Falando do que interessa

Fechamos uma semana histórica

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail

Caro Leitor,

Fechamos uma semana histórica. Por décadas lembraremos os acontecimentos que estamos vivenciando.

Para nós, aqui da Empiricus, o desafio foi redobrado. Como brasileiros, assistimos à República ser desnudada. Como analistas, debruçamo-nos sobre os mercados, conectando o desenrolar político com suas implicações financeiras.

O trabalho é difícil, mas estamos empenhados.

Recentemente dediquei este espaço a uma discussão sobre o modelo de negócios da Empiricus, detalhando alguns aspectos de nossa estratégia de marketing.

Meus textos despertaram um amplo debate com nossos leitores. Recebi centenas de respostas e sugestões. Todas foram devidamente lidas e analisadas. Algumas medidas, inclusive, já estão sendo implementadas para a melhoria do serviço prestado.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Hoje, porém, gostaria de falar sobre o nosso conteúdo. Afinal, a Empiricus é uma casa de análises de investimentos. O nosso propósito, desde a fundação, tem sido o de oferecer as melhores ideias e recomendações de investimentos. Ao final do dia, é por essa régua que seremos medidos. E só nos permitimos ser agressivos no marketing (sim, somos!) porque realmente acreditamos na qualidade dos nossos produtos.

Acima de tudo, a Empiricus é uma empresa de ideias. Este é o nosso foco. Produzir ideias de investimentos de qualidade. É a isso que estamos dedicados, 24 horas por dia, 7 dias por semana. E a qualidade das nossas ideias de investimento só pode ser avaliada pelo impacto positivo no patrimônio financeiro dos nossos clientes.

Em busca dessas ideias de qualidade, garantimos total independência e livre arbítrio aos nossos analistas. Nada de lugar comum, seguindo a manada. O consenso já está precificado no mercado e não gera nenhum valor ao cliente. Somente o olhar novo, ousado, livre, pode produzir as ideias de valor.

Muitos se lembram da nossa tese do Fim do Brasil. Em 2014, traçamos um cenário sombrio para a economia brasileira e recomendamos posições defensivas, como compra de dólares e baixa exposição à Bolsa. Além dos óbvios ataques do Governo e de sua entourage de blogs sujos, também sofremos com o ceticismo da Faria Lima. Colegas de bancos e corretoras nos taxavam de loucos, mantendo suas domesticadas previsões de dólar a 2 reais e pouco ao final de 2015.

O Fim do Brasil provou-se uma ideia de investimento de qualidade. Nosso clientes ganharam dinheiro. Geramos valor, e é isso que realmente interessa a nós e aos nossos leitores.

Mais recentemente alertamos nossos clientes para o risco de calote da dívida pública brasileira. Sabíamos que esta ideia, fruto de exaustivo estudo do Felipe Miranda e de nossa equipe de analistas, iria produzir reações. Confesso que eu mesmo hesitei sobre a divulgação desse estudo, antecipando repercussões e até ataques. Até aquele momento, Calote era uma palavra proibida no mercado financeiro. Fomos, porém, em frente e nos tornamos a primeira casa a tratar abertamente sobre o tema.

Coincidência ou não, semanas depois, essa palavra até então proibida virou mainstream e todos se animaram a tratar daquilo que somente a Empiricus teve a coragem de dizer primeiro. Vejam:

“…se não houver mudanças relevantes – e bote relevantes – na estrutura de gastos públicos, estaduais, municipais e federal, caminhamos para uma inviabilização da dívida e dos ativos financeiros domésticos.”

Luiz Stuhlberger (Verde Asset Management)

E não é só de alertas que a Empiricus vive.

Felizmente nossas ideias também tomam formas otimistas, geralmente quando todos se deprimem.

No ano passado, começamos a ficar positivos exatamente quando o mercado todo se afundava nas trevas do apocalipse iminente.

Em setembro de 2015, a Empiricus “virou a mão” e passou a recomendar publicamente exposições à Bolsa. A tese da Virada de Mão resultou em retornos fantásticos para nossos clientes. Naquele momento recomendamos quatro ações de empresas sólidas que estavam sendo negociadas a preços extremamente convidativos.

Vejam a performance delas até o fechamento de quinta, dia 17:

ITSA4: +24,7%

KROT3: +26,8%

NATU3: +33,7%

CTIP3: +21,3%

(esta última recomendação fechada com valorização de +21,3% e substituída por…)

GUAR4: +17,4%

No mesmo período o Ibovespa valorizou-se em +9,6%.

Quem acreditou ganhou.

E, para concluir, há algumas semanas, chamamos atenção dos nossos leitores às oportunidades apresentadas no Rali do Impeachment.

Enquanto grande bancos de investimento ainda sugeriam posições defensivas ou até vendidas, a Empiricus recomendou posições em vários ativos de risco, antecipando as reações positivas do mercado diante do enfraquecimento político da Presidente.

Abrimos recomendações em Bolsa, em títulos públicos longos e opções. Todas ganhadoras. Todas ideias de qualidade, ou seja, gerando retornos financeiros expressivos aos nossos clientes.

Como esta recomendação de opção do Banco do Brasil, que gerou lucro de+484% em 4 dias.

Por fim, encerro esta Resenha saudando a equipe do Antagonista, a quem aproveito para expressar meu agradecimento público pelo brilhante trabalho de jornalismo por eles desenvolvido. No começo da semana, anunciamos nossa parceria e os resultados já começam a ser notados. Desde que assumimos a infraestrutura técnica, o site permaneceu firme, distante de instabilidades, ao mesmo tempo em que batia recordes sucessivos de audiência.

A história do Brasil continuará sendo escrita nas próximas semanas. E, como sempre, a Empiricus seguirá cumprindo sua missão de orientar e ajudar seus clientes a enfrentarem os desafios e aproveitarem as oportunidades.

Vamos em frente!

Um abraço,
Caio Mesquita

Conteúdo recomendado