Puro Malte

Networking exagerado, influencers in-house e frio de rachar são temas do novo episódio de Puro Malte

No episódio #94 do podcast, o papo percorreu desde os limites do networking saudável até a nova modalidade de influencers corporativos, na sexta-feira mais fria do ano; confira

Compartilhar artigo
Data de publicação
23 de maio de 2022
Categoria
Puro Malte
pessoas se reúnem em ambiente corporativo realizando networking
Networking exagerado, influencers in-house e frio de rachar são temas do novo episódio #94 de Puro Malte. Fonte: Shutterstock

O episódio #94 do Puro Malte está no ar. Os apresentadores Felipe Miranda e Rodolfo Amstalden, fundadores da Empiricus, juntamente com Bia Nantes, COO da casa, e a jornalista Roberta Scrivano protagonizaram um bate-papo diversificado.

Entre os assuntos, os limites de um networking saudável; a presença de influencers no ambiente corporativo; o frio atípico no país na última semana e muito mais.

Roberta questiona até que ponto o incentivo ao networking é considerado saudável, visto que sob outra ótica poderia não passar de uma relação de interesses em detrimento de uma verdadeira amizade.

“O networking é muito importante no mercado de trabalho, é uma das soft skills”, defende Bia Nantes. 

Ela ressalta, no entanto, que quando se trata de uma relação estabelecida somente para fins profissionais e econômicos, sem que haja nenhum resquício de amizade genuína, deixa de ser algo saudável.

Rodolfo também elucida o aspecto da artificialidade nesse tipo de relação, afirmando que, embora a considere importante, não tem essa habilidade. 

Felipe comenta um lado positivo. Segundo ele, muitas vezes as relações começam em um contexto estritamente profissional e evoluem para uma amizade pessoal sem perspectivas utilitaristas.

Nova tendência corporativa: influencers in-house

Em um piscar de olhos a pauta mudou: aceleração de influenciadores. Roberta fala que o Itaú tem investido em construir influenciadores dentro de casa e a decisão divide opiniões.

Trata-se do conceito de uma aceleradora própria de influenciadores, com o objetivo de centralizar as informações e não gastar tanto dinheiro com personalidades famosas que muitas vezes não estão alinhadas com os ideais da empresa e não convertem novos clientes.

“Do ponto de vista de negócios, eu acho que é uma tentativa barata e vale bastante a pena”, fala Bia Nantes. Mas, ela ressalta que há bastante chance de não dar certo.

Nesse sentido, ela fala sobre uma pesquisa recente que apontou que mais de 100 milhões de pessoas têm mais de 1 milhão de seguidores nas redes sociais, provando que não significa muito.
Depois o assunto migrou para o frio atípico da semana passada. Bia destaca sobre a falta de preparo do Brasil para aguentar essas temperaturas, ao contrário da Europa.

“No frio na Europa, você não passa tanto frio, porque a infraestrutura é propícia, com paredes mais grossas etc. Aqui no Brasil, o frio permanece o tempo todo, até em casa”, comenta.

Como sempre, as tradicionais dicas culturais:

Para ler:

  • As vinte mil léguas de Charles Darwin

Para ver:

  • Licorice Pizza
  • Podcast Nova Acrópole

Para ir:

  • Restaurante Murakami