7 coisas que aprendi em um almoço com Warren Buffett

Ja imaginou um almoço com um dos maiores investidores de todos os tempos? Compartilho com você essa experiência e as sete coisas que aprendi com Warren Buffett.

Compartilhe:
7 coisas que aprendi em um almoço com Warren Buffett

A Alied tinha acabado de chegar à equipe do Melhores Fundos quando veio com a notícia de que tinha um encontro com Warren Buffett. De início achei que era brincadeira, mas aconteceu de verdade. Hoje cedi meu espaço pra ela contar essa história:

Uma Cherry Coke e duas bolas de sorvete. Uma bela refeição! Foi o almoço do megainvestidor Warren Buffett naquele sábado.

Já eu mal almocei naquele dia. Queria aproveitar ao máximo o momento, observando-o falar para os cerca de 150 estudantes que se concentravam em um hotel em Omaha, cidade que abriga a sede da Berkshire Hathaway, o império construído por Buffett e que vale 531.5 bilhões de dólares.

Mas você deve estar se perguntando como eu vim parar em Omaha, não? Afinal, não era o encontro anual da Berkshire. Nem tenho uma ação da companhia, infelizmente. E seria muita sorte encontrá-lo coincidentemente em um destino não muito comum.

Esses dias, me perguntei: quanto custaria um almoço com ele? Quase 3 milhões de dólares, segundo o Google. Mas não paguei nada por isso; pelo contrário, recebi apoio para realizar um “sonho”.

Todo ano, Buffett organiza um almoço com dez grupos de estudantes vindos de várias partes do mundo – havia apenas um grupo do Brasil (o único da América Latina! Que honra, não?). A lista de espera é enorme. Quando soube, um mês atrás, que tinha sido selecionada, nem acreditei… Um belo presente de Natal!

Fiquei impressionada em ver o quanto ele doou do seu tempo para nós. Foram pouco mais de duas horas. Só agora, de volta ao Brasil, caiu a ficha de que o conheci, sentei ao seu lado por alguns minutos, ouvi o que tinha a dizer e apertei sua mão.

Para mim, foi como ouvir conselhos de um avô que quer o meu bem. São aprendizados que levarei para a vida e que quero compartilhar com você.

#1: Nunca se esqueça das pessoas que conhecem sua essência. Quando você tem sucesso e conquistas no mercado financeiro, a tendência é ir para um centro como Wall Street. Por que Buffett, com tanto dinheiro, continua na singela cidade de Omaha? “É bom estar com pessoas que querem ser seus verdadeiros amigos. E é isso que eu mais tenho em Omaha. Elas me conhecem pelo meu caráter”, ele disse para nós. Enquanto eu carregava um iPhone, ele exibia um modelo básico da Samsung. E até mostrou orgulhoso uma credencial para comer de graça no McDonald’s de Omaha.

#2: Nem tudo na vida é previsível quando você compra uma empresa ou ação. Será que Buffett tinha em mente como seria a Berkshire ideal quando a comprou? Questionado sobre isso, ele disse que não tinha nem a “big” nem a “small picture”, ou seja, nem a visão macro nem a micro do império que se formaria. “Eu apenas comprei e a fiz funcionar.” Buffett disse que acredita muito na cultura e nas pessoas que constroem a Berkshire com o mesmo sentimento que ele faz. E afirmou ver em seus prováveis sucessores, Greg Abel e Ajit Jain, o jeito Buffett de trabalhar, mas não se mostrou disposto a deixar o trono tão cedo.

#3: Existem dois tipos de ativos neste mundo que você pode comprar: aqueles dos quais pode mensurar o valor e aqueles pelos quais espera que alguém te pague mais no futuro. “Eu tenho o meu favorito”, disse Buffett, em referência ao primeiro. Para o vovô de Omaha, as ações entram no primeiro grupo; as criptomoedas, no segundo.

#4: Assim como você tem cuidado na hora de escolher um investimento, seja sábio ao escolher um sócio ou amigo.  A parte de que mais gostei foi quando Buffett falou de amizade e sobre como escolher um sócio. “Às vezes, a pessoa com quem você deveria estar não é aquela que tem um pai rico, que tem o QI mais alto ou que tem as melhores notas da sala, e sim aquela que é a mais generosa e sempre estará lá para te ajudar.”

#5: Se você faz dinheiro, as pessoas não vão se importar se você é homem ou mulher. Um grupo composto somente por mulheres quis saber a opinião de Buffett nesse quesito. Ele afirmou ficar impressionado em ver o quão talentosas as mulheres são, incluindo as da Berkshire. Seu conselho para as mulheres? “Tenha ‘evidências incontestáveis’ que mostrem que você pode, sim, fazer dinheiro. Então as pessoas não vão te subestimar.”

#6: O fator “pessoa” é algo a ser avaliado em qualquer processo de decisão. Ao estimar o valor intrínseco de uma ação, Buffett não vê apenas o que o ativo vai produzir ao longo do tempo. “Olho o que o ativo produz com o tempo e a satisfação que ele proporciona às pessoas.” Não adianta estar em um negócio bom sem pessoas satisfeitas.

#7: Escolha bem com quem você vai se casar. “Mais importante do que estar com pessoas boas ao seu redor é escolher bem com quem você vai se casar – que seja alguém que você admire”, disse em uma bela referência ao seu primeiro amor, Susan. Sou bem nova ainda, mas levarei o conselho comigo.

Naquela manhã, ele preferiu falar mais sobre lições de vida e sua infância em Omaha a nos contar como ganhou seus bilhões. Foi impressionante ver sua incrível visão de mundo. Buffett não é apenas o gênio dos investimentos, ele realmente entende as pessoas e as valoriza.

Seu legado não se restringe a uma cultura de investimentos em ações, mas também de filantropia. Ele me disse que se sente feliz em saber que, no futuro, quase a totalidade do seu patrimônio será destinada a resolver problemas reais da sociedade. Que sorte a dele ter Bill e Melinda Gates para cuidar dessa questão.

Um abraço,

Alied Ttito