Investimentos

Aos investidores e amantes de um bom vinho: veja a possibilidade de ‘beber’ seus retornos nesse fundo de investimento da Vitreo

Vitreo Wealth e Oeno Asset firmam parceria e lançam novo fundo que permite que investidores realizem o resgate do investimento em garrafas de vinho; entenda

Compartilhar artigo
Data de publicação
7 de junho de 2022
Categoria
Investimentos
Homem bebe vinho
Investimento em fundo de vinhos: o resgate dos ‘rótulos’ é uma opção

Se você é apaixonado por vinhos e, ainda por cima, é investidor, recomendo que conheça o mais novo fundo de investimento em vinhos de luxo do Brasil. 

Na última segunda-feira (6), a Vitreo Wealth, em parceria com a Oeno Asset Vinhos Finos, realizou o lançamento do fundo especializado em vinhos, o Empiricus Oeno Vinhos Finos. Esse é o primeiro produto do portfólio da gestora Vitreo que busca explorar oportunidades de ganhos exponenciais com o mercado de vinhos de luxo.  

A Oeno Asset é uma empresa do Reino Unido, recém-chegada no Brasil, e é uma gestora e administradora especializada no mercado de investimento em vinhos. É conhecida por fornecer garrafas com os melhores rótulos do mundo, e por oferecer as melhores opções de investimentos em vinhos luxuosos e fora do radar. Tanto para colecionadores profissionais, quanto para quem está começando nesse universo. 

O fundo Empiricus Oeno Vinhos Finos foi estruturado para aqueles investidores que têm o objetivo de diversificar sua carteira de investimentos a partir de mercados emergentes, e com base em suas paixões. Além disso, a novidade é que o resgate dos retornos desse fundo poderá ser feito em garrafas de vinho, caso o investidor queira, ou no valor correspondente.  

O crescimento exponencial do mercado de vinhos 

O mercado de investimentos em vinhos finos está crescendo exponencialmente mundo afora. Apesar das oscilações do mercado de investimentos, em geral, e da situação inflacionária global atual, esse é um setor que vem performando muito bem nos últimos anos. Além disso, acredita-se que o potencial futuro de crescimento ainda é gigantesco. 

Esse potencial se dá por conta de características próprias dessa indústria. Como:

  • Vinhos finos “melhoram” fisicamente com a idade;
  • A disponibilidade no mercado diminui ao longo do tempo, à medida que é consumido; 
  • O vinho fino tem um apelo global crescente à medida que a riqueza global cresce; 
  • Cerca de 80% da produção é fixa e não pode ser expandida para atender ao aumento da demanda;
  • Os produtores aumentam os preços dos rótulos a cada ano.  

De acordo com a equipe de gestão do fundo, existe uma demanda por investimentos em ativos reais como forma de preservação de patrimônio. O Vitreo Wealth & Oeno Asset Vinhos Finos busca geração de retorno com um ativo descorrelacionado do mercado. 

“Os vinhos finos são ativos com dinâmica fundamental própria de oferta e demanda. Eles têm uma oferta inelástica, não tem como aumentar a produção para dar conta de todo o consumo e demanda global. Além do mais, nós trabalhamos com os melhores vinhos do mundo, que já possuem histórico de centenas de anos”, explica Victor Hugo Cotoski, gestor sênior de portfólios da Oeno Group.

Por conta desses fatores, surgem inúmeras oportunidades de lucrar com esse mercado. É com essa visão que a Vitreo buscou inovar e trazer ao mercado brasileiro essas novas possibilidades. 

Expansão de fundos alternativos à renda fixa e variável no Brasil e difusão das “passion assets”

Elaborado como um FIM (fundo de investimento multimercado), o fundo Empiricus Oeno Vinhos Finos nasceu com a proposta de tornar mais robusta a oferta de investimentos alternativos no portfólio da Vitreo. 

Com o processo de financial deepening (sigla em inglês que significa aprofundamento financeiro) ocorrendo no Brasil, e com o mundo atravessando um período inflacionário, vê-se um aumento no interesse dos investidores locais de realizar alocações alternativas às ações e à renda fixa.

“O nosso objetivo é fortalecer a imagem da gestora como uma casa cada vez mais especializada em investimentos alternativos no Brasil”, explica George Wachsmann, CEO da Vitreo Gestão. 

“Dessa vez, estamos fazendo isso com o que o mercado chama de passion asset, que são ativos que mexem com a paixão de quem investe, o que ocorre com os investidores que gostam de colocar seus recursos em obras de arte ou em carros antigos, por exemplo.”

Como foi estruturado e quem pode investir no fundo de vinhos finos da Vitreo?

Idealizado e estruturado para investidores profissionais, o fundo da Vitreo Wealth e Oeno Asset conta com um aporte inicial de R$ 50 mil, que é um valor abaixo do que é ofertado por produtos desse setor. 

O fundo conta com uma estrutura offshore baseada nas Ilhas Cayman e com uma versão local que espelha o fundo estrangeiro. O investidor que fizer o investimento no fundo master, via offshore, vai poder fazer o resgate em garrafas de vinho ou no valor equivalente

O fundo tem um benchmark de retorno absoluto, com expectativa de retorno de 10% em libra sobre o Liv-Ex, a bolsa de valores dos vinhos finos de Londres.

“A projeção de retorno é em libra porque a custódia está no Reino Unido. Desde que foi lançado, o real desvaloriza 5% ao ano na média, como moeda emergente. Então, tem um efeito cambial positivo para o investidor brasileiro no longo prazo. Além da proteção em moeda, esse ativo é usado como hedge inflacionário por grandes fortunas no mundo todo. Com o produto, nossa expectativa é atingir um retorno acima de 10% ao ano em libras e com uma volatilidade baixa”, comenta Cotoski.

Segundo a gestora e administradora de vinhos, a seleção dos rótulos vai levar em conta critérios como diversificação geográfica, vintage, liquidez e potencial de retorno. “Investir em vinhos é investir em um ativo real dolarizado. Trata-se de uma excelente opção para diversificação e proteção de portfólio, com boa rentabilidade histórica nos últimos 40 anos”, explica Victor Cotoski. 

Quer um exemplo de rentabilidade? Um investidor que tivesse aportado, em 2000, R$100 mil em uma carteira com os melhores vinhos da região de Bordeaux e Borgonha, teria hoje por volta de R$ 2 milhões.

De acordo com Wachsmann, o produto tem um time de gestores especializados nesse mercado, com os melhores mecanismos de proteção antifraude do mundo, e custódia assegurada por especialistas em Londres. A expectativa das duas gestoras é captar R$ 100 milhões no primeiro ano de operação do fundo, que tem R$ 150 milhões de alvo.

“O volume de negócios do mercado de vinhos finos é de aproximadamente US$ 7 bilhões por ano. O fundo tem uma oferta limitada planejada para os primeiros anos. O processo de curadoria dos rótulos é feito com a mesma diligência que o mercado opera na hora de montar uma carteira de ações”, explica o CEO da Vitreo Gestão.

Sobre o autor
Deborah Quadros