Investimentos

Diversificação geográfica é ponto forte da WEG (WEGE3), que se mostra cada vez mais rentável; entenda

Analista avalia como positivo o resultado do quarto trimestre da companhia, o qual foi previsto na Série As Melhores Ações da Bolsa; “mesmo que WEG não seja uma barganha na Bolsa, tem gerado valor aos acionistas”, avalia

Compartilhar artigo
Data de publicação
18 de fevereiro de 2022
Categoria
Investimentos

Com operações industriais em 12 países, WEG, empresa especializada na fabricação e comercialização de motores elétricos, automação e soluções em tecnologias de energia fotovoltaica, tem surfado em receita dolarizada, na qual se protege de oscilações bruscas de câmbio. O apontamento é do analista de investimentos da Empiricus, Fernando Ferrer, integrante da série As Melhores Ações da Bolsa.

“Isso é um aspecto bastante positivo para o negócio, pois, além da diversificação geográfica em sua carteira de clientes, trazendo boa resiliência, há também uma diversificação cambial com parcela importante da receita dolarizada,” diz. 

O analista avalia que a empresa tem se tornado cada vez mais rentável e os últimos resultados trimestrais, com números acima das expectativas do mercado, confirmam isso. No quarto trimestre de 2021, o lucro da Weg avançou 17,8%, chegando a R$ 874 milhões, acima dos R$ 827 milhões projetados. Considerando a sua receita operacional líquida, 56% vêm do mercado externo, e 44% do interno. 

Panorama dos resultados: 

Com uma ampla linha e negócios, os segmentos da empresa que se destacaram no 4T21 –  em relação ao mesmo trimestre de 2020 – são:

  • Equipamento Eletrônicos Industriais (EEI) com crescimento de 27,6%;
  • Geração, Transmissão e Distribuição de Energia (GTD) com crescimento de 48,0% 

No 4T21, a linha equipamentos eletrônicos industriais registrou receita de R$ 3,26 bilhões, impulsionada pela continuidade da retomada pós pandêmica da atividade industrial nos mercados internos e externos. O destaque fica para os setores ligados às commodities.

Do outro lado, no mercado interno, os resultados da linha GTD foram puxados pelas vendas de equipamentos relacionados à geração de energia solar e geradores elétricos. Em seguida, em transmissão e distribuição de energia, os negócios foram alavancados pela venda de transformadores de grande porte.

“Isso representa R$ 23,5 bilhões em vendas líquidas, ou seja, um crescimento de 34,9% em relação a 2020”, pontua Ferrer.

Superação da crise na cadeia global de suprimentos 

Com a crise na cadeia global de abastecimento, as margens da companhia foram pressionadas pelo aumento dos custos de produção, o qual cresceu em 7,3% em relação ao 3T21, acima das receitas. Assim, a margem bruta acabou penalizada em 1,2 ponto percentual, com o fechamento do trimestre em 27,6%.

Apesar desse desfalque, a WEG apresentou um crescimento consistente em seu lucro líquido, que fechou o 4T21 em R$ 874 milhões. 

Para o analista da Empiricus, isso pode ser explicado pelo recuo da margem ebitda (lucros antes dos juros, imposto, depreciação e amortização) em 2,9% pontos percentuais. 

“Mesmo não negociando a múltiplos de barganha (34,9 vezes seus lucros e 26,7 vezes Ebitda para 2022), a WEG continua mostrando em seus resultados a capacidade de gerar retornos aos seus acionistas,” observa. 

Ele analisa que com um “portfólio diversificado e alicerçado em tecnologias de ponta, a companhia segue com uma boa margem de segurança aos investidores”, finaliza.