2,7 bilhões de novos usuários

A esta altura, você já deve ter ouvido falar da suposta criptomoeda que o Facebook deseja criar. O Carnaval já acabou, mas mesmo assim uma […]

2,7 bilhões de novos usuários

A esta altura, você já deve ter ouvido falar da suposta criptomoeda que o Facebook deseja criar.

O Carnaval já acabou, mas mesmo assim uma rede social quer se “fantasiar” de banco central antes do fim do semestre.

Genial como ideia, mas perigoso como execução. Explico.

O resumo da história do Facebook com o universo cripto começa quando, no auge do frenesi cripto, a companhia decidiu proibir anúncios de qualquer natureza relacionados a criptomoedas.

Em 2017, fomos prejudicados com essa medida, assim como exchanges e veículos de mídia, que ficaram sem poder captar novos clientes na rede social.

A medida foi tomada porque a quantidade de golpes anunciados dentro do Facebook era imensa e se confundia com aqueles empreendedores que estavam em meio a projetos sérios.

Nada de mais, até porque tudo indicava que, aos poucos, a medida seria deixada de lado e um crivo mais seletivo seria adotado – foi justamente o que aconteceu.

Desde então, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, foi cada vez mais se aproximado do tema blockchain e cripto e montando uma área inteira dedicada ao ecossistema em Menlo Park.

Atualmente, a equipe já conta com mais de 60 especialistas em blockchain e as primeiras notícias de que o Facebook deseja criar uma cripto para integrar WhatsApp, Instagram e Facebook já começaram a pipocar.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

Mas por que criar uma cripto?

A ideia é fazer com que as plataformas controladas por Zuckerberg sirvam como meio de pagamento, assim como o WeChat (da gigante Tencent) na China.

Com o WeChat é possível fazer compras (por meio do WeChat Pay), reservar viagens e, claro, enviar mensagens instantâneas, tal qual o WhatsApp.

É como um app para todas as suas necessidades online – ou pelo menos as principais.

No entanto, se o intuito do Facebook for esse mesmo, não seria necessário uma criptomoeda, bastaria um sistema como o PayPal e pronto.

E é aí que começa a minha descrença na iniciativa.

Se o Facebook for na direção de criar um PayPal dentro dos seus aplicativos, tudo bem, pois estaríamos falando de um mercado regulado e com roadmap já explorado para implementação.

Por outro lado, se for de fato uma criptomoeda, com blockchain próprio, ou até um token dentro de uma outra rede, o Facebook poderia enfrentar problemas com os bancos centrais.

E, diferentemente do Bitcoin, por exemplo, existiria uma pessoa, uma equipe, uma empresa a qual os governos poderiam pressionar para desistir da ideia.

Exatamente nesse ponto mora a diferença entre uma cripto totalmente descentralizada e uma “com dono”.

A última possui claramente um ponto fraco e um alvo a ser atacado.

A boa notícia é que Facebook, Instagram e WhatsApp, podem fazer com que 2,7 bilhões de pessoas tenham acesso ao conceito de cripto e, assim, popularizar o tema de maneira acelerada, como nunca aconteceu.

Aguardarei até julho para poder pagar o meu almoço com Facebook Coin.

Aquele abraço,

André Franco


Você está perdendo uma chance de ganhar dinheiro

Quer saber, em primeira mão, quais são as melhores oportunidades de investimento do momento? Libere aqui para receber as nossas notificações e não perca nenhuma chance.