Agosto de 2017

Complexidade dos investimentos: de 0 a 10

“Voce Investidor”

Imagem

Caro leitor,

Provavelmente, você já fez alguma “promessa” na vida que não foi capaz de cumprir.

Começar a malhar…aprender um novo idioma…comer melhor…

A lista pode ser infinita.

Essas “promessas” se parecem mais com uma sofrida dieta que sempre deixamos para começar na segunda-feira, mas essa segunda nunca chega.

O mesmo acontece com suas finanças, não é mesmo?

Vou ser mais organizado… vou economizar… quando tiver mais dinheiro vou começar a investir… na segunda-feira, eu começo… será?

Chega de desculpas. Se você mesmo não cuidar de seu patrimônio, ninguém fará isso por você.

Não se iluda achando que o gerente do banco está cuidando do seu dinheiro. Ele está cuidando dos interesses do banco – função dele – ao bater as metas de venda de produtos financeiros que não te trarão um bom retorno.

Para sair dessa inércia que, sem que você perceba, corrói o seu patrimônio aos poucos, preparamos um breve guia com descrições dos principais tipos de investimentos e suas distinções em grau de complexidade.

Vai ser o primeiro passo para você tomar as rédeas da sua vida financeira.

POUPANÇA

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 0

Essa é uma velha conhecida do brasileiro.

De fácil entendimento e tida como a mais simples e conservadora das aplicações, a poupança continua a exercer um forte apego sobre a maior parte dos brasileiros. Tem proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) de até R$ 250 mil em casos como falência, liquidação ou intervenção da instituição financeira. O rendimento da aplicação é calculado utilizando a taxa referencial, a chamada TR, como remuneração básica, acrescida de 0,5% ao mês quando a meta da taxa Selic ao ano superar 8,5%. Porém, quando a meta da taxa Selic é inferior aos 8,5%, o cálculo se baseia em 70% dessa meta mensalizada.

Se de um lado a poupança conta com os benefícios da isenção de Imposto de Renda e da liquidez diária – é possível transferir recursos a qualquer momento para outra conta – e não exige um valor mínimo para aplicação; de outro ela tem a desvantagem de ter rentabilidade atrelada a sua data de aniversário, ou seja, o dia do mês de sua abertura. Se ele for no dia 20, por exemplo, e você sacar os recursos no dia 18, deixa de ganhar os rendimentos desse mês corrido.

As vantagens da poupança podem ser prejudicadas por seu baixo retorno. Frequentemente, o rendimento da poupança perde para outras aplicações também conservadoras.

FUNDOS DI

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 1

Os chamados fundos referenciados DI – agora com nomes diferentes, conforme a nova classificação de fundos da Anbima – contam, assim como a poupança, com liquidez diária.

Também com apelo conservador, essas carteiras são de fácil entendimento, pois oferecem um rendimento próximo ao da Selic. Nada menos que 95% da carteira desses fundos precisam ser compostos por ativos (títulos ou operações) que busquem acompanhar as variações do CDI ou da taxa Selic.

Por isso, aliás, que sempre dizemos por aqui que não faz sentido deixar para o banco (e pagar uma taxa de administração por isso) o que você pode fazer sozinho: investir nos títulos Tesouro Selic.

Oferece baixo risco, já que a maior parte do fundo está alocada em títulos públicos pós-fixados, mais especificamente em Tesouro Selic (LFTs), os fundos DI contam com a incidência de Imposto de Renda, que varia de 15% a 22,5% ao ano, conforme o prazo investido.

Mas não cabe ao investidor se preocupar com o tributo, já que o IR é recolhido antecipadamente no último dia útil dos meses de maio e novembro, em um sistema denominado “come-cotas”.

A cada seis meses os fundos deduzem o imposto dos cotistas automaticamente, em função do rendimento obtido durante o período, usando a menor alíquota para cada tipo de fundo (15% ou 20%, se for de longo ou curto prazo). Se você ficar menos de dois anos investido no fundo, terá que pagar a diferença de imposto no momento do resgate.

E vale reforçar que você também precisa pagar a taxa de administração da instituição financeira que vai utilizar para investir. Ela é calculada de forma anual e correspondente a um percentual do patrimônio líquido do fundo.

