Em que ponto estamos do financial deepening?

Estamos no exato ponto do financial deepening em que não dá mais para voltar pra trás.
Em que ponto estamos do financial deepening?

Estamos no exato ponto do financial deepening em que não dá mais para voltar pra trás.

Mercado cunhou a expressão "financial deepening" para descrever o profundo mergulho de uma população de investidores.

Já aconteceu nos EUA, nos países desenvolvidos, e agora acontece em emergentes como o Brasil.

Tal mergulho é conduzido de forma a abandonar o beira-mar da renda fixa rumo à tomada de risco (e retorno!) nas profundezas de produtos financeiros mais diversos, com foco em renda variável.

É um mergulho inevitável neste momento, com o CDI nos empurrando para dentro da água quentinha.

Felizmente, posso lhe garantir, não faltará oxigênio lá embaixo.

Quanto ao ponto em que estamos nesta jornada: acabamos de entrar no mar, água rasa batendo na canela.

Financial deepening tupiniquim é algo para os próximos dez anos, pelo menos.

Não é um driver de 2020-21. É muito mais do que isso.

Se o Brasil der minimamente certo (ou simplesmente não der errado), a Selic não vai voltar para onde estava, nunca mais.

Pouca gente se deu conta disso até o momento. Pouca gente se mexeu.

Pra se ter ideia da imaturidade ainda patente, a alocação dos brasileiros na poupança AUMENTOU (de 67% para 69%) no primeiro semestre, na contramão da tendência secular em vigor.

A indústria de fundos nacional tem mais de R$ 5 trilhões sob gestão, mas sua alocação em renda variável não passa de 10%, muito abaixo dos 50% a 60% vistos ao redor do mundo.

Quem não tem Bolsa ainda terá que quebrar preconceitos antiquados, de que Bolsa é só cassino, coisa de rico ou coisa arrojada demais para mim.

Investir em ações é algo básico no mundo inteiro, não é aplicação sofisticada.

Milhões de idosos nos EUA, na Europa e no Japão construíram a maior parte dos patrimônios de uma vida inteira com a ajuda da Bolsa.

Milhões de jovens brasileiros estão prestes a fazer a mesma coisa.

There is no alternative, fear of missing out. Mas a verdade mesmo é que vai ser legal demais.