Títulos pós-fixados

Marília Fontes explica neste vídeo o que você precisa saber sobre títulos pós-fixados.

Renda Fixa nada mais é que uma dívida.

Investir em Renda Fixa é emprestar o seu dinheiro para alguém.

É como se você emprestasse o seu dinheiro para outra pessoa e, em troca, ela te prometesse pagar o seu dinheiro e mais um juro no final do período concordado.

Esse juro tem três formas de ser pago e cada uma dessas formas muda completamente o jeito que você recebe o seu dinheiro. Essas formas podem ser: títulos préfixados, títulos pós-fixados e títulos indexados à inflação.

Hoje vou falar sobre os títulos pós-fixados.

Enquanto nos prefixados, no vídeo passado, você fixava hoje o quanto ganharia lá na frente, e isso não mudava nunca, nos títulos pós-fixados, a característica principal é que você fixa hoje exatamente o valor a ser investido. E isso não muda. Independente do seu título ter um, dois, três ou cinco anos.

Assim, todo dia útil o seu título será atualizado pela taxa Selic.

A cada 45 dias, o Banco Central reúne os seus mais importantes membros no comitê de política monetária, o Copom, em que eles definem a taxa Selic – a taxa básica do mercado. Essa taxa é utilizada nos empréstimos entre o Banco Central e os outros bancos da economia para que ele consiga tirar ou colocar liquidez no sistema, controlando assim a inflação.

Se a taxa Selic for, digamos, 14% ao ano, o seu título amanhã valerá os R$ 1.000 investidos inicialmente x a rentabilidade dos 14% ao ano, equivalentes a um dia. Ou seja, no meu expoente, vou ter 1, que é o número de dias úteis que eu quero, dividido por 252, que é o número de dias úteis no ano.

título pós-fixado fórmula

Essa conta dará R$ 1.000,52. Note que, como a taxa Selic será sempre um valor positivo, o valor do meu título amanhã será sempre um valor maior do que eu tinha antes. Assim, se a taxa Selic subir para 15, 16, 17, a minha rentabilidade será positiva e cada vez maior.

Da mesma forma, se a Selic cair para 15, 14, 13 ou 5, a minha rentabilidade será cada vez menor, mas seguirá sendo positiva. Não importa se as taxas de mercado sobem ou caem. Você sempre terá uma rentabilidade positiva.

Em outras palavras, você nunca perde dinheiro. Nem mesmo na venda antecipada. Na venda antecipada, você obrigatoriamente vai render a taxa do dia vezes o número de dias que você segurou o título.

Ou seja, é esse título que comparamos com a poupança, com os CDBs atrelados aos CDIs, que são títulos que sempre têm um rendimento positivo.

Mas enquanto a poupança rende ao mês um juro equivalente a 0,5% + TR, o título pós-fixado do governo, a LFT, costuma render bem mais, de acordo com a taxa Selic.

A tabela mostra que a poupança só passa a ser competitiva em relação à LFT líquida de imposto de renda quando a taxa Selic cai abaixo de 7,5%, o que quase nunca aconteceu no Brasil.

Conteúdo relacionado