Algum arrependimento te assombra?

Não tenho muitos arrependimentos na vida. Sempre me absolvo de algumas falhas, porque vejo que, ex-ante, eu não poderia tomar melhor decisão. Apenas me arrependo […]

Compartilhe:
Algum arrependimento te assombra?

Não tenho muitos arrependimentos na vida. Sempre me absolvo de algumas falhas, porque vejo que, ex-ante, eu não poderia tomar melhor decisão.

Apenas me arrependo daquelas decisões tomadas por puro impulso (e falta de sensatez no momento).

Coloquei todo o meu dinheiro em bitcoin quando comprei pela primeira vez, a 557 dólares?

Não. 

Também não me culpo por isso.

Desconhecer o futuro faz você tomar algumas decisões certas, mas não as mais lucrativas.

Investiria todo o meu dinheiro hoje em cripto, mesmo tendo a convicção sobre o seu futuro?

Também não. E, da mesma forma, não me arrependeria.

Invisto mais do que o 5 por cento máximo que sugiro para os meus assinantes?

Sim. Skin in the game for real.

Sugiro que você invista mais do que 5 por cento do seu patrimônio em cripto?

Nem pensar.

Seria um fardo enorme para eu carregar no meu dia. Já basta um insano nessa relação, está ok?

Dito isso, eu estaria extremamente arrependido se tivesse conhecido o bitcoin em 2015 – e o tivesse ignorado, como já ouvi muitos relatos por aí.

Não foi amor à primeira vista, como não deve ter sido para ninguém. Foi um início de relação cheio de desconfiança e dúvidas.

A cada novo “bitcoin é um dinheiro essencialmente digital” ou “blockchain é um imenso livro razão distribuído”, minha cabeça dava um nó.

Pouco a pouco, esses malditos evangelizadores me convenceram de que eu deveria amar as criptomoedas.

Espero que você também tenha um certo carinho por aquilo que vai tornar obsoleto boa parte do modo como transacionamos valores hoje.

Também vai mudar a forma como você investe aqui e lá fora.

Além disso, vai acelerar todo o processo de integração financeira entre países e empresas no mundo, assim como a internet fez com a comunicação.

Até lá, é HODL.