Lula e o novo

Note que a prisão do populista Lula marca uma evolução na sociedade brasileira. Ficou claro no julgamento do seu HC no STF, o duelo entre as duas forças que se enfrentam hoje no país, da luta entre os velhos interesses e as pessoas que não se conformam mais com o estado das coisas.

Compartilhe:
Lula e o novo

Antes de mais nada, faço aqui um alerta. Estou escrevendo esta newsletter na sexta-feira 6 pela manhã. Portanto, estou trabalhando com as informações disponíveis no momento. Afinal de contas, parafraseando Pedro Malan, “no Brasil até o passado é incerto”.

O Brasil parece mesmo estar mudando. Alguns anos atrás, a prisão de Lula era algo que somente o Diogo Mainardi ousava conclamar.

Faço um aparte agora. Presto aqui minha homenagem aos antagonistas Mario Sabino e Diogo Mainardi, do site político O Antagonista, do qual somos sócios. Lutando contra o sistema estabelecido, os dois bravos jornalistas desenvolveram papel relevante tanto no impedimento de Dilma Rousseff como no avanço da Lava Jato, que culminou na prisão de Lula. Agradeço do fundo da minha alma. Afinal, onde estaríamos com Dilma na Presidência, Lula na Casa Civil, Barbosa na Fazenda e Tombini no Banco Central?

Note que a prisão do populista Lula marca uma evolução na sociedade brasileira. Ficou claro no julgamento do seu HC no STF, o duelo entre as duas forças que se enfrentam hoje no país. E não estou falando de esquerda versus direita, mas, sim, da luta entre os velhos interesses e as pessoas que não se conformam mais com o estado das coisas.

Toda a mobilização não seria possível sem a existência da tecnologia atual. Redes sociais, internet, grupos de WhastApp. Com isso foi se desmontando a hegemonia dos poderosos, tradicionalmente hegemônicos nos meios de comunicação e na propagação das narrativas.

Não que as forças tradicionais deixem de estar presentes das novas redes de comunicação. Já é notório o uso de robôs, os tais bots, para influenciar a opinião pública e criar “ondas” nas redes sociais. O recente imbróglio envolvendo o Facebook, a Cambridge Analytica e a campanha do presidente Trump é só um exemplo desse tipo de estratégia.

Aqui mesmo tivemos o caso dos já famosos tuítes do general Villas Bôas, comandante do Exército brasileiro, colocando pressão no STF às vésperas do julgamento do habeas corpus de Lula. Ao usar sua conta pessoal no Twitter, como fazemos você e eu, a opinião do general propagou-se como fogo no pasto seco, esquentando ainda mais o clima nas ruas do país.

O bacana do novo ecossistema de comunicação é sua estrutura descentralizada, orgânica. É justamente aí que as ideias encontram campo para crescer, sem os grilhões das instituições tradicionais. Tudo fica mais aberto e heterogêneo. O custo deste descontrole vem com a propagação de radicalismos e o surgimento de “fake news”. Considero um preço aceitável a pagar pelos graus de autonomia adquiridos.

Passando ao universo financeiro, análogo à comunicação descentralizada das redes sociais, temos o fenômeno das criptomoedas, apoiadas em suas blockchains. O debate entre céticos e entusiastas das moedas digitais é intenso e está apenas começando. Análogo aos ministros do STF, observamos o embate entre o sistema estabelecido, de moedas fiduciárias, e a nova era, das moedas digitais. Quem vencerá, ou mesmo se haverá algum vencedor, isso pertence exclusivamente ao devir.

Aqui na Empiricus abrigamos opiniões distintas. Nossa pluralidade por vezes causa confusão nos leitores que buscam coerência entre nossas ideias. Mas somos uma empresa de pessoas, e pessoas tem ideias diferentes. Deixamos os leitores decidirem o que faz mais sentido para eles. Achamos isso melhor do que passar uma comunicação monolítica, comprimida e empacotada para consumo rápido. Temos gente que torce o nariz para criptomoedas, mas temos verdadeiros apaixonados pelo tema, que vivem intensamente este novo universo financeiro.

Os meninos prodígios da Empiricus, André Franco e Vinícius Bazan, prepararam o conteúdo definitivo sobre as criptomoedas. Eles investiram as últimas semanas analisando e digerindo os acontecimentos mais recentes sobre o tema e identificaram os fatores que determinarão os rumos desse novo ecossistema. Clique aqui e se inscreva no workshop A Verdade Oculta.