falaremos nas próximas newsletters do Criando Riqueza como você pode se preparar para conversar com segurança com o seu gerente.

Até semana que vem.

Abraços

`

Conteúdo recomendado