Nosso projeto para construir sua riqueza

Como há de ficar claro, qualquer pessoa com um mínimo de disciplina poderá construir riqueza de forma sólida e farta ao longo da vida.

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Nosso projeto para construir sua riqueza

Como há de ficar claro, qualquer pessoa com um mínimo de disciplina poderá construir riqueza de forma sólida e farta ao longo da vida.

Não tem nada mágico em vista, nada milagroso. Cremos que há grandes insights em jogo, ignorados por 9 em cada 10 pessoas. Mas nada místico ou de outro planeta.

Vamos então à prática, não se pode perder tempo quando o assunto é previdência.

Pegue um lápis e papel, no tablet também vale. Ative sua memória financeira. Faça uma lista detalhada de todos os seus ativos. Quando falo em “ativos” eu me refiro a ações, títulos de dívida (pública ou privada), metais preciosos, CDB, poupança, fundos de investimento, planos de previdência, fundos imobiliários e dólar.

Fique à vontade também para incluir o montante atribuído a outras posses valiosas que lhe pertençam, como no caso de jóias, coleções de arte, antiguidades, etc. Mas esteja certo de que essa cifra atribuída é tangível, real, pé-no-chão. Na dúvida, aplique um desconto. De nada adiantará enganar a si mesmo, você é quem pagará o pato mais à frente.

Agora, vou te dar uma recomendação expressa que parece contradizer tudo o que você já ouviu de planejadores financeiros no Brasil. Ao listar seus ativos, não inclua o valor de seus imóveis, de seus carros ou de outros ativos que lhe sejam fisiológicos mesmo depois de se aposentar.

É claro que um carro ou uma casa são ativos valiosíssimos, mas você provavelmente vai querer mantê-los consigo durante sua vida de aposentado. Inclusive, essa prerrogativa será especialmente válida se você conseguir alcançar maturidade financeira enquanto ainda tiver filhos morando em casa.

Obviamente, se você quiser se aposentar só depois que seus filhos estiverem crescidos e independentes, poderá pensar em trocar sua casa atual por uma menos espaçosa. No entanto, minha experiência de consultor me diz que as pessoas têm dificuldade de se desfazerem de imóveis e carros, pois os tratam como “companheiros” da sua existência. Por vezes os trocam por casas e veículos mais caros, mas raramente por outros mais baratos.

Como princípio geral, eu creio na hipótese de manutenção dos ativos companheiros que você possui (casas, carros & afins) por um tempo indefinido.

E você há de notar que, mesmo seguindo essa restrição aparentemente conservadora, isso não será um problema no seu projeto de construção de riqueza, mas sim uma solução.

Ponto pacífico, vamos então retornar ao cálculo do seu valor líquido.

Agora que você tem uma lista completa de ativos, faça outra lista descrevendo seus passivos. Lembre-se de colocar futuros lançamentos de cartão de crédito, cheque especial, empréstimos pessoais, financiamento de auto, financiamento de imóveis. Dívida de família também conta, não deixe passar nada que lhe seja uma obrigação financeira.

Usando aritmética básica, subtraia os passivos dos ativos e isso lhe resultará o valor líquido. Quem acompanha nossos relatórios de ações talvez se lembre de menções ao NAV, sigla em inglês para Net Asset Value. Calculamos o NAV das empresas como um parâmetro de seu valor subjacente, o valor líquido de seus ativos. E agora fizemos o mesmo com você.

No caso das empresas, infere-se uma referência bastante geral do que é barato ou caro conforme o múltplo de valor de mercado sobre o NAV. Esse múltiplo, frequentemente usado pelos adeptos do value investing, toma como bom senso que uma empresa deve negociar em Bolsa ao menos por paridade com o valor líquido de seus ativos. Existe um prêmio sobre a paridade se o mercado julgar que esses ativos são capazes de gerar valor. E um desconto se os ativos forem entendidos como destruidores de valor.

No seu caso pessoal, não sabemos ainda se os ativos agregam ou comprometem o valor futuro da sua aposentadoria, mas descobriremos isso inteligentemente, conforme avançarmos pelos próximos capítulos da série.

Por ora, importa que você tenha em mente um parâmetro médio, mas de extensa aplicação. Feitas as contas acima, se seu valor líquido é inferior a circa R$ 700 mil, é provável que você não terá dinheiro suficiente para se aposentar tranquilamente, com todo o conforto que imagina.

Eu sei, parece um choque se deparar com uma cifra dessa monta, mas pode acreditar: é melhor enfrentá-la agora do que entrar em pânico lá na frente. A não ser que você queira trabalhar todos os dias remanescentes da sua vida, até morrer, você vai precisar juntar mais que R$ 700 mil como ponto de partida, sob a forma de investimentos verdadeiramente geradores de renda. Disso depende sua aposentadoria numa boa.

De verdade, não se preocupe. Como disse anteriormente, não tem nada místico, nem de outro planeta. Dá pra chegar numa cifra condizente com uma bela previdência. Quero lhe ajudar com isso por meio de um plano efetivo para alcançar sua independência financeira, em nossa série de Aposentadoria.

Clique aqui para acessar

Um abraço,

Conteúdo recomendado