Investimentos

Resultados de Meta e Spotity decepcionam; commodities e ajustes dos bancos centrais; veja comentários do Felipe Miranda

Confira fatores que podem mexer no seu bolso; acompanhe e fique por dentro dos destaques do CIO da Empiricus

Compartilhar artigo
Data de publicação
3 de fevereiro de 2022
Categoria
Investimentos

Os resultados corporativos do setor de tecnologia, principalmente, dos Estados Unidos, ontem à noite decepcionaram bastante. A Meta Platforms, controladora do Facebook, teve uma queda de mais de 20% no after market, ontem. Isso porque seus resultados vieram abaixo das expectativas de mercado. A companhia teve lucro líquido de US$ 10,29 bilhões no quarto trimestre, um recuo de 8%, além de ter anunciado guidance para o primeiro trimestre abaixo do esperado. 

As ações da plataforma Spotify caíram 18%, após a divulgação de uma estimativa menor  do crescimento do número de assinantes

“A gente vem falando dessa necessidade de diminuição da exposição tech. Temos feito toda uma migração em direção ao value investing, em detrimento ao tech e ao growth que tem múltiplos mais esticados”, diz Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus. 

Conforme ele, os recentes resultados corporativos estão corroborando com essa visão. 

“É claro, tudo muda: tem a divulgação do resultado da Amazon hoje à noite. O mercado é dinâmico e tem tido volatilidade ao longo do dia, mas a abertura está contratada aqui nessa direção com bolsas em baixa e destacadamente em baixa, com as ações de tecnologia”, ressaltou.

Commodities em alta

Enquanto o mercado migra para outros nomes de valor, talvez a siderurgia e mineração possam ser um destaque positivo, a julgar pelas informações disponíveis até agora. 

“A China voltou a incentivar a sua economia, então isso impacta o preço das commodities”, ressaltou.

Pode ser um destaque positivo, hoje, ao menos em termos relativos, caindo menos do que a média da bolsa. Pelo menos, se há alguma racionalidade.

Ajustes dos bancos centrais

Dia importante também, em termos de política monetária, com  o Bank of England, banco da Inglaterra e o banco central europeu atualizando as suas taxas básicas de juros. 

A inflação europeia está persistentemente alta, acima das expectativas, batendo recordes.

“Vamos ver, como Christine Lagarde reage a esse movimento, a essa dinâmica inflacionária. Se ela aperta um pouco o torniquete, ou não”, comentou Felipe. 

Aqui dentro, é claro que há reação à decisão do Copom que aumentou a Selic para 10,75%, mas sinalizou alta menor na próxima reunião. “Esse, sim, tem uma leitura predominante, mais dovish, já surgindo menos aumento da taxa de juros, do que o mercado esperava”, afirmou.

Para Felipe a pergunta agora é qual será a intensidade do próximo ajuste. “Deve vir alguma coisa aí em torno de 1 ou 0,5 ponto porcentual. O mercado está dividido.”