Ensine economia para seus filhos

Guia Crianças Ricas: Tudo que você precisa saber para educar financeiramente uma criança

Ensine economia para seus filhos

Caro leitor,

Quando conheci meu marido, ele me perguntou se eu queria ter filhos.

Sim, quero três! E você?

Eu não quero ter nenhum.

Quase me despedi e fui embora. Mas ainda bem que fiquei. Depois desse dia o assunto foi tema de diversas conversas que tivemos. Passávamos horas e horas conversando sobre filhos e, obviamente, sobre os custos para educar uma criança.

“A mensalidade da escola onde você estudou está R$ 2.900. Se tivermos dois filhos, pagaremos R$ 5.800 só de mensalidade escolar”, eu disse em uma das ocasiões (Sim, dois filhos. Depois de um tempo eu cedi um pouco e ele cedeu um pouquinho mais).

Não é apenas os custos da escola nos preocupam, mas também a educação que daremos a eles dentro de casa. O assunto parece não ter fim – e muito menos consenso entre pais.

Ontem enviamos a você um texto do Mark Ford com uma entrevista sobre educação dos filhos na escola e na faculdade, não sei se chegou a ler.

Resumidamente, o entrevistado, Tom Dyson, diz ser favorável à educação em casa (“home schooling”) e diz preferir que o filho use o dinheiro que gastaria em uma faculdade na abertura de um negócio ou em uma viagem.

Nem preciso dizer que foi a newsletter mais polêmica que tivemos desde o início do Criando Riqueza. Recebemos dezenas de e-mails.

Enquanto alguns disseram: “Absurdamente sensacional. Fantástico”; “Adorei o texto”; “Um dos melhores texto que já li”, outros disseram que o texto era uma “loucura” e que “detestaram”.

Foi mais uma evidência do quanto o assunto é controverso.

Como ainda não sou mãe e como a educação financeira para crianças não é exatamente o meu foco, busquei informação de boas fontes para escrever para nossos leitores. Pedi a ajuda à Camila e à Bruna nesse trabalho.

Nos últimos dois meses, nós três nos dedicamos bastante a fazer pesquisas e entrevistas com especialistas. Trabalhamos com o objetivo de montar um guia para que os pais se orientem na educação financeira de seus filhos.

Descobrimos com a Dra. Cássia D’Aquino Filocre, por exemplo, que os pais já podem começar a adotar uma postura educativa a partir do momento em que a criança começa a entender o que é o dinheiro. Elas percebem que os pais possuem algo que é usado para comprar coisas divertidas, coloridas e gostosas

Essa percepção começava a surgir aos dois anos e meio de idade da criança, mas a Dra. Cassia afirma que isso vem acontecendo mais cedo nos dias atuais.

Dra. Cássia é especialista em educação para crianças e autora de artigos e livros sobre educação financeira voltados para o público infantil. Quem conversou com ela foi a Camila, que nos conta um pouco da conversa:

Perguntei à Dra Cássia por que isso está acontecendo cada vez mais cedo. Ela me disse que essa percepção prematura sobre dinheiro está acontecendo pelo fato dos pais trabalharem a semana inteira e aproveitarem o final de semana para ir ao supermercado, fazer compras, ou seja, consumir.

“Então é nesse movimento que a criança começa entender que estar com os pais é sinônimo de ter coisas divertidas, coloridas e gostosas. Desse modo os filhos começam a fazer essa associação”, ela me disse.

A sugestão dela é que os pais optem por outros programas, como ir a um parque, assistir séries e filmes na sala de casa ou fazer uma caminhada em família no domingo de manhã.

Também perguntei à especialista como os pais podem orientar o filhos sobre a publicidade que veem nos canais infantis na televisão.

Se você parar para acompanhar esses canais junto às crianças perceberá a imensa quantidade de comerciais sobre brinquedos, calçados e roupas voltados para o público.

