Investimentos

Turbulência no mercado com a tensão entre Rússia e Ucrânia; Mitre (MTRE3) mostra bom controle de despesas; Cosan desiste da Mobitech e outros resultados corporativos

Veja o que está movimentando os mercados e as análises de Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus

Compartilhar artigo
Data de publicação
22 de fevereiro de 2022
Categoria
Investimentos

A tensão entre Rússia e Ucrânia continua dando o tom no mercado nesta terça-feira (22/02). Mas, os movimentos são ambíguos. Logo no início da manhã, a predominância era de um clima muito negativo nas bolsas lá fora em decorrência do reconhecimento do presidente da Rússia, Vladimir Putin, da independência de duas regiões separatistas na Ucrânia: Donetsk e Luhansk, mandando tropas para essas localidades. 

No entanto, o quadro deu uma leve melhorada. A bolsa na Europa chegou a virar levemente para o positivo e os futuros de Wall Street reduziram as suas perdas, após terem caído fortemente ontem. O preço do petróleo continua avançando, mirando US$ 100 o barril. E os metais preciosos – ouro e prata, se valorizam 

“O mercado está digerindo a situação da Ucrânia. O Goldman Sachs publicou um relatório dizendo que se as coisas piorarem poderia haver uma queda adicional de 6% no S&P. Isso é naturalmente desagradável, mas no pior cenário 6% de recuo, de algum modo é uma assimetria convidativa, a partir desses níveis”, comentou Felipe Miranda, CIO e estrategista-chefe da Empiricus, em seu grupo Ideias Antifrágeis no Telegram. 

Ele comentou ainda sobre uma leitura dissonante de consenso e até auspiciosa da Gavekal Research. “Segundo a Gavekal, agora haveria uma chance de Vladimir Putin aliviar as preocupações de alguma maneira e pedir abrandamentos das tensões, do que seria aceito pelo Ocidente. É uma leitura de amenização. Mas o analista alerta que o cenário ainda é de aversão ao risco no curto prazo”, disse. 

De acordo com  Felipe, o desenrolar dessa história precisa ser acompanhado dia a dia. “O momento é de muita sensibilidade, estamos caminhando sobre o gelo fino”, comentou sobre as incertezas. 

Resultados corporativos

Mitre demonstra bom controle de despesas

O resultado da Mitre (MTRE3), incorporadora e construtora referente ao quarto trimestre de 2021 precisa ser lido dentro do contexto de deterioração do ambiente macro. 

Achei um bom nível de receita, não muito diferente do que o consenso estimava. A margem bruta um pouco pressionada, abaixo do que esperávamos, mas notamos um belo controle de custos e despesas e o Ebitda veio em patamar saudável, beneficiado pelo bom resultado financeiro”, analisou Felipe Miranda, sobre o desempenho da companhia, que faz parte da carteira que ele lidera Oportunidades de Uma Vida

O lucro líquido da Mitre recuou 44% no 4T21 ante mesmo período do ano passado, chegando a R$ 12 ,5 milhões. Contudo, no acumulado do ano passado, a empresa lucrou R$ 50 milhões, uma alta de 29,8%.  

O Ebitda, que mede o resultado operacional, ajustado ficou em R$ 12,9 milhões no último trimestre do ano passado, uma queda de 0,7%.

No quarto trimestre de 2021, a receita líquida somou R$ 170 milhões, um aumento de 10% em comparação com o 4T20. 

“A receita veio abaixo da expectativa por conta da concentração nos empreendimentos Raízes e seus percentuais de completude de obra”, explicou Felipe.

Para o analista, MTRE3 segue uma boa pedida, pois está descontada em Bolsa. “Existe uma adversidade macroeconômica, claro, mas a companhia está negociando a 0,6 x seu valor patrimonial, me parece muito barata. Há expectativa de mais receita ao longo do ano e uma melhora de ROE (retorno sobre o patrimônio). Então me parece natural que ela venha a negociar 0,8 ou 1 x seu valor patrimonial pelo menos.”

Outros destaques:

Assaí (ASAI3): A rede atacadista registrou crescimento de 76,3% no lucro líquido do quarto trimestre de 2021, ante igual período de 2020. O Ebitda ajustado foi de R$ 911 milhões, crescimento de 3,6% na mesma base comparativa. 

Movida (MOVI3): O resultado da Movida, empresa de aluguel de veículos, surpreendeu. O lucro líquido chegou a R$ 276,7 milhões no quatro trimestre de 2021, dobrando em relação ao que foi reportado no ano anterior. O Ebitda ajustado cresceu 154% na comparação com o 4T20, somando R$ 776,6 milhões.

Cosan desiste da Mobitech

A Cosan e a Porto Seguro informaram, em fato relevante, que rescindiram o acordo de investimento para formação de joint venture – a Mobitech, de soluções d mobilidade – assinatura de veículos e locação e gestão de frotas para empresas.

Para Felipe, o cancelamento ocorre diante de cenário macroeconômico complexo. “A Cosan cancelou a sua parceria, na verdade uma tentativa com a Porto Seguro de criação da Mobitech. O cenário é  delicado  e a Cosan segue com disciplina rigorosa na alocação de capital”, disse.

Em sua visão, a Cosan já é suficientemente diversificada. “Ela possui ótimos negócios, um time espetacular de gestão e está descontada na Bolsa. Para Mim é a Berkshire brasileira”, ressaltou.

Agenda: fique de olho em novos balanços

Seguindo a temporada de balanços, hoje, divulgam os seus resultados: BRF (BRFS3), 3R Petroleum (RRRP3), Localiza (RENT3), Nubank (NUBR33), Raia Drogasil (RADL3) e Vivo (VIVT3).