SUSHI e a exponencialidade

Em 2002 foi feita uma pesquisa a respeito de como se daria o aumento no número de celulares no mundo nos próximos dois anos.
SUSHI e a exponencialidade

TUDO JUNTO

Em 2002 foi feita uma pesquisa a respeito de como se daria o aumento no número de celulares no mundo nos próximos dois anos.

As empresas Gartner, Forrester, McKinsey e Jupiter indicaram que o número de celulares cresceria algo em torno de 16% ao longo do biênio seguinte.

Mas o crescimento foi de 100% até 2004.

Então, novamente, foi pedido para as mesmas empresas estimarem o crescimento até 2006.

O consenso indicou uma expansão de 14%.

Elas devem ter pensado que após um crescimento tão vertiginoso, o mais provável seria uma estabilização nos números.

Errado novamente.

O número de celulares dobrou naquele biênio.

Não satisfeitas em continuar errando, o consenso das quatro empresas previu na sequência um crescimento de 12% e 10% para os próximos dois biênios, respectivamente.

E adivinha...

Erraram por mais quatro anos, dado que o número de celulares dobrou a cada dois anos desde 2002 até 2010.

Essa história ilustra o que os especialistas chamam de Momento Iridium, isto é, a incapacidade humana de fazer previsões exponenciais utilizando ferramentas lineares.

Há um ano não se cogitaria que as exchanges descentralizadas (DEXs) conseguiriam tomar mercado das exchanges centralizadas (CEXs).

Em 2019 as DEXs não representavam nem 1% do volume das CEXs, mas essa tendência foi mudando ao longo dos últimos dois anos e hoje as exchanges descentralizadas já correspondem a 5% do volume.

A UniSwap, por exemplo, a mais proeminente de todas, negociou por dois dias seguidos um volume maior que da Coinbase Pro.

É aquele caso de que nada acontece por muito tempo, até acontecer tudo de uma vez.

Dessa forma, não me assustaria se as DEXs tomassem mais que 10% do volume das CEXs até o final do ano.

Outra coisa que tem acontecido várias e várias vezes neste ciclo de alta em que nos encontramos é o surgimento de novos projetos a cada semana.

Por termos um ecossistema de código aberto, um desenvolvedor com uma ideia diferente pode simplesmente copiar o código de uma plataforma, inserir sua inovação e lançá-la no dia seguinte.

Se você acha que estou exagerando, veja o recente caso da SushiSwap.

Um grupo de desenvolvedores apenas pegou o código-base da UniSwap, corretora que citei acima, e incluiu um token em sua lógica econômica.

O documento publicado no dia 26 de agosto apresentava a lógica por trás da emissão do novo token (SUSHI), que entrou em operação nesta semana, atraindo mais de US$ 1 bilhão em liquidez para o protocolo.

Frenesi à parte, a lógica desse crescimento deixa claro que cripto é uma categoria exponencial e se vale do código aberto e da inteligência coletiva para pavimentar o caminho até a criação de novos produtos, atraindo cada vez mais usuários.

O token SUSHI pode não capturar nenhum valor e até tender a zero no futuro, mas, no curto prazo, ele vem se apreciando bastante.

Não vejo uma tese de longo prazo para ativos como esse, mas talvez isso seja apenas minha cabeça linear não visualizando a exponencialidade daquilo que está na minha frente.

Forte abraço,
André Franco