“Os anunciantes dos comercias se utilizam de recursos marcantes para atingir a criançada”, disse a Dra. Cassia.

Sem rodeios, a educadora afirma que é possível e necessário orientar as crianças para que construam um espírito crítico a respeito da publicidade. “É preciso também estar atento ao processo de  amadurecimento da crianças e do desenvolvimento cognitivo de cada fase”.

Durante o comercial daquele brinquedo que eles tanto querem, mas que sua intuição ou condição financeira não permitem que você compre, a sugestão dela é que pergunte: por que você quer esse brinquedo? Você irá levá-lo para escola? Você poderá brincar com outras crianças? É importante transmitir aos filhos a ideia de que não necessitamos, de fato, de todas essas coisas que passam na televisão.

Outros trechos da entrevista – incluindo orientações sobre como dar mesada – estão no nosso segundo relatório especial de Dia das Crianças: “Guia Crianças Ricas: Tudo que você precisa saber para educar financeiramente o seu filho”.

Das escolas para dentro de casa?

Também descobrimos nos últimos meses que o Brasil está avançando – lentamente, mas para frente – na educação financeira nas escolas.

Não sei se você teve aulas desse assunto em sua escola, mas eu me lembro de algumas aulas relacionadas com o tema durante minha infância, em Ribeirão Preto.

A escola se chamava COC e tinha dentro de seu terreno uma mini cidade chamada COClândia, com direito à prefeitos e vereadores, inclusive. Guardo na memória aulas sobre como preencher folhas de cheque e fazer compras na “papelaria” da COClândia.

Mas, na realidade, eu atribuo aos meus pais, à faculdade de Economia, ao trabalho e aos cursos posteriores tudo o que aprendi sobre finanças. Felizmente, isso está mudando.

A Bruna fez as pesquisas sobre isso e nos conta que tudo começou a mudar em 2010, com a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF).

O projeto piloto, criado pela Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF) e pelo Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), tinha como meta inicial ensinar as crianças do ensino médio a lidar bem com as suas finanças.

O programa foi aplicado em aproximadamente mil escolas brasileiras, durante um ano e meio, e os professores transmitiram os conteúdos a vinte mil alunos.

As atividades da ENEF foram distribuídas nas disciplinas tradicionais e os resultados mostram que os alunos compreenderam a importância de atitudes simples como pesquisar preços, economizar recursos naturais e poupar parte da renda.

Os estudantes também fizeram desafios práticos, de modo a vivenciarem os conteúdos teóricos (no relatório especial, sugerimos algumas atividades que retiramos dos livros da ENEF e que os pais também podem fazer em casa).

“Ampliamos o projeto para 3.000 escolas brasileiras e capacitamos 9.000 professores. Queremos mostrar aos jovens que por meio de um planejamento financeiro eficiente é possível transformar a realidade que vivem”, disse à Bruna o Yael Sandberg, gerente de projetos da AEF-Brasil.

Agora, o programa de educação financeira começa a alcançar os estudantes do ensino fundamental.

Neste ano, 200 escolas em Joinville (SC) e Macapá (AM) tiveram o conteúdo da ENEF na grade curricular e vinte mil alunos. “Percebemos que as crianças assimilaram bem o conteúdo e transmitiram as ideias para seus familiares”, disse o gerente da AEF.

Assim esperamos que continue a acontecer, Yael!

 

Quer garantir o futuro do seu filho por meio de imóveis?Estamos preparando o material que elevará seu conhecimento sobre imóveis a outro patamar.O Criando Riqueza e a Empiricus nunca realizaram algo deste nível com foco exclusivo no setor imobiliário.Insira seu e-mail aqui e entre para lista prioritária

 

Como se divertir com crianças gastando pouco (ou nada) 

Para construir riqueza, é preciso cortar gastos. Para inspirar os pais neste “mês das crianças”, a Bruna relacionou algumas atividades que podem ser feitas com os pequenos sem gastar uma fortuna:

Faça um piquenique no parque

Separe comidas que as crianças gostam – e por que não envolvê-las durante o preparo? Lembre-se de levar frutas e sucos para refrescar. Preparar uma cesta ou sacola com a toalha, alguns livros e brinquedos.

