Quem é quem na indústria de fundos

Entenda qual é o papel de um administrador, de um gestor e de um custodiante nesse mercado

Quem é quem na indústria de fundos

Caro leitor,

Dezenas de leitores nos perguntaram, nos últimos meses, sobre fundos de investimentos. “Meu fundo é bom?”, “Tenho um VGBL, mas não sei se vale a pena manter”, “Qual taxa de administração devo aceitar para investir?”, entre tantas outras dúvidas recebidas…

A partir de agora, daremos mais orientações sobre fundos de investimentos para você.

Nosso objetivo é que você saiba exatamente onde está investindo, tenha consciência de suas decisões e consiga selecionar as melhores opções de investimentos para o seu perfil. Queremos que você tenha o controle de suas aplicações e possa conversar tranquilamente sobre o tema com seu gerente de banco. O universo de fundos de investimentos é vastíssimo e, preciso admitir, foi pouco coberto por nós até hoje. 

Espero que goste dessa novidade. Hoje, a Beatriz Cutait introduz o tema com uma abordagem essencial para a construção de seu conhecimento na área.

Um abraço,

Olivia Alonso

 

Caro leitor,

Imagine entrar para um clube. Um clube seleto, mas não necessariamente exclusivo. Talvez novos sócios possam entrar e sair quando quiserem, e os atuais tenham direito de sair. Não é necessário ter indicação para garantir um lugar, mas muitas vezes você precisará contar com um investimento mínimo para pertencer a esse universo.

Como em todo clube, haverá um gerente para cuidar das responsabilidades do dia a dia e lidar com as burocracias. É essa figura que vai assumir as obrigações legais, prestar contas aos membros, negociar com os fornecedores, cuidar das despesas e das receitas, contratar os serviços necessários para seu funcionamento, manter os sócios informados, enfim, tocar o clube para que tudo fique em ordem.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Mas não basta ter apenas um bom administrador. É preciso ter um funcionário responsável por fazer uma boa gestão dos ativos, tomar as decisões sobre novos serviços que serão oferecidos, de olho nos benefícios mais abrangentes aos sócios, e também cancelar serviços que eventualmente deixarem de fazer sentido.

Cotista

A estrutura de um clube é bastante parecida com a de um fundo de investimento. O papel do sócio, no caso, corresponde ao do investidor, chamado de cotista. Independentemente da quantidade de cotas que você tiver, seus direitos e deveres serão os mesmos dos demais cotistas. A soma dos recursos aplicados pelos investidores forma o patrimônio do fundo.

 

A partir de hoje, o assinante do plano Você Investidor tem acesso ao relatório mensal de junho, que conta com um material riquíssimo. A equipe do Criando Riqueza concentrou esforços para apresentar um conteúdo   extenso sobre o universo das corretoras de valores do Brasil. Afinal, todo leitor quer saber como escolher a melhor instituição para investir.

Com uma abordagem objetiva, nossos consultores financeiros elaboraram uma tabela comparativa com os custos cobrados por nada menos que 22 corretoras e elencaram todos os fatores que você precisa considerar antes da escolha. Para complementar o material, o analista da Empiricus Max Bohm analisou a solidez financeira de quatro instituições escolhidas por nossa equipe. Se você é assinante, basta seguir os seguintes passos:

1) Faça o login em: https://store.empiricus.com.br/login/

2) Clique em “Minhas Assinaturas”

3) Clique no seu plano (exemplo: “Você Investidor”)

4) Clique em “Ver Relatórios” à direita de “RELATÓRIO MENSAL VOCÊ INVESTIDOR

5) Clique em “Download” à direita do relatório desejado

Caso ainda não seja, clique aqui .

 

CLIQUE AQUI PARA LER O RELATÓRIO

 

Administrador

Já o administrador assume funções semelhantes às de um gerente de clube. É ele quem responde pela constituição do fundo, pela prestação de contas aos cotistas, pela divulgação das informações periódicas e eventuais e pela resolução de todas as burocracias, garantindo que as regras sejam cumpridas.

Como explica a Anbima, “o fundo é criado por um administrador, usualmente uma instituição financeira que formalmente o constitui e define os seus objetivos, suas políticas de investimento e as categorias de ativos financeiros em que poderá investir, além das taxas que cobrará pelos serviços e outras regras gerais de participação e organização. Todas essas informações são reunidas em um documento, o regulamento”.

