Quão tolos seremos daqui a quatro anos?

Hoje, os especialistas adoram prever o preço do bitcoin até o final do ano. Parece que, além de ser um exercício de saber sobre o futuro, é também sobre passar vergonha.

Compartilhe:
Quão tolos seremos daqui a quatro anos?

Em 2010, eu tinha acabado de começar minha faculdade de Engenharia e tinha a pretensão de me formar em cinco anos e também de construir um robô.

No meio daquele ano, minha intenção já era apenas terminar o curso e nem envolvia mais o tal robô.

Além disso, como você sabe, era ano de Copa e, no momento em que o Brasil foi eliminado pela Holanda, eu e meus amigos fazíamos planos para o mundial de 2014.

Na minha cabeça, eu estaria quase formado e, pelo menos, estagiado por seis meses.

Isso poderia ter me dado alguma grana e então daria para ver alguns jogos da Copa, em São Paulo.

Essa foi minha previsão: assistir algum jogo no estádio com a pouca grana que eu teria levantando com um trabalho de meio período.

Eu não poderia estar mais errado. Em 2014, eu assisti a Copa por um telão, em Budapeste, sem nunca ter feito uma hora de estágio.

Inclusive vi o 7×1 pela TV, sozinho, em casa, porque eu atrasei para ir com alguns amigos ver na praça. O plano era assistir o primeiro tempo e correr para ver o segundo tempo com eles. Errei de novo.

Depois do primeiro tempo, não restava mais vontade para nada a não ser ficar em casa.

E, depois daquela eliminação, a única coisa que planejei para 2018 foi que eu estaria pelo menos trabalhando em algum lugar.

Ufa, essa eu acertei, pelo menos.

Mas como você pode ver, as previsões com exatidão não são uma habilidade humana muito eficaz. A cada quatro anos, fazemos planos ou projeções de como estaremos à frente e sempre erramos. Quanto mais precisos queremos ser, mais estúpidos parecemos um tempo depois.

Assim acontece com todos os mercados, e com o de criptomoedas não poderia ser diferente.

Hoje, os especialistas adoram prever o preço do bitcoin até o final do ano. Parece que, além de ser um exercício de saber sobre o futuro, é também sobre passar vergonha.

Nunca fui fã de chutar um preço para o curto prazo, até porque nem na minha vida eu consigo ter total controle — como você viu acima —, imagine em algo que o mundo define.

Por isso, gosto mais das previsões que são um direcionamento do que as que falam com exatidão.

Agora eu vejo que o preço do mercado de criptomoedas inteiro é de 250 bilhões de dólares e, com certeza, está apontando para cima.

A direção, para mim, é o Bitcoin 2.0, já o alvo… é opaco.

Como drivers para o curto prazo, temos duas datas importantes: o dia 19 de julho, que é o começo da reunião do G20 e, provavelmente, o nosso mercado será pauta.

Outra data é a votação da SEC por um novo pedido de ETF que pode sair no final de agosto.

Fora isso, minha previsão para a Copa do Qatar em 2022 é que teremos muito calor.