O impacto das reformas estruturais na economia

O governo brasileiro está encarando uma série de reformas desde 2016. Mas outros países estão nessa toada há muito tempo. Entenda o que aconteceu com a economia deles e o que acontecerá com a nossa.

Muitos leitores estão se perguntando o que as reformas do governo Temer vão impactar na economia, ou se elas realmente vão provocar alguma diferença.

Enquanto o governo brasileiro está encarando as reformas apenas em 2016, diversos outros governos, de outros países, já estão nessa toada há muito tempo.

Leia mais: Juros baixos: país vive uma das maiores transformações

O México, por exemplo, também realizou 11 reformas estruturais na sua economia. reforma trabalhista, inclusive, e mais uma série de outras.

Em 2004, a taxa de juros de cinco anos do México era de 10%. Em 2012, depois das reformas, caiu para 5% e, portanto, metade desse valor.

Qual foi o impacto disso na Bolsa? 365,5% de valorização!

Aí, você vai me falar: “Ah, foi o S&P”.  Não, o S&P, na mesma época, subiu só 20%. Ibovespa, na mesma época, só 184%. Então, também não foi China, não.

Foi simplesmente reformas estruturais, queda da taxa de juro e melhora econômica.

Vamos olhar outro exemplo: Israel também, que é frequentemente citado pelo Banco Central como um caso de sucesso de controle de inflação.

Em 2001, a taxa de juros era de 12,13%. Em 2015, caiu para apenas 1% e se manteve lá pelos períodos seguintes. A Bolsa subiu pelo menos 245%, mais também que o Ibovespa, mais que o S&P.

E no Brasil? No Brasil, estamos experimentando essas reformas só agora.

Começamos a falar disso em 2016 e agora, em 2017, vimos reforma trabalhista; teto de gastos; BC+ com cadastro positivo, melhorando dados de crédito; ancoragem das expectativas; redução da meta de inflação; e redução da Selic.

Veja mais: Queda na taxa Selic: onde investir?

Será que isso não vai causar diferença nenhuma?

Pode falar o que quiser desse presidente, mas realmente essas reformas nunca foram feitas, antes. E o que aconteceu com os juros?

Em 2015, os juros de cinco anos era 17% no Brasil. Agora, caiu para 9,5% e segue caindo desde então. E a nossa Bolsa subiu 96%.

E aí, você me diz: isso é muito, ou é pouco?

Conteúdo relacionado