Investimentos

Guerra agrava crise dos fertilizantes e pode prolongar a elevada inflação dos alimentos

Relatório recente da série Palavra do Estrategista, teve participação especial de Rodolfo Castro, consultor e engenheiro agrônomo, que analisa efeitos do conflito geopolítico na oferta de fertilizantes e na produção de commodities agrícolas globalmente e especificamente no Brasil

Compartilhar artigo
Data de publicação
14 de março de 2022
Categoria
Investimentos

A crise dos fertilizantes – restrição de oferta e elevação de preços – não é recente, é intensa e deve persistir mesmo com fim da guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Essa é a avaliação de Rodolfo Castro, sócio da Agriplanning Consultoria e engenheiro agrônomo.  

Conforme o especialista, as altas desses insumos, seguirão afetando os custos de produção agrícola, também impactados pelo aumento do preço do diesel. 

“Por consequência, o cenário é de elevação da inflação de alimentos como já está ocorrendo”, destaca Castro, que participou da elaboração de relatório recente da série Palavra do Estrategista conduzida por Felipe Miranda, CIO da Empiricus. A edição teve foco nos desdobramentos do conflito geopolítico.

Xadrez geopolítico: o intrincado contexto dos fertilizantes

Fertilizantes são compostos utilizados na agricultura, que fornecem nutrientes ao solo para ganho de produtividade. Segundo Castro, o setor é regido pela sigla NPKnitrogênio, fósforo e potássio.

O nitrogênio precisa ser transformado em amônio (NH4) ou nitrato (NO3), presentes nos chamados fertilizantes nitrogenados como amônia e ureia. Já o fósforo e o potássio estão presentes na natureza em forma de minerais. 

De acordo com o consultor, a Rússia é importante detentora de reservas de fósforo e potássio e, em geral, o país responde por 13,3% das exportações mundiais de fertilizantes

Juntando com o vizinho Belarus, esse número sobe para 32,3%, o que demonstra a importância da região no fornecimento global desse tipo de insumo. 

Ele destaca que mesmo antes da tensão entre Rússia e Ucrânia as altas dos fertilizantes já vinham acelerando. 

Os fertilizantes nitrogenados foram afetados pela alta do gás natural, usado na produção. 

A escalada do gás começou no final de 2019 com a expectativa de inverno rigoroso na Ásia, depois houve restrição na oferta com a pandemia de covid-19, e ganhou tração com o retorno das atividades econômicas. A partir daí, a trajetória acompanhou a ascensão das cotações do petróleo. 

Por sua vez, os preços do fosfato dispararam a partir de novembro de 2021, após conflitos internos no Marrocos, que possui a maior reserva mundial. Mais especificamente, um movimento separatista no Saara Ocidental, apoiado pela Argélia. 

A tensão entre o Marrocos e a Argélia teve consequências. O governo argelino suspendeu o fornecimento de gás natural ao rival. Com menor disponibilidade, o preço do gás subiu no Marrocos, puxando junto o do fosfato. 

Quanto ao potássio, as elevações de preços se intensificaram a partir do segundo semestre do ano passado devido às sanções da comunidade internacional à Belarus – retaliações às práticas pouco democráticas de seu presidente. 

“Depois de todos esses desarranjos, em 24 de fevereiro deste ano, a Rússia invadiu a Ucrânia”, comenta Rodolfo Castro. Tudo isso leva à inflação dos alimentos. 

O consultor ressalta que a Rússia e a Ucrânia representam, respectivamente, 18,4% e 7% das exportações de trigo no mundo, mais de um quarto do total. 

“Não só o trigo terá altas. A Ucrânia é considerada celeiro da Europa, com 70% das terras agricultáveis. O país cultiva milho, cevada, girassol, batata e beterraba”, destaca. 

E quanto ao Brasil?

Do total de fertilizantes que o país consome, um terço é de NPK. Dessa fatia, 85% são importados, sendo que Rússia e Belarus representam 28%. 

Para Rodolfo Castro, para os produtores o cenário pode ser mais de oportunidade do que de crise, apesar das dificuldades de disponibilidade de fertilizantes, que proporcionam maior produtividade por área.

É provável que adubem menos às terras, contudo, podem aumentar a área de plantio, privilegiando culturas com preços atraentes no mercado.

“Analisando os impactos da guerra como um jogo de xadrez, eu diria que o Brasil está bem posicionado, contudo, a população em geral será impactada pelos aumentos nos preços dos alimentos e dos combustíveis”, conclui. 

Quer saber mais sobre os desdobramentos da guerra entre Rússia e Ucrânia e seus impactos nas commodities brasileiras? 

Você pode acessar a série Palavra do Estrategista por sete dias gratuitamente. No relatório Invasões bárbaras: a queda do império americano, você entenderá os pontos de atenção do conflito e poderá ler a atualização dos cases 3R Petroleum (RRRP3), Cosan (CSAN3) e Aura Minerals (AURA33). 

Ao seguir com a assinatura, você sempre estará atualizado sobre assuntos mais quentes do mercado, contará com análises e recomendações de investimentos. 

Além de todas essas informações, você ganhará um cashback de R$ 120 na Vitreo para investir nos ativos que quiser.