As três novas ameaças para seus investimentos

Compartilhe:

Olá! Você que está aí surfando a onda da Bolsa, feliz da vida, ganhou um monte de dinheiro com a queda da Selic, né? Colocando assim, está com o bolso cheio.

Bom, bati muita perna nas últimas semanas para ver quais são as ameaças a essa vida mansa em que vivemos nos últimos meses. Foi fácil ganhar dinheiro.

É sempre mais fácil falar depois que passou. Mas, foi um período muito bom para a Bolsa, um período muito bom para renda fixa.

Agora, eu vou contar para você quais são as três ameaças que começam a valer a partir de agora para o seu portfólio.

O medo um, o medo principal do mercado hoje, é de que todo aquele estímulo monetário que foi feito nos últimos anos. Depois da crise econômica internacional, o que aconteceu? Os países começaram a injetar dinheiro nas suas economias: Estados Unidos e Europa.

Imagine o mundo como uma grande piscina. É como se eles estivessem enchendo essa piscina. Aquela festa em fim de semana, piscina cheia, de repente, alguém abre o ralo e a água começa a descer.

É mais ou menos isso o que está acontecendo. Porque as economias já cresceram bastante, e os países começam a pensar em retirar estímulos, em “abrir o ralo”.

E aí, como diria o bom e velho Buffett, na hora que a maré baixa, é que você vê quem está nu.

Pode ser que haja aí alguma fuga de ativos de risco para ativos mais conservadores. Esse é o primeiro grande medo do mercado hoje.

Leia mais: Enquanto olham para a Previdência

O segundo medo é o medo eterno, o medo do desconhecido. É o medo do mercado chinês.

Há um grande receio de que grande parte do crescimento que esteja acontecendo esteja relacionado à alavancagem, à crédito. E também há um temor de dados, mesmo. Se todos os dados divulgados pelo governo chinês são corretos ou se estão sendo mascarados.

Não vou nem falar muito porque, o pessoal lá gosta de uma censura e nós aqui, temos medo.

Mas enfim, é uma preocupação dos gestores, que em algum momento isso não tenha mais sustentabilidade. É bom lembrar que a China é uma grande demandadora de exportações brasileiras, então cuidado com aquelas suas ações de commodities.

E o medo três é um medo nosso mesmo, doméstico. É o medo de quem vai ganhar as eleições em 2018. E só essa preocupação já causa muita volatividade.

Imagina em 2018, cada hora pipocando uma pesquisa diferente falando que alguém vai ganhar.

Leia mais: Pesquisa eleitoral?

Ainda não dá para descartar candidato nenhum e o mercado nem sabe o que quer, essa é a verdade. Você pergunta qual seria o melhor candidato para o mercado, ninguém sabe.

Diante desses três medos: a retirada de estímulos monetários no mundo; o risco chinês; e também a nossa eleição, nosso risco doméstico; é proteção, proteção e proteção.

Comece com um bom fundo cambial. Um pouquinho do dinheiro já vai te salvar naquele momento de stress.

É isso, e até a próxima!

Conteúdo recomendado