Por fim, se quiser resgatar seu dinheiro em menos de 30 dias, ainda terá que pagar IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre os rendimentos obtidos, com uma alíquota que varia de 96% a zero conforme o prazo da aplicação.

CDB

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 2

Além dos fundos DI, você deve estar cansado de ouvir seu gerente do banco falar dos CDBs (Certificados de Depósitos Bancários).

Também vista como uma aplicação de baixo risco, investir em um CDB significa emprestar dinheiro para seu banco e ser remunerado por isso. Ao investir em CDBs, você sabe de antemão o prazo e as condições do rendimento. Você pode escolher entre um CDB pré-fixado, ou seja, você fica sabendo exatamente quanto vai receber no vencimento, ou pós-fixado, com um rendimento em percentual do CDI. Há também uma opção intermediária, com uma remuneração vinculada à variação do IPCA no período acrescida de juros prefixados na contratação.

O Imposto de Renda, aplicado na hora do resgate ou do vencimento do CDB, segue tabela regressiva (abaixo). Não é cobrada taxa de administração, mas, assim como os fundos DI, você também tem a penalidade do IOF se resgatar seu dinheiro antes de a aplicação completar 30 dias.

tabela

É importante saber que nem todos os CDBs oferecem liquidez diária e cabe a você analisar a solidez da instituição antes de emprestar dinheiro a ela, ainda que esse produto também tenha cobertura do FGC.

LCIs/LCAs

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 3

Títulos de renda fixa emitidos por bancos para financiar participantes do setor imobiliário e da cadeia do agronegócio, as LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e as LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) são seis letrinhas que ficaram famosas nos últimos anos, e agora enfrentam um período de maior escassez nas prateleiras.

Com rendimentos em geral pós-fixados, expressos por um percentual do CDI, prazos definidos no momento da contratação e garantia do FGC, elas foram durante um bom tempo despejadas no mercado e adoradas pelos clientes por conta da isenção tributária sobre os rendimentos, que parece estar agora com os dias contados.

A oferta já vem caindo em meio ao desaquecimento da economia e, como consequência, os rendimentos fartos estão ficando cada vez mais raros. Para piorar, os produtos passaram a ter, no ano passado, prazos mínimos de resgate de 90 dias.

TESOURO DIRETO

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 3

Cada vez mais difundidos entre os investidores, os títulos públicos, que permitem ao governo se financiar, também figuram no grupo de ativos de renda fixa com forte (e crescente) apelo à pessoa física.

O Tesouro Direto, programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a BM&FBovespa para venda desses papéis para pessoas físicas via internet, democratizou bastante o acesso, principalmente com o anúncio de recompra diária, o que lhe permite vender os títulos a qualquer momento.

Com aplicação mínima baixa, você precisa pagar apenas uma taxa de custódia de 0,30% ao ano sobre o valor dos títulos à BM&FBovespa. A maior parte das instituições que vendem os papéis cobram ainda uma taxa de administração, que chega hoje a até 2% ao ano. Entretanto, algumas corretoras não cobram taxas. Fique atento a isso.

A tributação dos rendimentos nas vendas antecipadas de títulos, nos vencimentos dos papéis e também no pagamento de cupons (caso do Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais e do Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) segue a tabela regressiva do Imposto de Renda e, portanto, varia de 22,5% a 15%, conforme o prazo do investimento.

Os papéis prefixados – LTNs ou NTN-Fs – permitem que você saiba no momento da compra a remuneração na data do vencimento. Se você vender os títulos antes, receberá um retorno diferente do estipulado. Há ainda as LFTs, cuja rentabilidade acompanha a taxa Selic, e os papéis atrelados à inflação (NTN-Bs e NTN-Bs Principal). Nesse último caso, há um componente prefixado e você também recebe a variação do IPCA.

Ao emprestar dinheiro para o governo, seu risco é o menor possível, já que significa receber um calote da entidade máxima do país. E a vantagem (que pode ser uma desvantagem para os leigos) do Tesouro Direto é permitir que você mesmo faça a gestão do seu investimento, ao invés de delegar (e pagar) para gestores de fundos. Essa autonomia possibilita o baixo custo da aplicação, mas é preciso lembrar que, se você decidir vender os papéis antes do vencimento e “errar no timing” poderá ter perdas. Como os preços variam todos os dias, é possível que, na data da venda, o valor dos títulos esteja inferior ao que você pagou.

