Sobre tudo aquilo que eu não sou, mas já fui

Eu não sou analista, e muito menos analista técnico. Sou apenas um rapaz latino-americano, desbancarizado, sem parentes importantes e vindo do interior. Ainda assim, consigo […]

Eu não sou analista, e muito menos analista técnico.

Sou apenas um rapaz latino-americano, desbancarizado, sem parentes importantes e vindo do interior.

Ainda assim, consigo entender que o Ibovespa avança por meio de canais.

O mercado de ações não evolui através de saltos contínuos e sucessivos, não é uma série monotônica crescente.

Antes do próximo movimento, a Bolsa precisa sempre testar fronteiras e acumular energia para saltar (ou para despencar).

Felizmente, a situação atual remete mais à ascensão do que à queda.

Passamos novembro e dezembro num canal amarelo entre os 85 mil e os 90 mil pontos.

Aspectos introdutórios da Previdência andaram um pouco e agora já estamos num novo canal verde, entre os 95 mil e os 100 mil pontos.

Qual será a amplitude do próximo canal? E quando vamos adentrá-lo?

Não faço a mínima ideia.

Como eu disse desde o início, não sou analista e nem brinco de fazer previsões.

Agora, vamos por outro caminho.

Dado que estávamos no canal amarelo durante a pré-reforma e evoluímos para o canal verde nesta fase introdutória, qual é a atitude que me deixa mais confortável no momento?

Continuar em Bolsa, aguardando um novo canal entre os 100 mil e os 105 mil pontos?

Ou pular fora imediatamente, com medo de voltarmos a amarelar?

Para os membros do PRP®, que estão pacientemente comprados em Bolsa desde o início da virada de mão, aguardar é muito mais confortável do que pular fora.

Se voltar para o amarelo, ainda teremos dobrado nosso capital investido.

Se subir para o novo canal, teremos mais que dobrado e – quem sabe um dia – triplicado.

É sempre mais fácil tomar decisões nas quais há, relativamente, pouco a perder versus muito a ganhar.

Mas, em nosso exemplo, essa facilidade não veio do nada. Ficou fácil pois fomos beneficiados pelo tempo e por nossa própria paciência.

Aquele mesmo mercado que transborda incerteza aos ansiosos passa tranquilidade aos investidores que sabem esperar a hora certa de entrar, ignorando a hora errada de sair.

E o mais curioso é que, na maioria das vezes, a diferença entre o investidor ansioso e o paciente resume-se a apenas 6 minutos por dia.

Inscreva-se em nossa newsletter