Quem estiver em São Paulo pode aproveitar o tradicional Parque do Ibirapuera, levar o cachorro da família ou ainda visitar alguns museus como o de arte moderna e o de arte contemporânea.

Já as famílias de Belo Horizonte, podem fazer o piquenique na orla da Lagoa da Pampulha. O espaço conta com cerca de 30 hectares de área verde e tem uma das mais belas paisagens da cidade. Se você mora em outras cidades, experimente os parques locais.

Filmes

No cinema há vários deles, mas eu indico a graça e beleza do “Pequeno Príncipe”. A animação francesa retrata a amizade entre um aviador idoso e uma garotinha solitária. O aviador revela a consagrada história do príncipe de um planeta distante, presente na obra do autor Antoine de Saint-Exupéry.

Se você está a fim de curtir com a criançada em casa, o Netflix tem ótimas opções para entreter a família. Faça uma pipoca e aproveite animações como “Up-Altas Aventuras”, “Procurando Nemo” ou ainda a trilogia “Toy Story”.

Quem consegue acessar a internet pela televisão pode transmitir às crianças de 7 a 10 anos os episódios da série “Turma da Bolsa – O Porco e o Magro”, da BM&FBovespa. Também conversamos com Daniel Pfannemuller, da área educacional da bolsa, que nos deu algumas orientações para elaborar o relatório especial 2.

Na série, o Porco é um personagem de meia idade, formado em Economia pela universidade norte-americana de Harvard. O Magro tem 28 anos e é formado em Assistência ao Porco pela fictícia Escola Técnica de Magrópolis. Como você já pode imaginar, o Magro segue as orientações do porquinho para cuidar de suas finanças pessoais.

 

As três temporadas estão disponíveis no canal da BM&FBovespa no Youtube.

Para completar a diversão incentive os pequenos a fazerem ilustrações sobre o que viram. Pode ser uma atividade animada que ajudará a discutir a mensagem dos filmes e dos episódios da série.

Exposições

Visitar museus e centros culturais também pode ser uma boa opção.  A mostra do Castelo Rá-Tim-Bum, que já fez sucesso em São Paulo, chegou ao Rio de Janeiro no dia 12 de outubro.

Os visitantes poderão entrar nos ambientes do Castelo e ainda conferir de perto os bonecos originais de personagens como o monstro Mau e a cobra Celeste.

Em São Paulo, recomendo a exposição “80 anos de Maurício de Souza”, que estará no Centro Cultural SP até o dia 15 de dezembro, celebrando o aniversário do desenhista.

Zoológico

Não hesite em visitar o zoológico da cidade. As famílias que estiverem em Salvador, por exemplo, têm a disposição o Parque Zoobotânico, onde há 1500 animais.

Entre os exemplos inspiradores para uma viagem (veja a possibilidade de comprar a passagem com suas milhas) está o Parque das Aves, próximo ao Parque Nacional do Iguaçu, onde ficam as Cataratas, o espaço é um dos maiores da América Latina e desenvolve projetos de conservação e procriação de espécies.

 

Aviso: A partir de agora, enviaremos a newsletter semanal da série Criando Riqueza PRO às segundas-feiras, para que nossos leitores já comecem a semana com nossas orientações de melhores hábitos financeiros. Sugiro que reservem um horário no mesmo dia para ler o nosso conteúdo semanal. Que tal fixar a segunda-feira à noite como o dia oficial de cuidar de suas finanças pessoais? Nesta segunda-feira, 19 de outubro, disponibilizaremos o relatório 2 do especial Dia das Crianças. Para o dia 26, estamos preparando uma newsletter para ajudá-lo a conversar de igual para igual com seu gerente de banco.

Conteúdo relacionado