Os Fundos de Investimento têm Fundo Garantidor de Crédito?

O modelo de fundos brasileiros é seguro, mas eles não estão cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito

Neste vídeo você vai entender a importância do administrador custodiante na mecânica de funcionamento dos Fundos de Investimento

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) não vale para fundo. Até pouco tempo atrás, existia um pagamento pelo FGC por fundo.

Então, por exemplo, se o banco “Y” quebrar e este papel do banco estiver dentro do fundo, até antes desta decisão, o FGC pagava R$ 250 mil por fundo e isto era dividido por todos os cotistas do fundo. Então, também, não fazia muita diferença.

Desde esta resolução (número 4.469, de 25 de fevereiro de 2.016) do Conselho Monetário Nacional, acabou.

Então, nem estes R$ 250 mil tem.

Eu insisto que o modelo de fundos brasileiro é um modelo extremamente seguro. Então, você me diz por exemplo:

– Nossa! Não conheço Ibiuna, nunca ouvi falar! Vou botar meu dinheiro lá?

Você não vai colocar seu dinheiro lá! Ele vai ficar guardadinho em um custodiante (já voltamos a falar dele). Quem vai tomar as decisões de investimento vai ser a equipe da Ibiuna, que é formada por ex-diretores do Banco Central, Mário Torós, Rodrigo Azevedo.

Mas, esquece isto!

Tá bom, eu não conheço eles, eu tenho medo!

Você tem que olhar quem é o custodiante, ou seja, quem é o administrador do fundo da Ibiuna?

Você vai ver que são os grandes bancos!

Os grandes administradores brasileiros são o Bradesco, o Itaú, o BTG, BNY Mellon, o Safra.

Então, são em geral os grandes bancos que estão garantindo o seu dinheiro ali na ponta!

Quem vai garantir o seu dinheiro não é o gestor! É o administrador custodiante. É ali que fica o seu dinheiro.

Leia mais:
O velho conto do FGC
Confiança ou negligência?

Conteúdo relacionado