Melhor ter pouco ou nada?

Mais da metade das aplicações feitas no Tesouro Direto em outubro tiveram valor de até mil reais, num ano em que os títulos públicos têm alta de dois dígitos. O que você tanto espera?

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Melhor ter pouco ou nada?

No auge da fase mais chata da minha vida, a “aborrescência”, eu brigava com minha mãe fim de semana sim, fim de semana não. O motivo? Os limites impostos para o meu retorno das festinhas.

Quando eu pedia para ficar até meia-noite, a tolerância acabava às 23 horas.

Quando implorava para voltar de madrugada, o limite travava em uma hora da manhã.

Mesmo quando pegava carona com alguma amiga, não havia jeito. O horário para o fim da pista de dança, embalada pelas “7 melhores da Jovem Pan”, era definido de véspera, para não ter erro.

O resultado depois de loooongas discussões? Ao perder quase sempre as brigas, lembro-me de ficar tão emburrada, que muitas vezes preferia não ir às festas a ficar tão pouco (naquele tempo, cinco horas em pé pareciam 40 minutos…).

Sim, abria mão de tudo por não conseguir 100% do que desejava.

Olhando pelo retrovisor da vida, fica fácil reconhecer minha faceta mimada da época e o quanto uma irritação besta me impediu de aproveitar tantos eventos, ainda que minha mãe reconheça hoje o quão brava era…

O fato é que, hoje em dia, com uma postura bem diferente da dos meus 13 anos, me pego constantemente refletindo acerca do saldo da relação luta x conquista.

Será que vale a pena abrir mão de tudo por julgar que o pouco não é suficiente?

Talvez a máxima valha até para relacionamentos, mas, como não estou aqui para ser conselheira amorosa de ninguém, prefiro me ater ao seu bolso. E, sobre esse tema, posso ser categórica: não, não vale.

Felizmente, soube nos últimos dias que muita gente concorda comigo.

Você sabia que 56,3% das aplicações feitas no Tesouro Direto em outubro tinham valor de até mil reais?

E que nada menos que 80,6% dos investimentos corresponderam a, no máximo, 5 mil reais no mês passado?

Fonte: Tesouro Direto – outubro de 2017

Enquanto tem um monte de gente parada, esperando um dia ter “bastante dinheiro” para investir, tomando coragem ou meramente com preguiça, tem muita gente se mexendo. E vendo seu dinheiro render.

Em meio ao processo de queda dos juros brasileiros — e consequente aumento dos preços —, os títulos públicos acumulavam valorização de dois dígitos neste ano, até outubro.

Fonte: Tesouro Direto — outubro de 2017

Se tivesse investido mil reais no início do ano, no Tesouro Prefixado 2023, você teria, no fim do mês passado, 1.178 reais.

Se a aplicação tivesse sido de 5 mil reais, ela teria crescido para 5.900 reais — caso quisesse resgatar o dinheiro agora.

Aumentando a régua, 50 mil reais seriam equivalentes a quase 59 mil reais. E 100 mil reais, a 117.800 reais.

E aí, valeu a pena esperar “o momento certo” para entrar no Tesouro Direto?

As opções não param aqui no Tesouro Direto. Há uma série de investimentos que exigem valores super baixos de aplicação, com os quais você já poderia estar lucrando.

Tanto que, no Você Investidor, publicamos recentemente um relatório com indicações de bons produtos no valor de até 10 mil reais. Já conferiu?

A Luciana também está sempre atenta a boas recomendações acessíveis, como de fundos DI com investimento mínimo de 100 reais, e de ações e multimercados a partir de 5 mil reais. Recomendo dar uma olhada!

Espero que você esteja disposto a mudar. Escreva (mailto:beatriz.cutait@empiricus.com.br) para me contar sua experiência!

Conteúdo recomendado