Times
Investimentos

Vale (VALE3) decepcionou? Prévia operacional do 4T22 ‘apresentou números fracos’, segundo analista

Produção de minério de ferro caiu tanto na comparação trimestral quanto anual; confira abaixo a análise de Fernando Ferrer

Por Fernando Ferrer

1 de fevereiro de 2023, 09:27

VALE3
Imagem: REUTERS/Pilar Olivares

A Vale (VALE3) divulgou sua prévia operacional referente ao 4T22 e do consolidado de 2022, que veio ligeiramente abaixo do guidance de produção da companhia e, portanto, abaixo do consenso de mercado.

A produção de minério de ferro no 4T22 alcançou 80,8 milhões de toneladas (Mt), o que representa uma queda de 10% em relação ao 3T22 e de 1% em relação ao 4T21.

No ano, a produção de minério de ferro da Vale totalizou 308 Mt, 2% menor na comparação com o ano anterior, principalmente por dois fatores:

  • Atrasos de licenciamento em Serra Norte;
  • performance operacional no S11D (Carajás).

O volume de vendas de finos de minério de ferro atingiu 81,2 Mt no trimestre, alta de 24% em relação ao último trimestre, impulsionado pelo uso dos estoques em trânsito ao longo da cadeia formados no 3T (e que haviam impactado aquele trimestre). Por ser um evento sazonal, já era esperado que esse movimento se revertesse já no quarto trimestre.

A produção de níquel da Vale aumentou 6% em 2022 para 179 mil toneladas (kt), explicado principalmente pela estabilização das operações após paralisação do trabalho de Sudbury (Canadá) em 2021, assim como o consistente e forte desempenho em Onça Puma (Pará). Por outro lado, o atraso no ramp-up de uma de suas operações promoveu uma menor disponibilidade de níquel no ano.

Para a operação de cobre, a queda foi de 15% no ano, devido a manutenção prolongada no moinho de Sossego (Pará) durante o primeiro semestre do ano e a manutenção adicional tanto em Sossego quanto em Salobo (Pará). Já as vendas de cobre caíram 14%, em linha com a menor produção.

Apesar dos números fracos, VALE3 apresenta valuation atrativo e bom retorno de capital

Em termos operacionais, a Vale apresentou números fracos e abaixo do guidance de produção do ano para o minério de ferro, pelotas, níquel e cobre. Precisamos esperar a divulgação de seu resultado, que ocorrerá em meados de fevereiro, para entendermos melhor como foi o desempenho financeiro da companhia.

Para 2023, o guidance de minério de ferro se mantém estável (entre 310 e 320 Mt), enquanto a empresa espera acréscimo de produção para pelotas e cobre e redução para o níquel. A aceleração da reabertura chinesa poderia ser um gatilho extra para o nível de preço das commodities e para o desempenho do papel no ano.

De todo modo, no patamar atual, enxergamos uma boa combinação de valuation atrativo (4 vezes valor da firma sobre o ebitda para 2023) com bom retorno de capital, seja via dividendos ou recompra de ações. A Vale (VALE3) segue como uma recomendação do nosso Book de Ações do Carteira Empiricus.

Sobre o autor

Fernando Ferrer

Graduado em Engenharia Mecânica pela UFRJ e com MBA em Finanças pela mesma instituição, Fernando Ferrer atua na Empiricus como analista de investimentos há 5 anos cobrindo os setores de Varejo, Saúde e Infraestrutura. Atualmente, é responsável pela série best-seller As Melhores Ações da Bolsa e faz parte da equipe que comanda o Carteira Empiricus, o portfólio multimercado que é o carro-chefe da casa.