Investimentos

Nubank (NUBR33) traz dados mistos e desempenho do TC (TRAD3) é desastroso no 1T22: Felipe Miranda reitera short nas duas ações

Carteira Oportunidades de Uma Vida, conduzida pelo CEO e estrategista da Empiricus, tem posições vendidas em Nubank e TC; confira principais pontos da análise

Compartilhar artigo
Data de publicação
17 de maio de 2022
Categoria
Investimentos
Imagem de gráfico com números os quais representam as oscilações no valor das ações
Reprodução: Shutterstock

O resultado do Nubank (NUBR33) trouxe números mistos em seu balanço do 1T22. Apesar de conter elementos positivos, Felipe Miranda, CEO e estrategista da Empiricus, diz que isso não altera a sua estratégia, que é prosseguir com o short no roxinho (posição vendida) na carteira Oportunidades de Uma Vida. Ele avalia uma tendência de queda das ações. 

Segundo ele, o Nubank teve aumento expressivo no número de clientes nos primeiros três meses do ano – foram 5,7 milhões de entrantes, atingindo 59,6 milhões. Se por um lado, a velocidade de ampliação da base e a oferta de novos produtos são bem vistos, há outros pontos que continuam reforçando a sua tese. 

“Eu mantenho o short em Nubank, primeiro por conta do valuation. Se convergisse para alguma coisa em torno de US$ 15 bilhões, começaria a fazer sentido, mas Nubank valendo entre US$ 20 bilhões e US$ 25 bilhões, está fora e precisaria fazer um ajuste”, disse o analista nesta terça-feira (17/05) em seu grupo Ideias Antifrágeis no Telegram, canal de comunicação com assinantes. 

Nubank é um case que se relaciona com o que está acontecendo com as empresas de tecnologia e cases de crescimento mais agressivos listados em bolsas lá fora e que sofrem em função da alta dos juros nos Estados Unidos.

Ele avalia ainda que o fim do lock-up de ações, que acontece a partir de hoje, isto é, a liberação das negociações de ações por fundadores e acionistas pré-IPO, pode gerar uma força vendedora adicional. “Acho louvável o David Vélez (fundador do Nubank) ter comunicado ao público que não irá vender ações, assim como próximos a ele não vão se desfazer das posições. Mas conheço outros que vão vender, são pessoas relacionadas aos fundos de venture capital e seu entorno. Pode ter overhang sim”, destaca Felipe. Overhang é uma situação na qual investidores evitam comprar os papéis diante da possível força vendedora. 

Segundo ele, a inadimplência do Nubank está crescendo, embora em nível controlável no momento. No entanto, preocupa o ritmo acelerado da oferta de crédito em ambiente macroeconômico adverso. “É um risco grande, se a execução não for bem feita. Muita gente por aí ‘deu com a cara no muro’ acelerando o crédito dessa forma. Esse pode ser visto lado meio vazio do copo”, comenta. 

O Nubank registrou prejuízo líquido de US$ 45,1 milhões no 1T22, melhoria de 9% em relação ao mesmo período do ano passado e acima das estimativas de mercado. Já no cálculo ajustado por despesas relacionadas à remuneração baseada em ações e pelos efeitos tributários aplicáveis, o Nubank teve lucro de US$ 10,1 milhões – reversão do prejuízo de US$ 11,9 milhões. 

Resultado desastroso de TC (TRAD3)

Felipe Miranda também reitera o short no TC – Traders Club (TRAD3) no portfólio Oportunidades de uma Vida, vislumbrando movimento desvalorização das ações. 

O resultado de TC no 1T22 foi negativo, conforme o analista. O desempenho conseguiu ser bem pior do que as expectativas da casa. Houve redução de receita em relação ao 4T21, de R$ 28,6 milhões para R$ 25,4 milhões. Enquanto isso os custos aumentaram, fazendo o lucro bruto sofrer bastante, com uma queda de 24,6%, totalizando R$ 14,3 milhões. No final, reportou prejuízo líquido ajustado de R$ 16,09 milhões. 

“Acho que o que está acontecendo com o TC é preocupante. Um caso que era de valuation excessivo, agora vira um caso de sustentabilidade, viabilidade empresarial”, destaca o analista. 

E acrescenta: “Um caso de crescimento, para negociar 10 vezes receita, mas que apresenta decrescimento, não faz o menor sentido.”

O TC tem queimado muito caixa, foram cerca de R$ 20 milhões no trimestre passado. “Levantou R$ 600 milhões no IPO há nove meses e, agora, está com R$ 271 milhões, ou seja, mais da metade do caixa já foi embora.”

Para Felipe, é temerário o que o CEO do TC disse em sua carta recente, que é a intenção de focar no segmento institucional. “É uma empresa que se fez no varejo e não tem expertise do institucional, aliás, não possui nem a simpatia desse mercado, muito pelo contrário.”

Além disso, ele acredita que o  TC está entrando em uma espiral negativa. “Enquanto deveria preservar caixa, está fazendo recompras de ações e tem ainda aquele swap que roda contra si o CDI, uma dívida que está assumindo para ficar ativo nas suas ações”, explica. Portanto, sob a ótica dos fundamentos,  TRAD3 deveria cair.