FUNDOS IMOBILIÁRIOS

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 5

Os fundos imobiliários têm nas pessoas físicas seu principal público investidor.

A isenção sobre os rendimentos distribuídos – quando respeitadas determinadas condições – é uma das razões por trás do interesse nesse produto de renda variável, com cotas negociadas na Bolsa.

Essas carteiras permitem que você invista no mercado imobiliário a partir de um valor muito menor do que o necessário para a compra direta de um imóvel e que delegue para um gestor a administração do empreendimento.

A ideia é receber uma renda regular por meio das receitas geradas pelos ativos do fundo e também poder lucrar com a valorização das cotas negociadas na Bolsa.

Mas, embora muita gente se considere expert no setor, não é tão simples investir nos fundos imobiliários. A liquidez ainda é restrita, e é preciso levar em conta que o risco é o de Bolsa, ou seja, mesmo que os imóveis sejam de boa qualidade e bem geridos, os preços dos fundos podem cair sem grandes explicações, ao sabor do nervosismo de investidores.

O ponto positivo é contar com a gestão de um profissional para administrar seu investimento, mas a escolha do fundo no qual aplicar depende exclusivamente da sua seleção.

AÇÕES

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 6

Comprar uma ação significa virar sócio de uma empresa. Com preços e liquidez que variam conforme a companhia escolhida, o investimento em uma ação exige que você esteja disposto a correr o risco de ver seu ativo oscilar de preço a cada segundo.

Nem todo investidor visa o longo prazo e há um forte componente especulativo que pode prejudicar ou beneficiar seu papel. Cabe a você acompanhar o desempenho financeiro, operacional e dos preços das ações da companhia para monitorar se seu investimento está valendo a pena.

O baixo valor exigido para iniciar a aplicação, bem como os dividendos distribuídos periodicamente, que são dispensados do pagamento de Imposto de Renda, estão entre os atrativos do mercado de ações. É preciso pagar imposto de 15% sobre o ganho de capital apenas na saída do investimento, ou seja, quando você vender as ações, e somente se o resgate superar R$ 20 mil.

OPÇÕES

NÍVEL DE COMPLEXIDADE: 10

Este é o mercado mais complexo dentre os que elencamos para você neste relatório.

Parte do segmento de renda variável, as opções são indicadas para investidores já familiarizados com o mercado de ações e dispostos a correr os riscos inerentes a ele, o que inclui a perda de todo o capital aplicado.

Mas a ideia por trás dessa modalidade é a de proteção, de controle de risco. De forma objetiva, uma opção é um instrumento financeiro derivativo e funciona como um seguro de carro, no qual uma das pontas paga um prêmio e tem um direito, enquanto a outra ponta recebe um prêmio, porém tem uma obrigação. Uma opção representa o direito de compra ou venda de um ativo por preços e prazos predefinidos.

Você pode atuar como hedger se seu objetivo for o de limitar os riscos de oscilações de preço ou “especulador” caso queira assumir esse risco.

Nas opções de compras (conhecidas como calls), uma das pontas paga o prêmio e tem a opção de comprar uma ação a um preço prefixado, enquanto a outra ponta recebe o prêmio e tem a obrigação de vender essa mesma ação caso a call atinja o preço de exercício. Já nas opções de venda (puts), um dos indivíduos paga o prêmio e tem o direito de vender a ação a um valor prefixado, enquanto o outro recebe o prêmio com a obrigação de comprá-la no caso de exercício.

Além do baixo custo (uma opção costuma ser negociada a centavos), uma das principais vantagens deste mercado é oferecer um risco limitado para o comprador, já que sua perda máxima será a do montante investido, e seu potencial de lucro poderá ser muito maior do que esse valor. Do lado oposto, o lançador, ou seja, o investidor que vende a opção e assume os compromissos referentes a ela, precisa ser capaz de cobrir eventuais prejuízos.

De maneira geral, esses são os principais tipos de investimentos disponíveis. É possível aprofundar conhecimentos em cada uma das categorias citadas.

Desde sua fundação, a Empiricus Research trabalha para levar informação de qualidade ao investidor pessoa física para que ele possa tomar as melhores decisões.

