Esqueça o futuro, mude seu passado

Segundo o Pedro Malan ou o Gustavo Loyola, “no Brasil, até o passado é incerto”. Talvez o dito seja propositalmente metalinguístico, na medida em que […]

Compartilhe:
Esqueça o futuro, mude seu passado

Segundo o Pedro Malan ou o Gustavo Loyola, “no Brasil, até o passado é incerto”.

Talvez o dito seja propositalmente metalinguístico, na medida em que não sabemos quem foi seu incerto autor.

De qualquer forma, a incerteza histórica não é um privilégio brasileiro.

Todo futuro, em toda parte, carrega consigo a curiosa propriedade de mudar o passado.

Pouca gente se dá conta disso, pois estamos viciados no contrário, na pretensa determinância do passado sobre o futuro, como se o tempo andasse apenas da esquerda para a direita.

O tempo anda em ambos os sentidos.

O passado é incerto porque o futuro é incerto, e vice-versa.

Penso nisso sempre que ouço alguém reclamando sobre inúmeros erros já cometidos com dinheiro.

“Eu era analfabeto financeiro e não sabia!”.

“Por que demorei tanto a aprender a economizar?”

“Se eu tivesse começado a investir antes, estaria muito melhor agora!”.

Pessoas que reclamam, reclamam e continuam sempre aquém de suas metas financeiras. São escravas do passado, pois não fazem nada útil com seus futuros.

É confortável reclamar da vida e de um histórico teoricamente imexível – tudo culpa do Plano Collor e do Rogério Magri.

Mas todos cometemos erros, com dinheiro ou sem dinheiro.

A diferença entre o dono da Amazon e o indivíduo médio reclamão não está em ter ou não se equivocado, mas sim na postura perante os erros.

O povo americano é conhecido por idolatrar heróis corporativos, mas não é essa a sua grande marca coletiva.

Os EUA se tornaram a maior economia do mundo – e o mesmo acontecerá, em breve, com a China – porque construíram uma cultura de tentativa & erro que não se envergonha de falhar pontualmente.

As consequências imediatas das nossas cagadas costumam ser péssimas, mas os efeitos posteriores às vezes se mostram largamente positivos, para nós e para os outros.

Você perdeu ontem dois mil reais com uma ação do Eike Batista para não ter que perder vinte mil reais com o próximo IPO pré-operacional.

Ou, melhor ainda: ninguém mais é louco de fazer IPOs pré-operacionais.

De repente, este novo futuro a salvo mudou aquele antigo passado imbecil.

Não fique escravo do seu passado financeiro. Mude-o. Ele é incerto, passível de transformações.

Se você quer sair da inércia e andava à espera de uma chance, a chance chegou.

É hora de dar este Grande Salto, devolver para o seu bolso todo aquele dinheiro que caiu pelo meio do caminho.

Para isso, além de aprender com seus próprios erros, você terá a oportunidade de aprender com os erros do Felipe Miranda, nosso estrategista-chefe.

Convivo com o Felipe há 14 anos e nunca conheci alguém que tivesse errado tanto na vida.

Felipe é uma figura errante, que anda sem destino certo.

São poucos dessa sorte no mundo.

A cada vez que ele erra, todos nós acertamos.