Times
Investimentos

Mitre (MTRE3): prévia do 4T22 agrada analista; veja a recomendação para as ações da incorporadora

Companhia realizou dois lançamentos em bairros de alto padrão de São Paulo no 4T22

Por Caio Araújo

13 de janeiro de 2023, 09:39

Mitre (MTRE3)
Imagem: Divulgação/Mitre

A Mitre (MTRE3) divulgou, nesta quinta-feira (12), sua prévia operacional do quarto trimestre de 2022 (4T22), com números interessantes diante do contexto.

A companhia realizou dois lançamentos no trimestre: o Raízes Premium Butantã e o Haus Mitre Jardins – Studios, ambos localizados em bairros de alto padrão em São Paulo.

No total, o Valor Geral de Vendas (VGV) dos dois projetos é de R$ 819 milhões, aumento de 34,9% em relação ao 3T22. Por ora, o destaque vai para o primeiro projeto (VGV de R$ 454 milhões), que já tem 35% das unidades vendidas.

As vendas líquidas da Mitre foram de R$ 319 milhões no período, praticamente em linha com o ano anterior. No acumulado de 2022, a linha bateu R$ 827 mihões, aumento de 13% sobre 2021 e superando as nossas expectativas.

O indicador Vendas Sobre Oferta (VSO) registrou recuperação em relação ao último trimestre, atingindo 15,5%. A linha fechou o ano com queda de 4 p.p. se comparada com 2021, reflexo do momento desafiador do mercado imobiliário – o aumento da taxa de juros tem relação direta com esse desempenho.

Ao final do período, a Mitre possuía 2.465 unidades em estoque, totalizando um VGV de R$ 1,8 bilhão, sendo que 77% é proveniente dos lançamentos realizados no último ano – em termos de gestão, é importantíssimo manter um estoque de safras antigas controlado.

O nível de distratos demonstrou estabilidade em relação ao 3T22, ponto favorável considerando a elevação das vendas. Ainda assim, segue como ponto de atenção para 2023, dado que cresceu 21% na comparação anual. Neste ponto, vale citar que a companhia possui quatro entregas para o primeiro trimestre de 2023 e 68% delas já estão repassadas.

Prévia de Mitre agrada e incorporadora segue com recomendação de compra

Mesmo com um cenário desafiador para as incorporadoras, a Mitre foi capaz de gerar bons números para o trimestre. Como se trata de uma prévia operacional, ainda analisaremos outros indicadores do resultado, especialmente as margens.

Para 2023, o momento ainda exige disciplina, mas a recente desaceleração dos custos (arrefecimento do INCC) e a boa resposta da demanda neste 4T22 possibilitam um princípio de retomada do setor.

Negociando a 4 vezes os seus lucros para 2023, a Mitre (MTRE3) segue com recomendação de compra da Empiricus.

Sobre o autor

Caio Araújo

Administrador de empresas formado pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e profissional da Empiricus Research desde 2016. Com certificação CNPI, é o analista de Real Estate e responsável pela série Renda Imobiliária, que atua no mercado de fundos de investimento imobiliários.