Times
Empresas

ROE (Return on Equity): o que é e como analisar o Retorno sobre Patrimônio Líquido?

O ROE é um indicador de desempenho que mostra a rentabilidade sobre o capital dos acionistas. Saiba para que serve o ROE e como calculá-lo.

Por Equipe Empiricus

29 de junho de 2023, 19:43

Imagem de uma pessoa fazendo anotações com um café, notebook e celular ao lado para representar o ROE (Retorno Sobre Patrimônio).

O ROE é um indicador que oferece uma visão sobre a eficiência com que uma empresa usa o patrimônio líquido para gerar lucros. Ele é uma ferramenta amplamente utilizada por investidores e analistas.

Compreender o ROE é fundamental para tomar melhores decisões de investimento, uma vez que ele traz um panorama da eficiência que uma organização possui.

O que é ROE?

O ROE, ou Retorno sobre o Patrimônio Líquido, é um indicador financeiro amplamente utilizado na análise de investimentos e na avaliação do desempenho das empresas. 

Originado da sigla em inglês Return On Equity, essa é uma medida que revela a capacidade de uma empresa gerar lucro a partir do dinheiro que os acionistas investiram nela.

Em termos mais técnicos, o ROE é a relação entre o lucro líquido e seu patrimônio líquido. Ele é expresso em percentagem e a fórmula para calculá-lo é:

  • ROE = (Lucro Líquido / Patrimônio Líquido) x 100

Mas por que ele é tão importante? A resposta é simples: ele ajuda os investidores a entenderem quão eficientemente uma empresa está usando seu capital.

Um alto retorno sobre patrimônio líquido indica que a empresa está conseguindo gerar um resultado significativo com os fundos investidos. Entretanto, um ROE elevado não é necessariamente bom se a empresa estiver excessivamente endividada.

Portanto, essa é uma ferramenta essencial para a análise fundamentalista de uma companhia e deve ser usada em conjunto com outros indicadores para fornecer uma imagem completa da saúde financeira do negócio.

Para que serve o ROE?

O ROE é usado principalmente como uma ferramenta na hora de escolher os ativos que vão compor uma carteira de investimentos, pois avalia se a gestão de uma companhia está sendo eficiente ou não. Em suma, ele é útil por diversas razões, como:

  • Comparação entre empresas: pode ser usado para comparar a eficiência de diferentes organizações do mesmo setor. Por exemplo, se duas empresas tiverem o mesmo lucro líquido, mas uma tiver um ROE significativamente maior, isso pode indicar que ela é mais eficiente em usar seu capital, ou então que está mais alavancada;
  • Análise de tendências: analisando esse indicador ao longo do tempo, os investidores podem identificar tendências na eficiência da gestão. Se ele está aumentando, pode indicar uma gestão eficaz. Por outro lado, quando está decrescente, pode ser um sinal de alerta;
  • Decisões de investimento: esse índice é um componente-chave na modelagem de valorização de investimentos, ajudando a estimar o retorno esperado de uma ação em uma empresa específica;
  • Avaliação de desempenho da gestão: o ROE também é uma ferramenta útil para avaliar o desempenho da gestão.

No entanto, é importante lembrar que, embora esse indicador seja útil para avaliar a eficiência de um negócio, ele não deve ser usado isoladamente. Afinal, outros fatores como o nível de endividamento, a qualidade dos seus ativos e as perspectivas para o seu setor, também devem ser considerados ao fazer uma avaliação completa da saúde financeira de uma organização.

Como o ROE é calculado?

O ROE é calculado dividindo o lucro líquido da empresa pelo seu patrimônio líquido. Esta fórmula é expressa como:

  • ROE = (Lucro Líquido / Patrimônio Líquido) x 100

Vamos ver um exemplo para ilustrar o cálculo:

Suponha que temos uma empresa chamada ABC Ltda. No último ano fiscal, ela gerou um lucro líquido de R$ 1 milhão e, no mesmo período, o seu patrimônio líquido era de R$ 5 milhões. Portanto, temos:

  • ROE = (R$1.000.000 / R$5.000.000) x 100
  • ROE = 0,20 x 100 = 20%

Assim, o ROE da ABC Ltda. é de 20%, o que significa que, para cada real investido pelos acionistas, a empresa gerou um retorno de R$0,20.

