Times
Empresas

Ebitda: o que é, como calcular e como analisar esse indicador de lucratividade?

O Ebitda é um indicador financeiro crucial para avaliar a saúde operacional de uma empresa. Saiba melhor como analisar e como calculá-lo.

Por Equipe Empiricus

30 de junho de 2023, 10:21

Imagem de uma pessoa segurando um papel com gráficos para representar o Ebitda.

O Ebitda é um dos principais indicadores utilizados para a análise financeira de uma companhia. A métrica é amplamente usada para mensurar a capacidade de gerar lucros operacionais de uma empresa. Esse indicador fornece uma visão mais clara e comparável entre organizações de diferentes setores e estruturas financeiras, sendo um importante aliado para investidores e analistas. 

O que é Ebitda?

Sigla para “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation, and Amortization” (Lucros Antes dos Juros, Impostos, Depreciação e Amortização), o Ebitda é uma métrica financeira utilizada para a análise de empresas. Esse indicador mede a performance operacional, deixando de lado fatores como despesas, impostos, depreciação e amortização.

Ao excluir esses fatores, o Ebitda oferece uma medida mais precisa da lucratividade gerada pelas atividades operacionais de uma companhia, permitindo uma avaliação mais clara e comparável entre diferentes empresas e setores. 

O indicador proporciona uma visão abrangente da saúde financeira da empresa, uma vez que se concentra no resultado operacional, ou seja, no desempenho das atividades centrais do negócio. Dessa forma, desconsidera as políticas de financiamento, a estrutura de capital, as alíquotas tributárias ou as variações no valor dos ativos no longo prazo, por exemplo.

Diferença entre Ebitda e Ebit

Embora o Ebitda e o Ebit sejam indicadores financeiros amplamente utilizados na análise de empresas, existem diferenças importantes entre eles. O Ebit (sigla para Earnings Before Interest and Taxes, ou Lucros Antes dos Juros e Impostos) considera o resultado operacional de uma empresa antes da adição de juros e impostos sobre o lucro. 

Assim, seu cálculo deduz despesas como custos de produção e de vendas das receitas, sendo útil para avaliar a rentabilidade das operações principais e sua capacidade de gerar lucros – antes de considerar encargos e obrigações tributárias.

Já o Ebitda é mais “amplo”, uma vez que exclui também a depreciação e a amortização dos cálculos. Essa exclusão a mais visa proporcionar uma visão mais clara do desempenho operacional de uma empresa, isolando os efeitos de elementos não operacionais, como a alocação contábil do custo dos ativos ao longo do tempo. 

Ambos os indicadores têm limitações e não devem ser considerados isoladamente na análise de uma empresa. Outros fatores, como o fluxo de caixa, a estrutura de capital e o endividamento devem ser avaliados em conjunto para uma análise mais completa e precisa.

Para que serve o Ebitda?

O Ebitda desempenha um papel fundamental na análise financeira e na avaliação de empresas, fornecendo uma série de informações úteis para investidores, analistas e gestores. A seguir estão alguns dos principais usos e finalidades do Ebitda:

  • Avaliação da performance operacional: o indicador permite avaliar a eficiência operacional de uma companhia, isolando os efeitos de despesas financeiras, impostos, depreciação e amortização;
  • Comparação entre empresas: é particularmente útil para comparar o desempenho de organizações de diferentes setores e estruturas financeiras, oferecendo uma base comparativa mais justa para avaliar a eficiência e o lucro das companhias;
  • Análise de viabilidade e sustentabilidade: é frequentemente utilizado para avaliar a viabilidade e a sustentabilidade de um negócio, fornecendo uma visão ampla da saúde financeira e da capacidade de auto sustentação do negócio;
  • Apoio a decisões de investimento: é um indicador amplamente considerado pelos investidores ao tomar decisões de investimento, permitindo uma avaliação mais precisa de seu potencial de retorno sobre o investimento;
  • Monitoramento do desempenho financeiro: é um indicador-chave para monitorar o desempenho financeiro ao longo do tempo, permitindo identificar tendências e variações na lucratividade operacional da empresa.

Vale ressaltar, porém, que o Ebitda não deve ser utilizado isoladamente na análise de uma empresa, mas em conjunto com outros indicadores e informações relevantes. Ele oferece uma perspectiva específica do desempenho operacional, mas não reflete a realidade completa da saúde financeira e do valor intrínseco de uma empresa.

  • As 10 “top picks” da Empiricus Research: veja quais são os dez papéis recomendados pelos analistas da casa para buscar lucros na bolsa. Baixe aqui o relatório gratuito. 

Como calcular o Ebitda?

O cálculo do Ebitda envolve duas informações principais: o lucro operacional e a depreciação. A fórmula básica para calcular o Ebitda é a seguinte:

Ebitda = Lucro Operacional + Depreciação + Amortização

Lucro Operacional

Na matemática financeira de uma empresa, o lucro operacional, também conhecido como resultado operacional, é uma medida que indica a rentabilidade das atividades principais da companhia antes de considerar as despesas e os impostos. 

Ele é obtido subtraindo-se as despesas das receitas operacionais. As despesas operacionais, nesse caso, incluem os custos diretos de produção, despesas com vendas e marketing, despesas administrativas e outros custos relacionados às atividades operacionais da empresa. 

Depreciação e amortização

A depreciação é uma despesa contábil que representa a alocação sistemática do custo de ativos tangíveis ao longo de sua vida útil. Ativos tangíveis incluem itens como maquinário, equipamentos, veículos e imóveis. A depreciação é necessária porque esses ativos têm uma vida útil limitada e, com o tempo, perdem seu valor ou se tornam obsoletos.

