Investimentos

Impacto da guerra entre Rússia e Ucrânia tende a ser limitado sobre Cosan, segundo analistas

Grupo Cosan (CSAN3) conta com negócio diversificado e em setores estratégicos, explica Fernando Ferrer, analista da série As Melhores Ações da Bolsa

Compartilhar artigo
Data de publicação
18 de março de 2022
Categoria
Investimentos

Apesar do cenário desafiador para o mercado, Fernando Ferrer, analista de investimentos da Empiricus, avalia que  o impacto da guerra entre Rússia e Ucrânia tende a ser neutralizado na Cosan (CSAN3).

Segundo o analista, a resiliência do grupo reside no portfólio diversificado e posicionado em nichos estratégicos, como o agronegócio, produção de etanol, distribuição de gás natural, óleo e lubrificantes, e, por fim, no setor logístico. 

“Por um lado, há pressões de margem pelos fertilizantes, por outro, um petróleo mais caro. Então, entendemos que o impacto é neutro para a companhia”, disse Ferrer em relatório da série que ele lidera, As Melhores Ações da Bolsa (MAB)

A Cosan segue firme na carteira MAB por ter alto potencial de valorização no médio e longo prazo. 

Eu tive acesso ao documento e destrincho os principais pontos abordados a seguir:

Raízen

“O que temos é um grupo com subsidiárias bem posicionadas em seus mercados”, avalia Ferrer. 

A Raízen é a segunda maior distribuidora de combustíveis do país e a maior exportadora de açúcar de cana no mercado internacional. 

Embora, com o estopim da guerra, os investidores tenham entrado em estado de alerta quanto à subsidiária do setor sucroenergético, visto que 35% dos fertilizantes usados em seus canaviais são de origem russa, não há motivo para preocupação com a falta de insumo, segundo Ferrer.

“O último lote russo já está em trânsito e os demais lotes de 2022 virão de outros países. Portanto, é improvável que ocorra o desabastecimento de cana de açúcar na Raízen, em eventual interrupção das exportações de fertilizantes, por conta de novas sanções ao país de Putin”.

Como a Rússia é uma das principais produtoras de fertilizantes do mundo, os preços tendem a escalar com o conflito geopolítico. Porém, essa pressão será, de certa forma, compensada. 

 “A Raízen pode vender seu etanol a valores mais elevados, o que deve amenizar a pressão vinda dos fertilizantes”, explica o analista.

Rumo

No caso da Rumo, maior operadora de logística ferroviária do Brasil, o analista que está à frente da carteira As Melhores Ações da Bolsa observa uma empresa bem alocada em seu ramo, que terá impactos neutros ou marginalmente negativos nas suas margens, ainda que diante da inflação dos combustíveis. 

Ele explica que isso se deve à possibilidade de cálculo das tarifas de frete com base no preço do diesel, principal gasto da companhia. 

Segundo ele, o repasse de preço aos clientes será possível. Isso porque a empresa transporta, sobretudo, soja e milho e os fertilizantes para essas plantações em 2022, já foram garantidos sem o contágio da inflação da guerra. A soja costuma ser plantada em janeiro para colheita ainda no primeiro semestre e o milho, em março, para colheita no segundo semestre. Será uma situação diferente em relação ao  4T21, quando houve quebra de safra. 

Compass Gás e Energia

A terceira subsidiária do grupo Cosan atua e investe em quatro segmentos de gás e energia, indo desde a distribuição de gás natural até a geração de energia térmica. 

O destaque quanto à Compass fica com o recente aval da Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para sua compra da Gaspetro. O processo foi iniciado em 2021, com a oferta de venda da Petrobras de 51% de sua participação à subsidiária.

“Assim, a Compass ampliará seu negócio, uma vez que  a Gaspetro tem sob seu guarda-chuva 18 distribuidoras de gás natural”, comenta Ferrer.

Moove

Por último, em seu portfólio, a Cosan conta com a Moove, empresa que atua na produção, comercialização e distribuição de lubrificantes e graxas na América do Sul, com presença na Europa e Estados Unidos. 

Para Ferrer, o último resultado da empresa do segmento de lubrificantes veio em linha com as projeções do mercado. “O cenário em 2021 foi desafiador para a companhia, mas ainda assim, ela observou a normalização de sua demanda. Uma vez que, a queda no 4T21 foi de 2% contra 26% no mesmo período em 2020”.

Em termos de inflação do petróleo, a companhia pode seguir a dinâmica de repasse de preços, observa. “Soma-se a isso a atuação da Moove em diferentes países, o que garante uma porção da receita dolarizada”.

“Por tudo isso, entendemos que a Cosan (CSAN3) tem uma operação resiliente aos choques apresentados pela guerra entre Rússia e Ucrânia. Negociando a 12 vezes o seu lucro estimado para o ano de 2022 , seguindo como uma das maiores posições em nossa carteira”, finaliza.  

Resultado no 4T21 sem surpresas

“Os resultados no quarto trimestre foram bons, já que a Cosan cresceu em receita, lucro e ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), conforme as projeções do mercado”, diz o analista da carteira MAB.

Confira também o que Felipe Miranda, CIO da Empiricus, comentou sobre o resultado da companhia, que também faz parte da série Oportunidades de Uma Vida. Clique aqui.