A instituição financeira que assume a administração de um fundo precisa garantir que a liquidez da carteira seja compatível com os prazos previstos no regulamento para pagamento dos pedidos de resgate e que as obrigações do fundo sejam cumpridas. Isso vai permitir que você possa sacar o dinheiro do fundo quando precisar, se o regulamento permitir o resgate.

O administrador é a figura responsável por atender os cotistas, dando informações e respondendo eventuais reclamações, e por contratar, se necessário, outra pessoa física ou jurídica, credenciada pela CVM, para gerenciar a carteira do fundo. Ele também deve contratar um auditor independente para auditar as demonstrações contábeis do fundo, além de terceiros para prestar serviços como de tesouraria, controle e processamento dos ativos financeiros; escrituração da emissão e resgate de cotas; custódia; consultoria de investimentos, distribuição de cotas e classificação de risco por agência especializada.

Gestor

Na escolha de um fundo, mais do que analisar quem é o administrador, os investidores precisar procurar referências sobre o gestor, afinal, é ele quem pode fazer a diferença na rentabilidade da aplicação. Por quê? O gestor decide quais ativos comprar e vender dentro de um fundo, ele detém a estratégia da carteira, a inteligência por trás do sucesso — ou do fracasso — do investimento. Ele pode ser o próprio administrador do fundo ou um terceiro habilitado e contratado para a função.

O administrador e o gestor precisam estar credenciados na CVM como Administradores de Carteira de Valores Mobiliários.

 

A Estratégia Capaz de Transformar R$ 1.500 em R$ 227.000 reais em Apenas Um Mês

Transforme sua vida para sempre em apenas 7 passos — mesmo sem nunca ter investido em Bolsa.

E a melhor parte: é possível começar com pouco dinheiro.

QUERO POTENCIALIZAR MEUS GANHOS
COM A ESTRATÉGIA

 

Distribuidor

Como o próprio nome já deixa claro, o distribuidor de um fundo tem como função distribuir as cotas, ou seja, ser a ponte entre o gestor e o investidor. Desde o início deste ano, os gestores podem distribuir as cotas de seus próprios fundos — o que até então era proibido pela regulamentação.

Custodiante

Novamente, basta se atentar ao sentido literal da palavra. O custodiante faz a guarda dos ativos que integram a carteira de um fundo, além de sua liquidação física e financeira.

Auditor independente

Como já mencionei, cabe ao administrador contratar um auditor independente para fiscalizar os fundos, verificando se as normais estão sendo seguidas e conferindo as demonstrações contábeis.

CVM

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é a principal instituição que você precisa conhecer para entender a indústria de fundos. Ela é uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, porém com atuação independente e sem subordinação hierárquica. Ela foi criada em 1976 com o objetivo de fiscalizar e desenvolver o mercado de valores mobiliários do Brasil, que inclui a indústria de fundos. A CVM disciplina o mercado, aplicando punições àqueles que descumprirem regras.

Anbima

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) representa as instituições que atuam no mercado de capitais brasileiro. Ela foi criada em 2009, a partir da fusão entre a Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) e a Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima). A entidade representa e defende os interesses dos associados, promove a autorregulação, é uma provedora importante de informações e estatísticas do mercado financeiro e de capitais e atua na educação e na certificação dos profissionais de mercado.

Como a Olivia já explicou, esta newsletter teve como objetivo abrir o nosso espaço para a discussão do mercado de fundos de investimentos. A partir de agora, a equipe do Criando Riqueza pretende abordar com maior profundidade esse universo, mostrando a você o que analisar na hora de investir em um fundo, quais são os custos envolvidos, qual é a tributação, quais são as diferenças entre as carteiras e qual é o tamanho do mercado, dentre tantos outros aspectos.

Fique à vontade para me mandar dúvidas e sugestões de temas para abordarmos nas próximas newsletters. Estamos ainda na fase final de preparação de um relatório específico voltado para a indústria de fundos. Fique de olho!

 

Um abraço,

Beatriz

 

Leitura sugerida:

Onde foi parar o dinheiro que eu coloquei aqui?

Aposentadoria: PLANO B

Como arrecadar o dobro da CPMF, sem elevar impostos

Conteúdo relacionado