Investimentos

‘Cashback de cerveja’: receba pagamentos de Ambev e Heineken na sua conta

Você pode, com pouco dinheiro, ser locatário das duas maiores cervejarias do país

Compartilhar artigo
Data de publicação
13 de abril de 2022
Categoria
Investimentos

Não é segredo para ninguém que o brasileiro adora uma cervejinha. De acordo com o Sindicerv, sindicato patronal das cervejarias brasileiras, foram consumidos mais de 14 bilhões de litros da bebida em 2021, o que faz do Brasil o terceiro maior consumidor de cerveja do planeta, com 7% do volume global.

Some esse gosto nacional pela super concentração de fabricantes do país e tenha uma ideia dos vultosos lucros obtidos por Ambev e Heineken, que tem, respectivamente, 55% e 21% do volume de mercado do país. Em 2021, por exemplo, a maior cervejaria brasileira (ABEV3) lucrou R$ 15 bilhões.

E o consumidor segue dando sua forte contribuição para esses resultados. Com a alta da inflação, a Ambev reajustou o preço de suas cervejas, enquanto a Heineken já prevê uma alta neste ano.

Se a cada vez que você vai ao supermercado ou compra cerveja pela internet você deixa mais dinheiro para essas multinacionais, respire. Um analista da Faria Lima aponta uma estratpegia para receber de volta ao menos uma parte do dinheiro gasto com cerveja. E isso pode valer até para quem não bebe…

Tenha Ambev e Heineken como inquilinos e receba aluguéis todos os meses

O analista de que falamos é Caio Araújo, especialista em fundos imobiliários da Empiricus. Em seu mais recente relatório, Araújo destaca o potencial de três FIIs que podem explodir de valor e ainda pagar dividendos gordos em 2022 (saiba aqui quais são eles).

Acontece que um desses fundos é detentor de imóveis que são alugados, justamente, pelas duas maiores cervejarias que operam no Brasil. Dessa maneira, ao se tornar cotista de um desses fundos, o investidor passa a ser, indiretamente, dono de um pedacinho dos imóveis que os compõem.

Assim, ele também adquire o direito de receber, por lei, os aluguéis pagos pelas empresas que ocupam esses prédios. Esses pagamentos normalmente são mensais, conforme boas práticas de mercado, mas o prazo pode variar.

SEJA “LOCATÁRIO” DE AMBEV E HEINEKEN: CONHEÇA O FII QUE ALUGA IMÓVEIS PARA AS DUAS CERVEJARIAS

Claro que quanto mais pedacinhos você tiver, maior será a sua fatia dos aluguéis. Essa é, justamente, a mágica dos fundos imobiliários: você pode usar os aluguéis para comprar novos pedacinhos – e tudo vai virando uma “bola de neve” a seu favor, até chegar o momento em que é possível resgatar uma boa renda mensal.

Este fundo é responsável por administrar um dos maiores conglomerados de empresas da América Latina, com 80% dos imóveis concentrados em importantes áreas corporativas de São Paulo, como a Avenida Paulista, a Faria Lima e a Vila Olímpia.

Segundo a equipe de análise de Araújo, as cotas deste fundo estão sendo negociadas 37,4% abaixo de seu valor justo. Para 2022, ele vê um potencial de valorização de 23%, além de 7,6% de dividendos. Em outras palavras, investindo R$ 1.000, você poderia:

  • Ganhar R$ 230 de valorização;
  • Ganhar R$ 76 de aluguéis, isentos de Imposto de Renda.

QUERO CONHECER O FUNDO COM 37,4% QUE TEM AMBEV E HEINEKEN NO PORTFÓLIO

Preços baratos e recuperação: entenda o momento dos FIIs

Nos últimos anos, os fundos imobiliários se tornaram queridinhos dos brasileiros. Afinal, eles combinam a solidez dos imóveis com a lucratividade da renda variável – e ainda distribuem, em sua maioria, dividendos isentos de Imposto de Renda.

Nos últimos tempos, contudo, diante da alta dos juros, da pandemia e da instabilidade local, esses ativos negociados em bolsa perderam valor. Justamente por isso, essa é, na visão de especialistas, uma excelente oportunidade para entrar – desde que nos ativos certos e de maior potencial.

“Os FIIs no momento são uma das combinações mais atrativas de risco-retorno dos últimos anos. Estamos diante de uma rara oportunidade e temos que aproveitar”, explica o analista Felipe Miranda, referência no mercado de renda variável.

Miranda entende que o mercado entrou em pânico de maneira exagerada com o cenário econômico e as perspectivas das eleições. Os ativos, que em tempos de otimismo costumam ser vendidos a 120% do seu valor, estão sendo negociados a cerca de 80%. Alguns selecionados chegam a ser vendidos por 76%.

Com o passar do tempo e a tendência de que o vencedor das eleições evite polarizar e se aproxime do centro, a tendência pode ser de maior otimismo do mercado e recuperação do valor dos FIIs.

Além disso, com a retomada da vida no pós-pandemia, os escritórios estão voltando a ficar ocupados. Isso já reflete no desempenho dos fundos: o Ifix, principal índice de referência para os FIIs, subiu 1,42% apenas em março, por exemplo.

O momento para buscar os maiores lucros, portanto, é agora, quando os valores justos ainda não foram ajustados.

Conheça os três FIIs mais promissores para 2022

A defasagem dos fundos imobiliários, contudo, não é uma garantia de que eles irão se recuperar. Isso porque muitos FIIs contém imóveis que naturalmente se depreciaram ao longo do tempo e já não tem a mesma qualidade e, consequentemente, têm mais dificuldade para atrair empresas.

Portanto, é preciso buscar, além de ativos com valores descontados, aqueles que realmente são interessantes para grandes companhias e não devem ter riscos de vacância ou crédito.

Na visão da Caio Araújo, três fundos se destacam no momento atual:

  1. O FII que contém Ambev e Heineken, o maior conglomerado corporativo da América Latina;
  2. Um fundo logístico, que atua com imóveis cruciais para o comércio eletrônico, por exemplo, como galpões com localizações estratégicas;
  3. Um fundo de papel (reúne títulos de renda fixa imobiliários) com baixo risco de crédito.

No botão abaixo, você pode ver como acessar o relatório com o nome dos fundos, além de uma carteira completa de FIIs – e ainda contar com a assessoria direta da equipe de Araújo para receber aluguéis de grandes empresas como Ambev e Heineken.

QUERO CONHECER OS 3 FUNDOS IMOBILIÁRIOS MAIS PROMISSORES PARA 2022