Eu (não) tenho medo

Mudar de corretora não tem custo, não demora e pode ser uma ótima alternativa para reduzir os custos pagos sobre o seu investimento


Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Eu (não) tenho medo

Quantas vezes você já trocou de emprego?

Em quantas escolas já estudou?

Em quantas casas já morou?

Quantos carros já teve?

Todos os dias, estamos suscetíveis a mudanças. Por escolha ou por imposição. Às vezes, oportunidades batem à porta de uma hora para outra e, em questão de minutos, é preciso tomar decisões que podem alterar completamente o seu dia a dia.

O mundo já não é o mesmo de uma semana atrás para alguns atores famosos de Hollywood, para certos apresentadores de TV e ex-governadores brasileiros ou para a seleção de futebol italiana.

Quer você goste ou não, sempre existe a opção de mudar. E a alternativa também se aplica naturalmente às suas finanças.

Seja sincero: quantas contas bancárias você já teve? Se já passou pela experiência de abrir ou fechar contas, sabe que não teve como fugir de um processo muitas vezes burocrático, com algumas visitinhas ao gerente e até a necessidade de justificar por que você prefere o banco Y ao banco Z…

É chato, mas a gente sobrevive.

Leia mais: Corretora morde?

Por isso, hoje quero dar um recado bem claro a você, que continua com uma pontinha de medo de investir fora do banco: se não gostar, basta trocar.

Não gostou do tratamento do assessor financeiro? Mude.

Não curtiu o home broker, que só dá problema? Mude.

Está cansado de procurar boas opções e só encontrar investimentos com retornos pífios? Mude.

Simples assim.

Isso vale para ativos de Bolsa, seus títulos públicos do Tesouro Direto e até para papéis de renda fixa privada. Basta a nova corretora aceitar.

Embora muita gente tenha preguiça (sem desculpa, é preguiça, sim!), o procedimento é relativamente simples e não tem custo.

O primeiro passo é abrir uma conta na nova corretora escolhida.

Em seguida, você deve preencher uma ficha de solicitação de transferência de valores mobiliários (STVM), disponibilizada pela nova corretora.

Coloque seus dados e os das instituições financeiras (da nova e da “velha”) e descreva os ativos que serão transferidos.

Na lista de motivos, selecione o campo Mesma titularidade nesta ou em outra instituição.

Assine no campo Assinatura do Cliente Cedente/Representante Legal e reconheça a firma em cartório para, então, enviar à corretora da qual se quer retirar os ativos. O prazo de transferência pode variar conforme a instituição, mas não deve demorar muitos dias.

Não tem erro!

Portabilidade tem custo? Não. Você só terá que acertar eventuais despesas pendentes, como taxas de custódia ou corretagem, e arcar com as custas de cartório (para reconhecimento de firma) e de postagem dos Correios, para enviar a documentação para a nova corretora escolhida. E atenção: não é preciso pagar Imposto de Renda no caso da transferência dos ativos.

Demora? A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) determina que uma corretora tem até dois dias úteis para transferir valores mobiliários após receber um requerimento válido. Mas preciso ser honesta. É possível que demore mais tempo, algumas semanas, conforme me relataram alguns investidores no Twitter. Cadastros desatualizados e pendência de débitos podem atrasar o processo. Fique em cima das instituições para cobrar a transferência!

Bancos são mais complicados que corretoras? Não necessariamente. A corretora do Itaú até mesmo facilita o processo, oferecendo a possibilidade de transferência de ativos de forma digital e mais rápida que o normal.

É preciso manter a conta da outra corretora aberta? Não. Se desejar, você pode encerrá-la, sem custos. Se quiser manter a conta ativa, cheque se não será cobrado nenhum tipo de taxa.

Um ponto de atenção: se você solicitar a transferência de ações e for anunciada a distribuição de proventos (juros sobre capital próprio e dividendos), recomendo manter sua conta na corretora atual aberta, já que o pagamento poderá cair nela, e não na conta da nova corretora escolhida.

Fácil, não? Espero que o medo de errar na escolha de uma nova corretora não seja mais desculpa para você adiar sua decisão.

Conteúdo recomendado