Investimentos

Em qual fundo imobiliário de galpões logísticos investir agora?

Em momento desafiador para o mercado de capitais, analista indica um FII com alto potencial de valorização no médio e longo prazo

Compartilhar artigo
Data de publicação
10 de março de 2022
Categoria
Investimentos

Em relatório recente, Caio Araujo, analista da Empiricus, recomenda um fundo imobiliário do segmento de galpões logísticos para investidores que querem diversificar a carteira de investimentos  e tem visão de longo prazo. 

É o SDI Rio Bravo Renda Logística (SDIL11), com  potencial de valorização das cotas de 16%. 

A seleção do analista, que lidera a série Renda Imobiliária da casa, parte da análise de que a operação deste fundo é eficiente e que, em seu portfólio, existem imóveis de alta qualidade.  

“Para essa análise, levamos em consideração, especialmente o valor por metro quadrado do portfólio e sua perspectiva de geração de renda”, diz.

Segundo o analista, esse fundo se tornou um dos maiores pagadores de proventos. Conforme dados da última distribuição, o yield (rentabilidade do provento) anualizado do FII é de 10,4% atualmente. 

Outra vantagem do SDIL11 é que os contratos de aluguéis estão indexados ao IPCA, índice oficial de inflação. 

“O contrato é indexado ao IPCA e sua atipicidade é interessante para o fundo já que traz certa previsibilidade de receita”, explica.

Fora isso, o SDIL11 demonstra consistência. Desde a sua criação em 2012, teve um retorno de 100,4%, contra 85,4% do IFIX (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários), que é o benchmark de mercado.

Por dentro do SDI Rio bravo Renda Logística (SDIL11)

O SDI Rio Bravo Renda Logística é gerido pela Rio Bravo em parceria com a Tellus Investimentos, que investem em empreendimentos logísticos e industriais de longo prazo.

Geralmente, são estruturas físicas usadas para produção, recebimento, armazenamento, separação e distribuição de variados itens. 

Em relação ao portfólio, o fundo é composto por cinco imóveis, dois no estado de São Paulo, dois no estado do Rio de Janeiro e um em Minas Gerais, com uma Área Bruta Tributável (ABL) total de 319,4 mil metros quadrados.

“O fundo se destaca por ter 100% de participação nos imóveis que possui. Fator estratégico já que deixa a gestão livre para tomar qualquer medida quanto aos ativos, sem ter que consultar outros proprietários”, argumenta o analista.

Ademais, o SDIL11 possui como locatários grandes empresas como a BRF, Braskem, Sherwin-Williams, Futura Tintas, dentre outras empresas. São companhias que contam com um histórico consolidado em seus mercados, em termos de lucros e passagem por crises, o que, por sua vez, garante menos riscos em relação ao não pagamento do aluguel, avalia o analista.

Entre outras características elencadas no relatório sobre o SDIL11, destacam-se:

  • Patrimônio líquido (R$ milhões): R$ 623,50
  • Quantidade de cotas (milhares): 6.395,05
  • Preço de Tela (R$/por cota): R$ 88,00
  • Valor de mercado (R$ milhões):  R$ 562,76
  • Taxa de administração: 0,84% a.a. sobre o valor de mercado

Recomendação

De acordo com Araujo, a tese por trás do investimento neste fundo está centrada no atual contexto de distribuição e demanda por produtos, propiciados sobretudo pela internet. 

“O SDI Rio Bravo conta com galpões que oferecem maior competitividade, custos customizados e acesso às principais vias de circulação aos seus locatários. Por tudo isso, ele se torna atrativo e não à toa, conta com uma vacância pequena”, analisa. 

Portanto, o FII surge como uma alternativa de geração de renda e ganho de capital, diante do contexto de turbulência no mercado. “As cotas do SDIL11 permanecem em nossa carteira de renda com peso 4,8% do total”, conclui

Não deixe de conferir também as recomendações de  fundos imobiliários do Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus. É só clicar aqui.