É chato chegar a um objetivo num instante

Esqueça a tarefa artificial de ter que definir "objetivos financeiros" antes de começar a construir sua carteira de renda.

Compartilhe:
É chato chegar a um objetivo num instante

Pois bem, quero dizer agora o oposto do que outros lhe disseram antes.

Esqueça a tarefa artificial de ter que definir “objetivos financeiros” antes de começar a construir sua carteira de renda.

Os maiores investidores do mundo não possuíam objetivos financeiros quando iniciaram, e nem possuem hoje.

Eles certamente sonhavam ambições de vida, pessoais ou profissionais. Mas essas nunca se resumiam a metas estritamente financeiras.

Os grandes – verdadeiramente grandes – ficaram bilionários pois aprenderam a valorizar o processo.

Ou você acha que Warren Buffett estava mirando juntar dinheiro para a compra de um carro e acabou indo parar num saldo bancário de 84 bi de dólares?

Viciado que era em boas leituras, Buffett provavelmente esbarrou algum dia no famoso discurso em que Oliver Cromwell argumenta: “ninguém voa tão alto quanto aquele que não sabe para onde vai”.

Deixe-me então explicar onde não quero chegar.

Investidores utilitaristas – que guardam dinheiro apenas para alcançar metas específicas – dificilmente continuam na infinita highway.

São como as pessoas que fazem dieta para perder um ou dois quilos. Elas não querem melhorar a saúde de fato, querem apenas emagrecer um pouco para caber na roupa do casamento, dali a 30 dias.

Essa visão utilitarista do investimento até se finge de eficiente a priori, pois oferece uma tradução tangível ao idioma financeiro, que soa quase sempre hermético.

“Não sei o que são certificados de operações estruturadas, mas sei o que é uma passagem para Cancún. Se você (autoridade financista) me disser que eu tenho que comprar um COE hoje para ir pra Cancún no verão de 2020, eu topo”.

Será que você topa mesmo?

Será que isso que você está fazendo é investir?

Na outra ponta do contínuo, enxergo um tipo bem diferente de investidor, modesto – mais honesto consigo mesmo, pois ama sobretudo as trajetórias.

Ele começa a construir sua carteira de renda com um montante de cinco mil reais.

Talvez seja inspirado por dezenas de propósitos quiméricos, mas nada concreto; nenhum carro, nenhuma passagem para Cancún.

A cada mês, trimestre ou semestre, ele coloca um pouquinho a mais de grana na carteira, que vai crescendo, crescendo, crescendo.

Em pouco tempo, a renda gerada de forma autônoma por essa carteirinha passa a alimentar o crescimento dela mesma, adentrando a fase que chamamos de retroalimentação da renda.

Daí em diante, toda a estratégia daquele investidor modesto, que não sabia direito para onde ir, vai tomando um curso exponencial.

De repente, ele estará com montantes proporcionais a 228 reais caindo na conta todo dia. E não precisou de nenhuma “desculpa” para chegar até esse estágio avançado.

Precisou apenas de tempo, de foco na jornada e de uma boa seleção de ativos geradores de renda.

Estaremos sempre aqui para ajudá-lo com boas ideias de ativos.

Quanto ao tempo e à paixão pela jornada, cabe a você administrá-los com as virtudes localizadas de quem não sabe para onde vai.