Times
Investimentos

XPML11, BTLG11, BRCO11 e mais 4 FIIs: confira as notícias da semana dos fundos imobiliários

Além de notícias sobre emissões de cotas, saiba sobre novas aquisições de fundos e prazos de assembleia geral extraordinária.

Compartilhar artigo
Data de publicação
28 de novembro de 2023
Categoria
Investimentos
fundo imobiliário
Imagem: Freepik

A seguir, apresentamos as últimas notícias referente aos fundos imobiliários recomendados pela Empiricus Research.

#BCFF11: o BTG Pactual Fundo de Fundos aprovou o desdobramento de suas cotas na proporção de 1 para 8, ou seja, para cada cota existente do BCFF11 serão criadas 7 novas cotas. Segundo a gestão, as cotas desdobradas passarão a ser negociadas a partir da abertura dos mercados do dia 29 de novembro e as novas cotas decorrentes do desdobramento serão creditadas aos respectivos titulares até o dia 1º de dezembro. Deste modo, o FII passará a contar com um total de 201,5 milhões de cotas.

#BRCO11: o fundo comunicou a intenção de rescisão antecipada por parte da TW Transportes, locatária de 11,8 mil metros quadrados do imóvel Bresco Canoas, cerca de 35,5% da ABL do ativo. Com vigência até outubro de 2024, o contrato prevê aviso prévio de 3 meses, ou seja, a vacância física do BCRO11 sofrerá um incremento de 3% a partir de fevereiro do próximo ano – somada a devolução do GPA em meados de 2024, é esperada que a ocupação do portfólio seja reduzida para 81%.

#BTLG11: o BTG Pactual Logística comunicou a assinatura de um compromisso de compra e venda para aquisição de um portfólio de três imóveis localizados no estado de São Paulo, sendo dois deles dentro do raio de 30 quilômetros da capital, totalizando 307 mil metros quadrados (31% da atual ABL do fundo). Segundo o documento, 233 mil metros quadrados do portfólio estão performados e totalmente locados, enquanto os 74 mil metros quadrados restantes serão destinados ao desenvolvimento de um empreendimento com projeto aprovado.

O valor total da transação será de R$ 760 milhões, sendo R$ 440 milhões desembolsados após a superação de determinadas condições precedentes, enquanto os R$ 320 milhões restantes serão pagos 18 meses após o fechamento da negociação, corrigidos pelo IPCA do período. O cap rate da operação será de 9,2%, enquanto o yield esperado é de 15% entre o pagamento da entrada e o desembolso da parcela final. No mais, é estimado um incremento na receita mensal do fundo de R$ 0,19 por cota.

#RCRB11: o fundo celebrou o contrato de locação da unidade 22 (193,8 metros quadrados) do Ed. Bravo! Paulista para a Mudah Publicidade, representando cerca de 3% da área BOMA própria do imóvel. Com a nova locação, a taxa de ocupação do ativo atinge o patamar de 67,5%, enquanto a taxa de vacância física do portfólio do RCRB11 cai para 8,4%. 

O contrato foi celebrado na modalidade típica com duração de 60 meses (5 anos), a partir de 1º de dezembro deste ano, reajustado pelo IPCA. A negociação prevê até 3 meses de carência, a depender da duração das obras de adequação da unidade, além de cláusula de aviso prévio de 180 dias. Após o término do período de carência, a gestão estima um incremento de R$ 0,01 por cota no resultado mensal do fundo.

#RVBI11: o VBI Reits FoF estendeu o prazo limite de votação da sua assembleia geral extraordinária (AGE) para o dia 14 de dezembro.

#TRXF11: o TRX Real Estate anunciou o encerramento da sua nona emissão de cotas, com captação total de R$ 224,1 milhões.

#XPML11: o XP Malls concluiu a aquisição da fração ideal de 10% do Plaza Sul Shopping (SP), que estava apenas aguardando a autorização do CADE. O pagamento será no valor total de R$ 60 milhões, sendo R$ 30 milhões pagos à vista e a outra metade após 12 meses, corrigida pelo CDI do período. A participação do fundo no empreendimento foi elevada para 20%.

Adiante, temos a aquisição da fração ideal de 8% do Shopping Praia de Belas, localizado em Porto Alegre (RS). Ao todo, são 47,2 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL). O valor da transação será de R$ 60,4 milhões (quase R$ 16 mil por metro quadrado), sendo R$ 30,2 milhões à vista e os outros R$ 30,2 milhões em 29 de maio de 2024, corrigidos pelo IPCA do período entre a primeira parcela e a segunda. É esperado um incremento de R$ 5,4 milhões (aproximadamente R$ 0,18 por cota) no NOI do fundo nos próximos 12 meses, o que equivale a um cap rate de 9% ao ano.