Para uma análise um pouco mais aprofundada é possível considerar os períodos anteriores, ou também o próprio indicador de outras companhias do mesmo setor.

ROE, ROI e ROIC: qual a diferença entre eles?

Uma grande confusão que muitos investidores na Bolsa de Valores fazem é confundir o ROE, ROI e ROIC. O ROE, como vimos, nada mais é que um indicador que mede a eficiência de uma organização para gerar lucros para seus acionistas.

Já o ROI é muito parecido, mas não leva em consideração o capital dos investidores, mas sim o investimento inicial. Por isso, pode ser um pouco mais genérico.

Por fim, o ROIC é a sigla para Retorno sobre capital investido e representa a capacidade de uma empresa gerar lucro a partir do capital total investido, o que inclui também o aporte por meio de dívidas, ou seja, a captação de capital de terceiros.

O seu cálculo consiste na divisão do NOPAT pelo capital investido, sendo que o NOPAT nada mais é que o EBIT menos a alíquota de impostos.

Como analisar o ROE?

Para uma análise eficaz, é importante compará-lo com empresas similares no mesmo setor e observar suas tendências ao longo do tempo.

Uma organização com um indicador maior que suas concorrentes pode ser mais eficiente e um aumento dele ao longo do tempo pode sugerir uma gestão competente.

Entretanto, é vital olhar além do valor bruto. A estrutura do patrimônio líquido deve ser considerada, já que um alto nível de endividamento pode inflar artificialmente o ROE.

Além disso, o Retorno sobre o Patrimônio Retido (RORE) pode fornecer uma visão valiosa, pois mede a eficiência na utilização de lucros reinvestidos.

Vale dizer que compará-lo com a taxa de retorno requerida pelos investidores pode dar uma ideia do desempenho da empresa em relação ao risco percebido.

Se ele é inferior à taxa de retorno requerida, a empresa pode não estar proporcionando um retorno adequado para o risco assumido pelos investidores.

Portanto, ao usar o ROE para avaliar uma empresa, é crucial considerá-lo em um contexto mais amplo, levando em conta outros indicadores.

Foi possível entender o que é o ROE? Se sim, compartilhe essa matéria e contribua para melhorar o conhecimento de mais pessoas.

O que é o ROE de uma empresa?

O ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido) de uma empresa é um indicador que mede a rentabilidade de uma organização em relação ao seu patrimônio líquido, demonstrando a eficiência com que ela utiliza o capital dos acionistas para gerar lucros.

Como interpretar ROE e ROA?

ROE e ROA são indicadores de rentabilidade. O ROE mede o lucro gerado a partir do patrimônio líquido, enquanto o ROA (Retorno sobre Ativos) analisa a rentabilidade em relação aos ativos totais da empresa. Em sua o ROE considera só o capital dos acionistas e o ROA todo o capital, incluindo fornecedores e bancos.

Qual é um ROE bom?

Um bom ROE varia de acordo com o setor mas, geralmente, um ROE acima de 15% é considerado bom. Contudo, é importante comparar o ROE com outras empresas do mesmo setor para uma avaliação mais precisa. Além de compará-lo também com períodos anteriores da mesma organização.

Qual a diferença entre ROI e ROE?

ROI (Retorno sobre Investimento) mede o retorno percentual de um investimento específico, enquanto o ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido) avalia a rentabilidade de uma empresa em relação ao patrimônio líquido que ela possui.

Como se calcula o ROE?

O ROE é calculado dividindo o lucro líquido de uma organização pelo seu patrimônio líquido, frequentemente expresso como uma porcentagem. Ele reflete o quão bem uma empresa gera lucros a partir do dinheiro dos acionistas. Quanto maior ele for, mais eficiente é considerada a organização.

Sobre o autor

Equipe Empiricus

A maior equipe de análise de investimentos do Brasil, 100% dedicada a te ajudar a encontrar as melhores oportunidades de investimento.