Fornecemos análises criteriosas e independentes para que o investidor não caia nas armadilhas das grandes companhias financeiras.

No relatório Você Investidor, você saberá o que fazer para começar a investir de forma segura e, principalmente, inteligente.

Esta série disponibiliza materiais muito didáticos para quem quer entender o Tesouro Direto ou começar a investir na Bolsa.

Quer saber qual é o título mais indicado para o momento?

Quer saber qual é a corretora mais adequada ao seu perfil?

Com o Você Investidor, você terá a resposta para essas e muitas outras perguntas.

Além disso, terá acesso ao curso FinanceiraMENTE, que é totalmente gratuito para os assinantes do relatório. São 4 aulas (com duração média de 30 minutos cada) + áudios das monitorias já realizadas, com conteúdo completo sobre economia e finanças com total aplicação prática.

O grande diferencial da Empiricus é a linguagem simples. Não produzimos nossos conteúdos para economistas.

Nosso foco é a pessoa comum, que trabalha, tem sua família, curte momentos de lazer…

Acreditamos que todos merecem ter as mesmas oportunidades de investir com o auxílio de excelentes profissionais.

E, justamente por ser feita para todos, a série Você Investidor tem um preço quase simbólico.

Não queremos que o valor seja um empecilho para ninguém.

Você será o mais novo membro da série que apresenta as melhores recomendações de investimento por apenas R$ 12,90 por mês em 12 vezes.

Por esse valor, você terá acesso a:

  • Tutoriais para iniciar seus investimentos;
  • Planilha de gastos para controle de despesas;
  • Planilha de investimentos para controle de aplicações;
  • E-book: Guia Prático de Investimentos e Finanças Pessoais para Leigos, de Olivia Alonso;
  • Relatório mensal Você Investidor.

Para se tornar assinante, o processo é bastante simples e é mais barato do que você imagina.

E, mais, caso a assinatura não seja aquilo que esperava, você ainda tem 20 dias para cancelá-la e receber 100% do valor pago de volta.

Você não tem nada a perder em conhecer o relatório…

A menos que decida ficar parado enquanto poderia fazer muito mais por sua vida financeira.

Dê esse passo e junte-se ao grupo que está mudando a realidade dos investidores no Brasil.

Quero receber as recomendações da série Você Investidor

Sobre a Empiricus Research

A Empiricus Research foi fundada em 2009 pelos sócios Rodolfo Amstalden, Caio Mesquita e Felipe Miranda, com o propósito de democratizar a informação financeira, para que pessoas comuns também fossem capazes de multiplicar seus ganhos e conquistar a independência financeira.

Por meio de relatórios e newsletters periódicas, levamos aos nossos leitores e assinantes informações relevantes sobre o mercado financeiro e a economia, para que eles sejam capazes de tomar decisões mais inteligentes em relação aos próprios investimentos.

Mais de 150 mil assinantes pagos e 1,5 milhão de leitores recebem diariamente as melhores recomendações de aplicações que os ajudarão a multiplicar o patrimônio e conquistar a independência financeira.

A Empiricus é uma casa de análises independente, que não recebe nenhum patrocínio privado ou público. Seu faturamento vem exclusivamente da venda de assinaturas dos relatórios. Seus analistas são reconhecidos pela qualidade de seus relatórios e pelo discurso franco e didático. São 20 opções de assinaturas disponíveis para o cliente, com recomendações desde a renda fixa até a bolsa.

Saiba mais sobre a Empiricus em nosso site: www.empiricus.com.br.

 

Não tem tempo para ler agora?

Envie o conteúdo Complexidade dos investimentos: de 0 a 10 para seu e-mail e leia mais tarde.

*Importante: O endereço de e-mail informado deve ser válido para que você possa receber o artigo em sua caixa de e-mail, bem como nossos conteúdos gratuitos sobre investimentos.
[class^='dclk_']
[class^='dclk_']
[class*='dclk_']
[class*='dclk_']
[id^='dclk_']
[id^='dclk_']
[id*='dclk_']
[id*='dclk_']
[class^='dclk_']
[class^='dclk_']
[class*='dclk_']
[class*='dclk_']
[id^='dclk_']
[id^='dclk_']
[id*='dclk_']
[id*='dclk_']