Já a amortização refere-se à alocação do custo de ativos intangíveis ao longo de sua vida útil. Ou seja, ativos como patentes, marcas registradas, direitos autorais e outros ativos não físicos que conferem benefícios econômicos futuros à empresa. Assim como a depreciação, a amortização é registrada como uma despesa contábil ao longo do tempo.

Exemplo de aplicação do Ebitda

No cálculo do Ebitda, o lucro operacional é ajustado adicionando a depreciação e a amortização ao resultado operacional. Esses ajustes visam isolar os efeitos das despesas não relacionadas à operação principal da empresa, fornecendo uma medida mais precisa da lucratividade operacional e da saúde financeira.

Confira um exemplo prático que ilustra o cálculo do Ebitda de uma empresa:

Receita Operacional: R$ 500.000

Despesas Operacionais: R$ 300.000

Depreciação: R$ 50.000

Amortização: R$ 10.000

Para calcular o Ebitda dessa empresa, primeiro calcula-se o lucro operacional:

Lucro Operacional = Receita Operacional – Despesas Operacionais

Lucro Operacional = R$ 500.000 – R$ 300.000

Lucro Operacional = R$ 200.000

Em seguida, soma-se a depreciação e a amortização ao lucro operacional, e então chega-se ao resultado do Ebitda:

Ebitda = R$ 200.000 + R$ 50.000 + R$ 10.000

Ebitda = R$ 260.000

É importante mencionar que cada empresa pode ter sua própria maneira de apresentar as informações financeiras, portanto, ao realizar o cálculo do Ebitda, é essencial garantir que os valores utilizados sejam consistentes e sigam as práticas contábeis adequadas.

Vantagens e desvantagens do Ebitda

O Ebitda possui vantagens e desvantagens que devem ser consideradas ao utilizá-lo como indicador financeiro. Confira as principais:

Vantagens

  • Medida de desempenho operacional;
  • Comparabilidade entre empresas e setores;
  • Foco na geração de caixa;

Desvantagens

  • Exclusão de despesas significativas;
  • Ausência de informações sobre fluxo de caixa;
  • Diferenças nas práticas contábeis;
  • Visão incompleta da saúde financeira.

Em resumo, o Ebitda oferece vantagens valiosas na avaliação do desempenho operacional e na comparação entre empresas. No entanto, é necessário utilizá-lo com cautela e em conjunto com outras métricas financeiras para obter uma análise completa e evitar interpretações equivocadas.

Como analisar o Ebitda de uma empresa?

A análise do Ebitda de uma empresa envolve a avaliação de várias perspectivas e considerações. 

O primeiro passo deve começar por avaliar as tendências históricas do indicador ao longo do tempo, identificando se houve um crescimento consistente, estabilidade ou flutuações significativas. Essa análise pode fornecer insights valiosos sobre a saúde operacional da empresa e sua capacidade de gerar lucros de forma consistente.

Além disso, é importante comparar o Ebitda da empresa com outras companhias do mesmo setor e concorrentes diretos. Essa comparação permite identificar sua posição relativa em termos de desempenho operacional. Considere também fatores específicos que possam influenciar a análise, como sazonalidade e ciclicidade.

A análise deve ser feita em conjunto com outros indicadores financeiros, como fluxo de caixa, lucro líquido, índices de endividamento e retorno sobre o investimento. Essa análise comparativa fornece uma imagem mais abrangente da saúde financeira e do desempenho da empresa.

Por fim, leve em consideração o contexto e faça uma análise qualitativa da empresa, considerando fatores como estratégia de negócios, posição competitiva, qualidade da gestão, perspectivas de mercado e riscos específicos. Esses elementos fornecem informações adicionais para interpretar o Ebitda e sua relevância para a empresa.

Foi possível entender o que é Ebitda? Se sim, compartilhe essa matéria e contribua para melhorar o conhecimento de mais pessoas.

O que significa Ebitda?

Ebitda é a sigla para “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation, and Amortization”, que em português significa “Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização”. É um indicador financeiro utilizado para mensurar a saúde financeira e o desempenho operacional de uma empresa.

Como calcular o Ebitda?

O Ebitda é calculado somando o lucro operacional da empresa aos valores de depreciação e amortização. A fórmula para o cálculo do Ebitda é: Ebitda = Lucro Operacional + Depreciação + Amortização.

Qual é a diferença entre Ebitda e lucro operacional?

O Ebitda representa o lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização, enquanto o lucro operacional é o resultado financeiro obtido exclusivamente das operações principais da empresa, antes da dedução de despesas financeiras e impostos.

Por que o Ebitda é importante?

O Ebitda é um indicador importante porque proporciona uma visão clara do desempenho operacional de uma empresa, excluindo fatores financeiros e contábeis. Ele ajuda a avaliar a capacidade da empresa de gerar lucros a partir de suas atividades principais e permite comparações entre empresas de diferentes setores e estruturas financeiras.

Quais são as limitações do Ebitda?

Embora amplamente utilizado, o Ebitda possui limitações. Ele exclui despesas significativas, como juros, impostos, depreciação e amortização, que podem ter um impacto relevante no desempenho financeiro da empresa. Além disso, as empresas podem adotar práticas contábeis diferentes ao calcular o Ebitda, dificultando a comparação entre elas. Portanto, é importante considerar essas limitações ao utilizar o Ebitda como indicador financeiro.

Sobre o autor

Equipe Empiricus

A maior equipe de análise de investimentos do Brasil, 100% dedicada a te ajudar a encontrar as melhores oportunidades de investimento.