Investimentos

Meta (FBOK34): resultado do 1T22 é satisfatório; veja o que dizem os analistas sobre o balanço e os planos de Mark Zuckerberg

No balanço de resultados referente ao 1T22, a Localiza (RENT3) teve números bastante positivos; confira as análises

Compartilhar artigo
Data de publicação
6 de maio de 2022
Categoria
Investimentos
Logo da Meta Platforms
Reprodução: Pixabay

A Meta Platforms (FBOK34) divulgou no final de abril seu balanço referente ao 1T22. Juntamente com João Piccioni e Enzo Pacheco, Richard Camargo compartilha análise dos números em novo relatório da série Money Rider.

“Apesar da clara desaceleração, o resultado manteve-se sólido e a Meta se comunicou muito bem”, afirma Camargo. No dia seguinte da divulgação, as ações da companhia chegaram a subir 18%. 

Sobre a situação atual da empresa, o analista  afirma que o cenário é semelhante aos períodos de 2016 e 2018. “Resultado trimestral com guidance fraco de receitas e excesso de investimentos, apenas para em três meses contar aos investidores que as coisas não estavam tão ruins assim e que eles nem pretendiam investir tanto”, explica.

Por dentro do resultado e dos objetivos de Zuckerberg

Em comparação ao mesmo período do ano anterior, a receita da empresa cresceu 7%, somando U$ 27,9 bilhões, em linha com o esperado pelo mercado. 

O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, afirmou que vai desacelerar o nível de investimentos gerais.

Ele confirmou que o objetivo é direcionar a geração de caixa da família de apps – Facebook, Instagram e Whatsapp – para a construção do Reels, do “Reality Labs” e da infraestrutura de inteligência artificial da Meta.

“Esses investimentos, porém, não excederão a geração de caixa nos próximos anos, o que foi um alívio para os investidores”, ressalta Camargo.

Inteligência Artificial em desenvolvimento 

Em termos qualitativos, a Meta investiu volumes recordes na sua infraestrutura de inteligência artificial. O futuro da plataforma nesse sentido depende da integração de conteúdos e das recomendações pautadas em probabilidades, num modelo similar ao do Tik Tok.

“Claramente, Zuck e o time da Meta estão ‘all in’ nessa aposta, que consideramos fundamental para que a Meta mantenha sua relevância e retome uma trajetória de crescimento sustentável”, fala Richard.

Parte Operacional: veja os números

A quantidade de usuários ativos mensalmente na divisão “família de aplicativos” cresceu 6% na comparação anual, totalizando 2,87 bilhões de pessoas. Já o número diário de usuários ativos foi de 1,96 bilhão, 4% a mais que o 1T21.

Houve crescimento também na área de impressões, de 15%, embora o preço médio por anúncio tenha diminuído 8% em decorrência das pressões derivadas da mudança na política de privacidade da Apple.

Ao final do trimestre, a margem operacional foi de 31%, caindo 12% em relação ao mesmo período de 2021, devido ao ritmo elevado de investimentos previamente mencionados.

Levando em consideração todos esses valores, a Meta gerou US$ 8,5 bilhões em fluxo de caixa livre para o acionista, equivalente a uma margem de 30%, considerada bastante elevada pelo analista.

Outro ponto importante é que, durante o 1T22, a empresa também conduziu um extenso programa de recompra de ações em meio às baixas, tendo alocado US$ 9,5 bilhões nesse processo.

Planos para o futuro e expectativas para a ação

“O excelente resultado, aliado ao guidance de diminuir a velocidade de cruzeiro nos investimentos para o restante do ano, foi suficiente para explicar a boa performance da ação”, avalia o analista.

Ele complementa, ainda, que no “Reality Labs”, aposta da Money Rider no metaverso, Mark voltou a falar sobre o lançamento previsto para esse ano do projeto “Cambria”, dispositivo de realidade aumentada focado em funcionalidades de trabalho.

O objetivo de longo prazo do time do Meta é que o Cambria substitua o notebook como ferramenta de trabalho.

Por fim, Richard conclui: “Negociado a apenas 14 vezes os lucros estimados para os próximos 12 meses, seguimos animados com o potencial de longo prazo da Meta”.

Já é assinante da série MoneyRider?

A série MoneyRider, dos analistas João Piccioni, Enzo Pacheco e Richard Camargo, disponibiliza diversas indicações e conteúdos exclusivos relacionados a investimentos.

Além disso, ao se tornar assinante, é possível conferir as carteiras de investimento recomendadas pelos analistas, como a MoneyRider Hedge Fund e a MoneyBets Revolution, da qual a Meta faz parte da composição. Basta clicar aqui para ficar por dentro.

É possível, também, ficar por dentro dos balanços de outras big techs disponibilizados recentemente acessando o link.