Entre a história Revolução Digital e um autor judeu irreverente: conheça os dois livros que o sócio-fundador da Empiricus está lendo

É praticamente impossível pensar em um mundo no qual o computador e a internet não fazem parte do nosso dia a dia. Os avanços tecnológicos da década de 90 e do início dos anos 2000 foram expressivos, alteraram a forma como as pessoas se relacionam e transformaram a atuação das empresas.  Na verdade, a Revolução […]

Compartilhar artigo
Data de publicação
9 de junho de 2021
Categoria

É praticamente impossível pensar em um mundo no qual o computador e a internet não fazem parte do nosso dia a dia. Os avanços tecnológicos da década de 90 e do início dos anos 2000 foram expressivos, alteraram a forma como as pessoas se relacionam e transformaram a atuação das empresas. 

Na verdade, a Revolução Digital teve início ainda em 1950 e foi resultado do trabalho de diversas pessoas. 

E é justamente sobre essas pessoas que Walter Isaacson escreveu em seu livro “Os Inovadores”, que foi uma das dicas culturais do sócio-fundador da Empiricus, Rodolfo Amstalden no episódio #48 do podcast Puro Malte. 

Traçando uma linha do tempo desde a década de 1830, quando Ada Lovelace escreveu o primeiro algoritmo para ser processado na máquina do matemático Charles Babbage, até os anos 2000, com a criação do Google por Larry Page e Sergey Brin, o livro de Isaacson é uma verdadeira biografia da Revolução Digital

O autor, que escreveu também as biografias de Steve Jobs e Albert Einstein, se debruça sobre as histórias das pessoas e de suas respectivas invenções

De grão em grão, ou melhor, de inovação em inovação, chegamos ao momento atual, em que não conseguimos imaginar a nossa rotina sem computador e celular. Além disso, profissões como cientistas de dados e desenvolvedores avançam exponencialmente. 

Rodolfo também indicou outro livro no Puro Malte. Uma coletânea de ficção do aclamado Philip Roth que reúne três romances e um epílogo sobre o personagem fictício Nathan Zuckerman. No livro “Zuckerman Acorrentado”, é possível conhecer as várias nuances da personalidade do escritor inventado por Roth. 

Servindo como uma espécie de alter ego de Philip Roth, o autor judeu Nathan Zuckerman é neto de poloneses que emigraram para os Estados Unidos no início do século XX. Seu tema preferido de escrita é justamente o seu próprio povo. No entanto, Zuckerman não se interessa em contar as histórias dos judeus dizimados pelos nazistas na Europa nem dos que foram em busca da construção da pátria judaica. 

O escritor gosta de falar, em tom cômico, sobre os judeus com os quais conviveu na infância e na adolescência nos Estados Unidos. Pessoas que vivem vidas tranquilas em bairros de classe média, pessoas consumistas, pessoas cuja história de vida não está diretamente relacionada ao Holocausto. Mas é justamente esse tom mais jocoso com o qual escreve suas histórias que complica sua vida. Zuckerman chega a ser acusado de difamar o próprio povo e a ser comparado até mesmo com o anti-semita Goebbels. O desfecho desse enredo você pode descobrir lendo esse livro recomendado pelo Rodolfo. 

Confira abaixo as outras indicações feitas pelos apresentadores do Puro Malte:

  • Livraria exclusiva de livros escritos por mulheres, Gato sem Rabo, no centro de São Paulo. Indicada por Roberta Scrivano;
  • Série “Mare of Eastown”, disponível na HBO. Indicada por Rodolfo Amstalden;
  • Série “Halston”, disponível na Netflix, e filme “Oslo”, disponível na HBO. Indicados por Bia Nantes;
  • Apresentação “2021 Student Investment Fund Annual Meeting Keynote by Stanley Druckenmiller” e texto feito por Persio Arida em homenagem a José Márcio Rego no Valor Econômico. Indicados por Felipe Miranda. 

Para escutar o episódio completo do Puro Malte, é só dar play abaixo ou procurar pelo podcast na sua plataforma preferida: