A revolução do blockchain

Blockchain é o assunto da conversa entre Vinícius Bazan e Don Tapscott, que participou do CriptoDay, um evento sobre criptomoedas da Empiricus.
Compartilhe:

Estamos aqui no CriptoDay da Empiricus, um evento que teve a participação do Don Tapscott como palestrante. E agora, vamos conversar um pouquinho com ele.

Vinícius Bazan: Em primeiro lugar e, você pode explicar melhor, sabemos que o blockchain é praticamente irreversível. Você poderia dar um exemplo de como isso funciona?

Don Tapscott: Se eu quiser hackear um bloco de bitcoin, tenho que hackear aquele bloco não só em um computador com o mais alto nível de criptografia, mas em milhões desses computadores, ao mesmo tempo.

Preciso hackear, simultaneamente, aquele bloco, o bloco anterior e todo o histórico de transações naquele blockchain. Isso, enquanto sou vigiado por mineradores com os recursos computacionais mais poderosos do mundo. É muito difícil. É como tentar fazer com que um nugget volte a ser um frango. Algum dia, alguém será capaz de fazer isso. Mas, atualmente é muito difícil.

Leia mais:  Bitcoin é uma bolha?

Bazan: Você comenta sobre uma empresa de investimento em ativos digitais, o que acho bem legal, porque é uma nova forma de investir em blockchain. Você poderia descrever como esse ecossistema está evoluindo para permitir que investidores institucionais participem da tecnologia blockchain?

Tapscott: Sim. Até recentemente, se você quisesse comprar criptos, teria que adquirir uma “wallet” usando ferramentas específicas com a ajuda de um programador. Depois, a carregaria para casa para guardá-la num cofre, torcendo para que sua casa nunca pegasse fogo.

Mas, agora temos empresas novas, como a NextBlock Global, criada por Alex Tapscott, uma empresa de capital aberto em um mercado de ações regulamentado, na qual investidores institucionais podem ter participação. Basta ligar para a corretora, acessar o E-Trade, e eles adquirem sua participação na NextBlock Global.

Assim, o processo é transparente, regulado por comissões de valores mobiliários, e as criptos nessa empresa, ou nas empresas selecionadas, são examinadas cuidadosamente.

Nada é totalmente seguro, mas essa é uma abordagem muito mais segura e rigorosa.

Bazan: Pensando nos próximos anos e mais à frente, o que você espera para 2018 e para o futuro das criptomoedas e do blockchain?

Tapscott: Há quem diga que as criptomoedas são uma bolha. Com certeza, há muitas criptomoedas sem nenhuma base. E provavelmente, há algumas que são fraudes. Mas, isso vem desde 1994 e, se for uma bolha, é algo que está em uma longa trajetória rumo a algum tipo de grande correção.

Muitos desses ICOs são de empresas que vão quebrar. No capital de risco tradicional, uma em cada dez empresas tem algum sucesso.

Esse pode não ser o lugar mais seguro do mundo para investir, mas a mudança já começou. É um caminho que não tem mais volta. Vivemos o início de um novo paradigma na tecnologia. É algo muito impactante, que acredito que vai perdurar por muito tempo.

Leia mais: Guia das Criptomoedas: saiba tudo sobre Bitcoin e altcoins

Bazan: Na palestra, você falou muito sobre outras aplicações para o blockchain, que vão além do mercado financeiro, e deu alguns exemplos. Conte um pouco sobre como ele está sendo usado em outros setores.

Tapscott: Fora do setor financeiro, estão surgindo milhares de aplicações. Uma das maiores é a da cadeia de suprimentos. Porque cadeias de suprimentos têm a ver com a movimentação de ativos ao longo de um processo e com sua procedência.

O Walmart está usando o blockchain na segurança alimentar. Assim, você poderá usar um escâner do Walmart para ver informações da procedência da carne que você comprou. Por exemplo, informações da linhagem dos animais, sua alimentação, que antibióticos eles tomaram e como foram transportados ao longo de toda a cadeia de alimentos.

Isso será muito importante para a segurança alimentar, porque dará aos consumidores informações cruciais para que façam escolhas inteligentes. Essa é uma entre as centenas de aplicações possíveis.

Bazan: Para encerrar, gostaria que você deixasse um breve recado, para aquela câmera, para as pessoas que estão começando a conhecer o blockchain agora. Qual é sua mensagem final?

Tapscott: O blockchain é a segunda era da internet, é algo revolucionário. Faça parte dessa revolução!

Conteúdo recomendado