Renda = 2x Renda

Eike Batista pode reunir mil defeitos, mas a covardia certamente não é um deles. Fiquei pensando nisso quando – churrasco de sábado – chegou até […]

Compartilhe:
Renda = 2x Renda

Eike Batista pode reunir mil defeitos, mas a covardia certamente não é um deles.

Fiquei pensando nisso quando – churrasco de sábado – chegou até meus ouvidos uma conversa incômoda.

Veja, você me conhece: eu não sou do tipo que fica bisbilhotando conversa alheia.

Acontece que o sujeito, logo atrás de mim, começou a falar alto no terceiro copo e passou a gritar depois do quinto.

Não havia mais como ignorá-lo.

Sotaque carioca, manifestava algum tipo de fascínio por Eike Batista, daqueles fascínios forçosamente disfarçados pela ânsia de criticar.

Afinal, quem é que ainda fala em Eike Batista nos tempos atuais?

Sua linha de argumentação era mais ou menos a seguinte:

“O Eike sucumbiu na ganância. Tinha mina de ouro lá atrás, tava tranquilo. Pra que criar OGX, MMX, LLX, CCX, OSX, raio que o parta X?”

“Se ele tivesse simplesmente pegado a grana do começo e colocado na poupança, estaria milionário e tranquilo até hoje”.

Parece um raciocínio consistente para o investidor übercoxa cujo objetivo único é o de tentar preservar patrimônio, perdendo eventualmente para a inflação.

Mas havia algo errado ali, algo que Keynes chamava, apropriadamente, de falácia da composição.

1) Sendo übercoxa dessa forma desde criancinha, como Eike teria conseguido sua mina de ouro em primeiro lugar? Ou ele começaria superagressivo e, só a partir de certo momento mágico, migraria para o perfil coxa?

2) Ainda mais importante, o que aconteceria com a economia brasileira se todos os nossos empresários decidissem colocar seus primeiros quinhões na poupança, em vez de continuarem empreendendo?

Fato incompreendido, Eike era um tomador de risco muito antes de ser investidor.

É vital não confundir as duas coisas, pois a comparação superficial entre tomadores de risco e investidores desmotiva pessoas comuns – como eu e você – a investir em Bolsa.
Tomadores de risco são movidos por ambições gigantescas, e por vezes estúpidas. Para a economia como um todo, é saudável que eles existam, ainda que a vasta maioria decrete falência mais cedo ou mais tarde.

Tomadores de risco estão obcecados por crescer, conquistar, revolucionar, e se importam menos com trivialidades como stop loss ou position sizing.

Eu e você podemos tranquilamente investir em Bolsa, sem nenhum comportamento que remeta à tomada inconsequente de riscos.

Para isso, basta montarmos estratégias geradoras de fluxo de caixa, capazes inclusive de dobrar sua renda.

Pegar a grana do começo e colocar na poupança pode até funcionar toscamente para quem já tem uma mina de ouro, mas acho que não é o seu caso. Certamente, não é o meu caso.

Se quisermos enriquecer e, ao mesmo tempo, manter os dois pés no chão, precisamos conhecer estes exemplos de sucesso em longo prazo, que nada têm a ver com Eike Batista.

Você prefere ficar milionário e tranquilo até hoje ou milionário e tranquilo para sempre?