Empréstimos em Blockchain

Em 2003, Jeff Bezos era um empreendedor que sobreviveu à bolha ponto com. Timidamente, ele foi capaz de fazer uma palestra na época em que […]

Em 2003, Jeff Bezos era um empreendedor que sobreviveu à bolha ponto com.

Timidamente, ele foi capaz de fazer uma palestra na época em que ninguém estava ligando muito para o potencial que a internet ainda teria.

Aqueles que sentiram o gostinho doce de investir em uma empresa ponto com antes do crash, foram tomados por um retrogosto amargo ao final do gole.

Gato escaldado tem medo de água fria, e poucos eram os que davam ouvidos para previsões otimistas relacionadas à internet.

Era difícil naquela época afirmar que alguma coisa boa sairia de toda essa péssima experiência com o mercado nascente.

Mesmo assim, ele foi à frente de uma palestra no TED para falar que a internet iria melhorar a forma como nos comunicamos e que ainda era só o começo dessa revolução.

E veja você que Bezos tinha um negócio de venda de livros, nem em sua essência a Amazon era sobre conectar pessoas, sequer melhorava a comunicação entre os seus clientes.

Tudo o que ele precisava para ter realmente o sucesso na Amazon ainda não existia e não se tinha a ideia de como criar o que era necessário.

Compras pela internet? Quem no mundo iria fornecer dados de cartão de crédito através de um meio tão inseguro? Quem garantiria que o produto seria entregue de fato?

Até porque a internet nem era sobre compras, mas, sim, sobre comunicação rápida e eficiente entre as pessoas.

Atualmente, as criptomoedas representam um modo fácil e eficiente de transferir valores monetário pelo mundo.

No entanto, as aplicações de um blockchain descentralizado são tamanhas que podem realizar até empréstimos para as pessoas sem acesso ao sistema financeiro tradicional.


Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.


Iniciativas como a MakerDao e Compound permitem que você possa colocar seus criptoativos para render através de um empréstimo, ou tomar um empréstimo se necessário.

Claro que ainda estamos falando de quantidades tímidas e, para muitos, o modelo pode não fazer sentido.

Isso porque para tomar o empréstimo você precisa travar um valor de 150 por cento do que deseja pegar.

Quem diabos vai tomar um empréstimo de menos daquilo que tem nas mãos? Por que não simplesmente vender o ativo e usar a grana?

São perguntas semelhantes às que foram feitas sobre o uso do cartão de crédito na internet, percebe?

Mas, respondendo a essas últimas perguntas, para empreendedores e empresas nativas do mundo cripto, já faz sentido.

Uma vez que essas empresas que fizeram ICO em 2017 têm seus caixas em ether, caso da maior parte, elas travam esses ethers no sistema e pegam dois terços do valor em dólar. Isso implica que elas não geram pressão vendedora no ether, pagam seus funcionários e conseguem se recuperar caso o ether suba.

Eu poderia seguir com a explicação e fazer você entender o mecanismo completo, mas a verdade é que isso vai parecer só um papo de nerd.

A real é que, pra isso ser usado em larga escala, as pessoas não precisam entender tudo o que acontece; elas precisam apenas confiar.

Ou vai me dizer que você sabe que, ao usar o cartão de crédito, existem pelo menos uns cinco processos de integração, entre eles banco, bandeira, cartão, adquirente e subadquirente?

Isso é só pra provar que confiança não tem a ver com entendimento completo daquilo que é confiável. É mais na linha do exoterismo do que da racionalidade.

E, pra finalizar, queria deixar para você algumas dicas.

Primeiro, se não gosta de cripto, tudo bem. A Bettina também não gosta e, mesmo assim, fez um milhão. Ela vai te contar como isso “aconteceu”. Basta acessar aqui.

Segundo, se quiser se arriscar, este momento em que ninguém fala de cripto talvez seja o melhor para você fazer uma entrada.

Uma combinação de bitcoin e binance coin reúne um risco e retorno interessante para este momento de mercado.

E, não se esqueça, sempre invista o dinheiro da pinga, e não o do leite. Por outro lado, se você estiver na faculdade, faça o inverso.

Você vai entender o que quero dizer quando perceber que nunca teve um porre de leite.

Terceiro: aquele abraço,

André Franco

Inscreva-se em nossa newsletter